UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 13 de agosto de 2022

Consórcio do ABC faz parceria com setor privado para combater violência contra mulher. Bom pra quem?

Mulheres do ABC em manifestação contra o fechamento de Casa Abrigo na região

Amanda Bispo e Larissa Mayumi 


ABC PAULISTA – No ínicio deste mês o Consórcio Intermunicipal Grande ABC assinou o Fundo de Investimento Social pelo Fim da Violência contra as Mulheres e Meninas, instituído pelo Instituto Avon e pela Accor, para implementar o Programa Acolhe. Na região do ABC, a única proposta de expansão dos serviços de combate a violência contra a mulher é feita em acordo com instituições privadas, num contexto em que há anos não são criadas novas políticas públicas de combate a violência contra a mulher e os serviços existentes estão sendo sucateados e ameaçados de fechamento.

O aumento de casos de violência contra as mulheres tem crescido há anos e se intensificou com medidas de isolamento social devido à COVID-19. No Grande ABC, segundo a Secretaria de Segurança Pública, os boletins de violência doméstica cresceram 27%. Neste ano, os casos de estupro cresceram 13,2%, com destaque para a cidade de Santo André, onde esse crime teve alta de 51% nos registros das delegacias. 

A realidade das mulheres indica a necessidade investimentos em políticas públicas de combate a violência contra mulher. Porém, há anos não surgem novas casas de referência para mulher. Por exemplo, na cidade de Santo André, o único serviço especializado no atendimento às mulheres foi criado há 20 anos, o Centro de Referência da Mulher Vem Maria. Em Diadema, a Casa Beth Lobo existe há 25 anos e em São Bernardo, o Centro de Referência e Apoio à Mulher Márcia Dangremon – SBC, desde 2011.

O fato dessas políticas serem públicas garantiu com que os serviços existissem por todos estes anos e atendessem milhares de mulheres de todo o ABC. O crescimento desses serviços deve ser pensado de forma pública, diferente do que propõe o Fundo de Investimento Social pelo Fim da Violência contra as Mulheres e Meninas que oferecerá um abrigo temporário para mulheres e seus filhos em hotéis operados pela rede Accor, uma das intituições que gerem o projeto. Que coincidência! Por que o instituto Accor tem interesse em oferecer este serviço nas suas próprias redes de hotéis? 

Em reunião da Frente Regional de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher com o Secretário Executivo, este disse entender que este serviço: “será a casa de passagem para a região do ABC”. Nós não concordamos com esse entendimento! As mulheres do ABC precisam hoje da criação da Casa de Passagem como um serviço público com a qualidade e estabilidade que só o serviço público pode proporcionar. A casa é prometida pelo Consórcio há anos, mas as prefeituras da região do ABC não se mostram interessadas em investir para que esses serviços sejam criados e o que vemos é um esvaziamento do financiamento de políticas regionais. Foi o que ocorreu com uma das Casas abrigo, gerida pelo Consórcio que foi ameaçada de fechar por corte de verbas. 

Realizar o abrigamento das mulheres vítimas de violência pelo setor privado, numa rede de hóteis, dificilmente garantirá a qualidade do serviço. O acolhimento das vítimas de violência precisa ser feito em espaços com privacidade, onde as mulheres possam se sentir seguras e recebam atendimento por uma equipe que seja dedicada exclusivamente a este serviço. 

Esse acordo com o setor privado mostra como esses governos lidam com a violência contra as mulheres que só tem aumentado, se isentando da responsabilidade  por essas políticas, o que mostra o descaso com a vida das mulheres. Quem hoje ocupa o poder não tem interesse em combater a violência, não prioriza construir mais políticas públicas de enfrentamento, ampliando as existentes, pelo contrário, as políticas existentes são as primeiras a terem suas verbas cortadas.

Dessa forma, as mulheres devem seguir em luta contra a violência e em defesa da manutenção e da ampliação dass políticas públicas de enfrentamento da violência contra as mulheres. A vida das mulheres não é uma mercadoria! Quando se pensa o combate a violência contra mulher precisamos de serviços públicos, que ofereçam atendimento de qualidade.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes