UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 28 de janeiro de 2023

Governador Romeu Zema despeja militantes do MST em Minas Gerais

Moradores resistem há mais de 30 horas ao despejo truculento do governo.                     Foto: Gean Gomes – MST

Crime contra a vida em plena pandemia! Militantes denunciam que local estava cercado. Governo disse que suspendeu reintegração de posse, mas polícia militar avança com aparato ainda maior.

Por Guilherme Piva e Redação
MINAS GERAIS – Desde o dia 12 de agosto, 450 famílias do Acampamento Quilombo Campo Grande, situado no município de Campo do Meio, lutam contra um ato bárbaro do governo estadual. Romeu Zema (NOVO) jogou a Polícia Militar pra cima das pessoas que ocupam o terreno há mais de 20 anos, com uma grande produção de café, além de alimentos orgânicos, como cereais, milho, hortaliças e frutas. Com ampla mobilização da sociedade e uma campanha de denúncias que ganhou as redes sociais, o governo tentou jogar panos quentes. Em nota, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social afirmou na tarde de quarta que havia suspendido a reintegração de posse. Porém, o O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST denunciou que policiais permaneciam no local, mostrando a tentativa do governo de utilizar a nota para desmobilizar a sociedade. Na manhã de quinta (13), a situação se agravou. A polícia avançou com mais de 200 agentes sobre o acampamento e destruiu a sede da Escola Popular Eduardo Galeano. Militantes relatam que o local está sitiado pela Polícia Militar.
Tuíra Tule, da coordenação estadual do MST, denuncia o crime do governo do estado e convoca a mobilização em defesa das famílias: “A gente queria denunciar a covardia do governador Romeu Zema, do estado de Minas Gerais, que está permitindo essa atrocidade nesse momento de pandemia, ele é contra a vida. Nesse momento, a nossa escola acabou de ser demolida, e nós estamos aqui e a Polícia Militar está com muita hostilidade, sitiando a cidade, não deixando a gente se juntar, não deixando os parceiros entrarem com comida. A gente pede a todos muita atenção pro que a gente ‘tá! vivendo aqui. Nós não queremos um massacre, mas essa área é nossa e nós vamos resistir!”
Foto: Gean Gomes – MST
O terreno pertencia à antiga Usina Ariadnópolis, pertencente à Companhia Agropecuária Irmãos Azevedo (Capia). Com a falência da usina nos anos 90, parte dos antigos trabalhadores que ficaram sem indenização hoje vivem no acampamento. Em mesa de diálogo sobre o conflito, um acordo havia sido firmado para que as famílias permanecessem no local ao menos enquanto houvesse necessidade de isolamento social. A determinação da reintegração de posse pela Justiça estadual contraria o decreto de estado de calamidade pública em Minas Gerais devido à pandemia. O despejo se iniciou justamente no Dia Nacional de Luta contra a violência no Campo e pela Reforma Agrária, data que marca o aniversário do assassinato de Margarida Alves.
Moradores do Acampamento Maria da Conceição fazem ato em solidariedade ao Quilombo Campo Grande, em frente a uma loja da rede de Romeu Zema. Comunicação MST
O MST promove uma ampla campanha de denúncia nas redes sociais e fora delas. Na cidade de Itatiaiuçu, famílias do Acampamento Maria da Conceição realizam um ato em frente às lojas de Zema. Entidades como a Comissão Pastoral da Terra, além de outros movimentos sociais e partidos políticos, se solidarizam e repercutem a mobilização. Em suas redes sociais, o Movimento de Lutas nos Bairros, Vilas e Favelas – MLB se solidarizou com os sem-terra e destacou a atitude criminosa de Zema e a campanha pelo Despejo Zero.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes