Oposição vence eleições do DCE UFV

317
VITÓRIA Chapa 2 obteve 1258 votos das e dos estudantes da UFV. JAV

Guilherme Piva

Redação Minas Gerais

Terminou na madrugada do dia 04 de agosto a eleição para o Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Viçosa, um dos DCEs mais importantes do estado de Minas Gerais. Foram cerca de dois meses de campanha que culminaram em uma votação que tendia a ser acirrada. 

Os momentos de tensão da apuração eram intercalados pelos cálculos à medida que os resultados das urnas saíam. As e os estudantes da UFV deram um recado sonoro e elegeram a chapa da oposição por 334 votos de diferença, com 1258 votos – mais de 10% dos estudantes da universidade – contra 924 da chapa de continuidade da gestão anterior, rechaçando nas urnas a gestão anterior que ficou marcada pela desmobilização dos estudantes e inclusive por um voto da gestão do DCE a favor da proposta de política de preços do RU apresentada pela reitoria no CONSU que reajustava o valor para R$5,40 para a graduação e R$9,00 para a pós, com alguns subsídios insuficientes para estudantes em vulnerabilidade.

A urna mais acirrada foi a do Centro de Ciências Agrárias (CCA), onde a Chapa 2, Sem Tempo Para Ter Medo (Correnteza e UJC), obteve um voto a menos que a chapa 1 (UJS, Levante, PT). Destaque para as urnas do Centro de Ciências Humanas (CCH) e de Ciências Biológicas (CCB), onde a chapa 2 venceu por 159 e 196 votos, respectivamente.

Enfrentando diversos ataques e uma tática reacionária da chapa adversária, que fez campanha disseminando fakenews, acusando a chapa Sem Tempo Para Ter Medo de ser contra cotas e até de ser bolsonarista, além de uma agressão de um professor fascista contra integrantes da chapa durante uma passagem em sala, o coletivo se manteve firme, mobilizando os estudantes para mudar o DCE e construir uma entidade de luta e com independência da reitoria. 

Esse resultado é uma importante conquista para a juventude em meio às lutas pelo Fora Bolsonaro e em defesa da educação, da universidade pública, da ciência e da pesquisa e da expansão da assistência estudantil. Nesse cenário, a militância do Movimento Correnteza cumpriu um papel fundamental nas mobilizações, promovendo diversas passagens em sala, reuniões com CA’s e DA’s, Atléticas, dialogando com a comunidade discente no RU, nos pavilhões de aulas, nos prédios e corredores de toda a UFV.