TwitterFacebook

De que lado está a gestão de Sebastião Melo, prefeito de Porto Alegre?

Redação RS

PORTO ALEGRE – O dia 1º de setembro foi marcado pelo ataque à classe trabalhadora na cidade de Porto Alegre. Por volta das 12h, a Casa de Referência Mulheres Mirabal, que atende mulheres e crianças vítimas de violência, teve sua luz cortada. Prestes a completar 5 anos de atendimento, tanto para brasileiras, quanto de outras nacionalidades, a Casa já atendeu centenas de mulheres e atingiu milhares de pessoas que precisaram de acolhimento e abrigamento, mas não encontraram vagas nas quase inexistentes instituições que fazem esse tipo trabalho. 

A razão para o corte de luz? A falta de compromisso da gestão de Sebastião Melo com a vida das mulheres.

Distante de lá, no centro da cidade, foi colocada em votação a privatização da Companhia Carris Porto-Alegrense e a extinção dos cobradores. Tudo com apoio da base do governo de Sebastião Melo (PMDB). 

Hoje, quando completam-se 9 meses do governo Melo, fica nítido a todos e todas qual é o caráter desta gestão, distante e contra o povo, contra as mulheres, contra os lutadores sociais.

Quanto à Casa Mirabal, a atual gestão municipal afirmou em nota: Desde 2017 foram realizadas diversas reuniões com o Movimento Mulheres Olga Benario na busca de uma solução, incluindo a criação até de um grupo de trabalho unindo Estado e Município. A radicalização ocorreu por parte da entidade no momento em que o grupo optou por ocupar a escola, na Avenida Souza Reis. 

Importante entendermos o que esta nota representa e elencar alguns fatos: 1) a criação do Grupo de Trabalho entre estado, Município e Movimento foi conquistado em 2017, fruto da luta de mulheres que desde 2016 lutam pela legalização da Casa de Referência Mulheres Mirabal, não tendo a atual gestão nenhuma responsabilidade sobre o ocorrido. 2) A escola onde funciona hoje a Casa foi cedida e negociada nesse Grupo de Trabalho citado, havendo um longo processo jurídico, com decisão favorável ao Movimento, de não cumprimento de acordo por parte da antiga gestão municipal. 3) Como é possível falar em radicalização e não escrever uma palavra sequer para referir-se à solução para o corte de luz? 

Às mulheres que “optaram” pela radicalização não sobra nenhuma alternativa, a não ser a luta contra uma gestão que se coloca contra suas vidas. A nós, Sebastião Melo nunca enganou. Sabemos que ele quer entregar a cidade e os serviços públicos para as famílias ricas de Porto Alegre seguirem aumentando seu patrimônio, enquanto nós, da Casa de Referência Mulheres Mirabal, trabalhamos diariamente para garantir que mais de 550 diaristas recebam cestas básicas, para que mulheres de qualquer idade ou cor tenham o direito de sair de um lar abusivo e buscar uma vida digna para si e seus filhos. 

Sabemos de qual lado nós estamos e é do lado das mulheres que não cansam de lutar por um mundo sem violência de gênero, sem retirada de empregos, sem corte de luz nos serviços de atendimento à população. Não vamos recuar. A Mirabal resiste! É pela vida das mulheres!

Print Friendly, PDF & Email
classic-editor-remember:
classic-editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações

%d blogueiros gostam disto: