UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 3 de julho de 2022

Little Richard, o rebelde do rock n’roll

Imagem: ReproduçãoImagem: Reprodução

Por Lucas Marcelino
São Paulo

Quando se trata de reinado no rock n’roll é comum se lembrar de Elvis Presley, suas roupas e topete característicos. Para quem curte um pouco mais, este lugar é de Chuck Berry e seu “duck walk”, passo que ficou imortalizado em uma época em que os artistas pouco se movimentavam no palco.

Mas a última semana fez muita gente relembrar de um rei esquecido e talvez mais importante que os outros dois: Little Richard, falecido hoje aos 87 anos de idade, em na sexta-feira (9).

“A wop bop a loo bop a lop bam bomm”

Little Richard não só chegou antes, como criou o grito de guerra do rock n’roll, copiado e cantado por inúmeros rockeiros na história – no Brasil, o rei do rock nacional, Raul Seixas, nomeou um dos últimos discos da carreira com uma versão adaptada.

De tão importante, ficou conhecido como o “arquiteto do rock”, mas seu nome verdadeiro era Richard Wayne Penniman. Antes de construir um estilo que transgrediu todas as regras da sociedade na época, enfrentou a família – principalmente o pai, fanático religioso – que não aceitava seu jeito de ser.

Na verdade, o rock foi criado por uma mulher, Sister Rosetta Tharpe, e foi ela quem descobriu e abraçou Little Richard, convidando-o para abrir seus shows ainda com a influência do R&B, um dos inúmeros ritmos da música negra.

Devido aos preconceitos da época ele largou o rock n’roll para se dedicar à música gospel, mas pouco tempo depois voltou para a “música do diabo”. Durante toda a carreira circulou entre os dois estilos, assim como circulavam dúvidas sobre ele.

O rebelde

Elvis teve suas polêmicas sobre o uso de drogas, sobre ser uma cria da indústria fonográfica para transformar o rock n’roll em música de brancos e até pela estória da sua não-morte. Chuck Berry teve suas polêmicas em um tempo em que músicos eram considerados ou de fato se transformavam em foras-da-lei. Mas Little Richard teve polêmicas mais importantes.

Em primeiro lugar, ele era um negro fazendo uma música dançante, que muitos creditavam ao diabo, mas que atraía brancos e negros para o mesmo espaço em plena segregação racial.

Em segundo lugar, ele era gay. E se hoje ainda convivemos com perseguições e ações absurdas contra a comunidade LGBT, imagine isso em 1950. Tanto que por muito tempo ele negou que fosse homossexual, mas muitas letras dos primeiros sucessos giravam em torno das gírias da comunidade LGBT e de relações homossexuais.

A energia que depositava no piano e a sensualidade nas apresentações renderam polêmicas em um país ultraconservador que tentava vender o sonho norte-americano de família branca com o homem trabalhador e a mulher dona de casa com seus filhos, o carro e o jardim da casa sempre bem cuidado.

Influência

Little Richard mudou a música mundial e isso já é suficiente para o homenagearmos. Mas, além disso, ele foi o responsável por transformar a mentalidade de jovens que vieram a se tornar, entre outros, os Beatles (que abriram seus shows no começo da carreira), Rolling Stones, Otis Redding, James Brown e até Lemmy (vocalista da banda de metal Motorhead), e foi regravado por artistas como Buddy Holly, Gene Vincent, Ed Cochran e muito mais gente.

Mas não foi só isso. Teve em sua banda de apoio Billy Preston e ninguém menos que Jimi Hendrix.

Little Richard carregava com ele uma parte da história da música negra, do rock n’roll, da rebeldia contra o conservadorismo enfadonho. Felizmente deixou gravadas muitas dessas histórias na forma de músicas e vídeos de shows.

A nossa maior homenagem é dançar um bom e velho rock n’roll, pois se ele estiver em algum lugar, estará botando fogo neste lugar com sua energia incomparável.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes