TwitterFacebook

Eleições estudantis reconhecidas: vitória da democracia na UFABC

Foto: Jady Oliveira

Lucas Faustino
Movimento Correnteza

O Conselho Universitário da UFABC deliberou, no fim de junho, com 35 votos favoráveis, 2 abstenções e nenhum voto contrário, pela posse dos militantes do Movimento Correnteza como Representantes Discentes eleitos no pleito que ocorreu nos dias 3 e 4 de março de 2020.

Através da luta e da mobilização estudantil para barrar o golpe dos setores direitistas da universidade que reivindicavam novas eleições, os estudantes eleitos passaram a se articular com os professores, técnicos administrativos e pós-graduandos, por meio de reuniões onlines, a fim de explicar o golpe que se desenhava. Após as conversas com os conselheiros, o Conselho Universitário reconheceu o resultado das eleições.

O Conselho Universitário e o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, ambos órgãos deliberativos da UFABC, cumprem um papel destacado naquilo que tange as políticas defendidas e adotadas pela universidade. A participação dos estudantes nesses espaços se justifica na importância de se defender políticas que sejam as melhores para a categoria, como por exemplo, políticas de cotas, de permanência estudantil, criação de novos cursos e outros.

É inegável a significativa importância que os conselhos e os estudantes possuem ao ampliarem a democracia e assegurar a participação e o controle social sobre o rumo da universidade.

Direita na UFABC fracassa em mais uma tentativa de golpe

Insatisfeita com o resultado das eleições na Representação Discente para os Conselhos Superiores, a direita da UFABC perpetrou mais uma tentativa de golpe contra os conselheiros, não reconhecendo a vontade da maioria e pedindo que as eleições fossem refeitas.

Essa não é a primeira vez que os setores reacionários da UFABC buscam efetuar um golpe contra a democracia da instituição.

Em 2018, a democracia da UFABC foi ferrenhamente atacada pelo Governo Temer ao postergar a nomeação do Professor Dácio Roberto como reitor indicado pela Comunidade Acadêmica para assumir o posto de Reitor da Universidade.  Na ocasião, era negociado às portas fechadas no Ministério da Educação a nomeação de outro reitor, uma articulação que envolvia os mesmos setores da universidade que não queriam reconhecer as eleições discentes.

Em ambas as tentativas, a articulação golpista falhou e assim a democracia na UFABC prevaleceu, reconhecendo a liberdade de expressão, o respeito ao direito de escolha dos estudantes e a favor dos princípios da autonomia universitária, fruto da luta estudantil e da unidade dos setores mais progressistas da universidade.

Por fim, os militantes do Movimento Correnteza reafirmam seu compromisso em resistir ao projeto do grande capital que deseja destruir e privatizar a educação pública brasileira, apresentado pelo governo Bolsonaro e o Ministério da Educação, e a organizar a luta pela assistência estudantil, com permanência para os mais pobres e o direito ao ensino público e de qualidade.

Print Friendly, PDF & Email
classic-editor-remember:
classic-editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações