UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 28 de janeiro de 2023

Candidato progressista vence eleições históricas na Colômbia

Colombianos elegem candidato de esquerda para presidente pela primeira vez na história. Resultado eleitoral é consequência da grande insatisfação dos povos da Colômbia com o neoliberalismo e a extrema-direita.

Felipe Annunziata | Redação Rio


INTERNACIONAL – Neste domingo (19), aconteceu o segundo turno da eleição presidencial colombiana. Concorrendo contra a extrema direita, representada por Rodolfo Hernandez, o candidato de esquerda Gustavo Petro saiu vitorioso com mais de 50% do total de votos. 

A Colômbia vive sob uma crise social muito forte, com 39% da população na pobreza e 11% de desemprego, segundo o próprio governo. Ao mesmo tempo, o país cresceu mais de 10% o seu PIB em 2021, mas toda essa riqueza ficou concentrada nas mãos da burguesia nacional e monopólios estrangeiros. 

Governo atual implementou política reacionária

O atual governo reacionário de Ivan Duque, manteve a cartilha neoliberal dos últimos governos do país. Além disso, reforçou a repressão política contra líderes sociais de esquerda. Só em 2021, ao menos 145 líderes de movimentos em defesa dos direitos humanos foram assassinados.

Duque também fortaleceu a dependência política e militar do país em relação aos EUA. Apoiou a tentativa de golpe e o bloqueio econômico contra a Venezuela. Também ameaçou descumprir o acordo de paz feito com as guerrilhas, que atuavam no país desde os anos 1960, que previa a realização de uma ampla reforma agrária.

Vitória Petro mostra insatisfação do povo contra a direita

A eleição de Gustavo Petro para presidente é um movimento histórico importante na Colômbia. Isto porque o país nunca foi governado pela esquerda. Com milícias paramilitares de direita e a ocupação militar dos EUA com diversas bases espalhadas no país a política nacional sempre foi controlada pela direita e a extrema-direita. 

A vitória de Petro se mostra ainda mais contundente pois na sua chapa foi eleita vice-presidente Francia Márquez, mulher negra e militante ambientalista. Marques será a primeira mulher negra a ocupar o cargo na história colombiana. 

Este resultado é principalmente fruto da insatisfação dos povos latino-americanos contra a extrema-direita e a direita neoliberal. O cenário se repetiu em outros países da região, como Chile e Peru. 

No entanto, o sucesso desse novo governo progressista na Colômbia depende de não conciliar com os interesses dos EUA e da burguesia narcotraficante colombiana.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes