UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Famílias de ocupações continuam acampadas em frente ao Palácio da Liberdade em BH

Famílias permanecem acampadas em frente ao Palácio do Governo de Minas Gerais. Reprodução: MLB
Famílias permanecem acampadas em frente ao Palácio do Governo de Minas Gerais. Reprodução: MLB

Ocupações Carolina Maria de Jesus, Manoel Aleixo e Vicentão iniciaram um acampamento permanente na porta do Palácio da Liberdade cobrando moradia definitiva, há muito tempo prometida pelo governo do estado de Minas Gerais. O Governo do Zema não faz política habitacional e descumpriu acordo com 300 famílias!

Redação MG

LUTA POPULAR – Desde ontem, 07/12, as famílias das ocupações Carolina Maria de Jesus, Manoel Aleixo e Vicentão fazem um ato na porta do Palácio da Liberdade, denunciando o descumprimento do acordo feito por parte do Governo do Estado e da Companhia de Habitação de Minas Gerais (COHAB-MG), que visava assegurar o direito à moradia para cerca de 300 famílias. A COHAB-MG, a partir da luta das várias famílias, firmou em 2018 um acordo para pagamento de bolsa aluguel para as famílias até o reassentamento definitivo delas em áreas de regularização fundiária do Estado, em um prazo de até dois anos. Tal acordo foi descumprido após a eleição do Governador Zema, desamparando as famílias em um momento em que o povo sofre com a fome, aumento nas contas de luz e água, do gás de cozinha e do combustível e sofrendo ainda os impactos da pandemia.

O Governador Zema, na tentativa de fechar a COHAB-MG, realizou em Outubro deste ano uma troca na presidência da Companhia. Até hoje, o novo dirigente se nega a receber os movimentos e as famílias para o diálogo, inclusive pediu o adiamento de reunião agendada no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) do Tribunal de Justiça de MG, onde o conflito está sendo mediado. Diante da urgência da situação não restou outra alternativa a não ser reivindicar a imediata abertura de diálogo com as ocupações Carolina Maria de Jesus, Manoel Aleixo e Vicentão.

Diante do exposto, as famílias reivindicam: 1) reunião imediata com o Governador Zema e com o novo Presidente da COHAB-MG; 2) garantia do cumprimento do acordo por parte da COHAB-MG, com definição de prazo para o reassentamento definitivo; 3) reabertura de tratativas em torno dos imóveis a serem repassados para os reassentamentos; 4) alternativas temporárias emergenciais para as famílias.

Após o dia inteiro acampadas, os movimentos conquistaram uma reunião com a COHAB-MG e a Sedese. Depois de horas de reunião, nada foi resolvido e nenhum gesto de solução foi dado por parte da Companhia, que tem a obrigação de cumprir com o convênio assinado junto aos movimentos e às ocupações. O Governo Zema continua a ignorar os problemas do povo trabalhador e a questão da moradia no estado, e tem se negado em resolver o que foi acordado há mais de 4 anos.

Apesar da chuva intensa e do frio, as famílias, em assembleia, decidiram por manter o acampamento na porta do Palácio da Liberdade por tempo indeterminado, até que novos encaminhamentos surjam para o destino das ocupações Carolina, Manoel Aleixo e Vicentão.

Com luta, com garra, a casa sai na marra!

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes