UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 3 de outubro de 2022

Estamos todos no mesmo barco?

Foto: Uarlen Valério / O Tempo
QUARENTENA. “Eu estou com medo, moro eu, meu marido, meus três filhos, meu genro e meu netinho que tem só 20 dias. São sete pessoas em uma casa só”, conta apreensiva a diarista Lucileia Silva, 40 (Foto: Uarlen Valério / O Tempo)

Por Gabriel Duarte
Rio de Janeiro


Se por um lado ainda é um mistério a verdadeira origem do coronavírus, por outro, é cada vez mais claro que a forma como as nossas sociedades estão organizadas tornou-as vulneráveis à epidemia. Isso porque o vírus está exigindo aquilo que uma sociedade capitalista mais repudia: parar e senso de coletividade.

Diante da pandemia, dois problemas se levantam: a incapacidade do capitalismo de suprir, de fato, as necessidades de uma sociedade (falo, aqui, da tal “mão invisível”) e a má gestão (ou melhor, péssima) por parte do atual Governo Federal do Brasil.

Fazer viver ou deixar morrer”. Esse é o conceito de biopolítica cunhado pelo filósofo Michel Foucault. Diante da pandemia na qual estamos, urge o questionamento: quais são as vidas que é possível deixar viver?

A resposta é dona Cleonice Gonçalves, diarista, 63 anos. Moradora de Miguel Pereira, região serrana do Rio de Janeiro, ela contraiu o vírus no Leblon, na Zona Sul, o metro quadrado mais caro da cidade. A patroa de dona Cleonice voltou contaminada de uma viagem a Itália.

Sim, ela é a resposta. “Quem puder, fique em casa”, dizem eles. Mas, e quem não pode? A obrigação de muitas trabalhadoras e trabalhadores de ter que ir trabalhar por medo de perder o emprego, pois seus patrões não podem deixar de lucrar, só evidencia o caráter desumano do empresariado brasileiro e a política genocida do atual governo.

Tem também aqueles que não são obrigados a trabalhar. Não porque não querem, mas porque não têm onde trabalhar. Trata-se dos 12,3 milhões de desempregados no país. São os entregadores de fast food, os motoristas de aplicativo, os camelôs, enfim, os que lutam para sobreviver.

E quando o vírus chegar nas favelas, para onde correr? A favela resiste? Sem saneamento básico, segurança e tendo que dividir pequenos espaços para um grande número de pessoas – às vezes 8, 9 ou até 10 –, como é possível? Os moradores das favelas não conhecem o que é política pública.

Estamos todos no mesmo barco? Definitivamente não. O fato é que, enquanto uns estão em quarentena em navios e iates, outros estão se afogando, perdendo o ar nesse mar. É evidente que a pandemia de coronavírus deixará não só consequências desastrosas para a economia, mas também para a moral da burguesia brasileira. Grandes empresários, até então desconhecidos, indo às redes implorar pela intervenção do Estado e vomitando suas atrocidades na ânsia por lucro.

Para agravar ainda mais a situação, em nome da salvaguarda de uma economia já em ruínas, o atual presidente incita aglomerações e diz que o Brasil não pode parar. Tudo isso em nome do lucro de alguns poucos e da vida de muitos outros.

Mas o que fazer então? Primeiro, ficar em casa. Segundo, exaltar os corajosos profissionais da saúde que, mesmo sucateados, cumprem, com coragem, seu juramento de salvar vidas – mesmo que isso valha a sua própria. Além disso, é preciso enxergar, mesmo em tempos tão difíceis como esses, que a esperança de uma revolução está mais viva do que nunca, que estamos voltando a acreditar de novo na ciência, no conhecimento, que há uma luz no fim do túnel e que precisamos alcançá-la.

Em breve iremos olhar uns para os outros e enxergaremos uma pessoa que merece viver. Enxergaremos, finalmente, em cada um, um camarada.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes