UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 10 de dezembro de 2022

Dinheiro da corrupção fortalece aliança do Centrão com os fascistas

Dinheiro do Orçamento Secreto financiou esquema de reeleição de deputados e senadores fascistas e do Centrão

Felipe Annunziata | Redação Rio


BRASIL – Hoje (4), 100% das urnas do 1º turno das eleições foram apuradas pelo TSE. Do ponto de vista dos eleitos para a Câmara dos Deputados e para o Senado, o resultado foi a coligação do fascismo com o Centrão, elegendo as maiores bancadas. O PL, do fascista Bolsonaro, com 99 deputados, o PP,  do chefe do Centrão Arthur Lira, com 47, e o Republicanos, da Igreja Universal, com 41, elegeram juntos 187 deputados.

Além desses partidos que fizeram a campanha do fascista, juntam-se também outros partidos do Centrão: União Brasil (59), ligado às oligarquias estaduais, MDB (42) e PSD (42), totalizando 143 deputados eleitos. Esses partidos hoje estão com um pé na canoa de Bolsonaro e outro na canoa de Lula no 2º turno.

No campo da socialdemocracia, PT, PSOL, PCdoB, PDT, PSB e Rede mantiveram o tamanho da atual legislatura, elegendo juntos 125 deputados. Na prática, a correlação de forças na Câmara e no Senado se mantive a mesma de antes da eleição. A diferença é que os antigos partidos da direita neoliberal (PSDB, Cidadania, Podemos e Novo) saíram derrotados, perdendo muitos deputados. O PSDB, que já governou o Brasil por 8 anos, elegeu apenas 13 deputados.

A grande mudança está, no entanto, entre os nomes que foram eleitos. Em vários estados, principalmente no Sul, Sudeste e Centro-Oeste, deputados fisiológicos dos partidos do Centrão foram substituídos por nomes fascistas dos mesmos partidos, a exemplo do General Pazuello (PL), ex-ministro responsável pelo morticínio na pandemia, e Nikolas Ferreira, youtuber fascista eleito pelo PL em Minas Gerais.

Cenário se repete no Senado

PL, PP e Republicanos também garantiram uma ampliação da coligação fascista no Senado. Juntos elegeram 13 das 27 cadeiras em disputa na Casa. Com o resultado, os apoiadores de Bolsonaro reúnem 23 de 81 senadores. Assim como na Câmara, se verificou a eleição de figurões fascistas, como Marcos Pontes (PL-SP), ex-ministro da Ciência e Tecnologia responsável pela destruição do orçamento da ciência, e Hamilton Mourão (Republicanos-RS), general fascista atual vice-presidente da república.

Assim como a Câmara, o Senado continua sobre controle dos demais partidos de direita ligados às oligarquias locais, representado no PSD, MDB e União Brasil, que juntos alcançaram 31 senadores. A socialdemocracia no Senado não apresentou muitos ganhos, PT, PDT, PSB e Rede alcançaram 13 senadores, ampliando apenas uma cadeira em comparação com a composição anterior do Senado.

Corrupção do Orçamento Secreto garantiu reeleição do Centrão

Esse domínio da aliança do Centrão com o fascismo nas eleições parlamentares se deve, principalmente, ao dinheiro da corrupção vindo do Orçamento Secreto. Desde 2020, com o apoio de Bolsonaro, os deputados e senadores desse campo político destinaram bilhões de reais do dinheiro público para emendas parlamentares sem fiscalização.

Só em setembro, para garantir o sucesso nas urnas, Bolsonaro liberou R$ 5,6 bilhões para o Centrão em emendas do Orçamento Secreto. Para ter dinheiro à disposição, o ex-capitão cortou verba do programa Farmácia Popular, da merenda das crianças nas escolas e dos programas de combate ao câncer.

O Centrão, por sua vez, usa o dinheiro para fazer obras desnecessárias e superfaturadas, ganhando com o desvio de recursos e propinas. Com essa verba, eles compram votos e fazem caixa 2 para a reeleição.

O resultado da eleição para o legislativo coloca ainda mais na ordem do dia a chance do fascismo representado por Bolsonaro tentar um golpe no Brasil. Será necessário ampliar a resistência nas ruas contra as reformas antipovo que o “novo” Congresso irá defender.

Arthur Lira já disse em entrevista à GloboNews que o Congresso será “mais liberal e reformista”. Ele já quer pautar a Reforma Administrativa, que acaba com o SUS e a educação pública, além da privatização da Petrobras.

Outros Artigos

  1. Deputados fascistas e aqueles alinhados ao fisiologismo do Centrão, em geral, são todos entreguistas e ameaçam a soberania do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes