UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2023

A contribuição teórica e prática decisiva de Stalin para o marxismo-leninismo

“A teoria marxista-leninista não é um dogma, mas um guia para a ação (Stalin)”

Elena Ódena, fundadora do Partido Comunista da Espanha (Marxista-Leninista).

Tradução: Igor Barradas (RJ)

Texto publicado no número 11 do jornal “Revolução Espanhola”, em Setembro de 1978.


TEORIA MARXISTA Há muitos anos, os revisionistas na Espanha e em todas as latitudes, em sintonia com a reação mundial, têm dedicado grandes esforços e tentativas ao trabalho de difamar, caluniar e esconder a grande figura revolucionária do líder comunista indiscutível, tão internacionalista, que foi Joseph Stalin, bem como suas importantes obras teóricas e ideológicas. Mas, para a história moderna, para o proletariado mundial e para toda a humanidade progressista, Stalin foi e sempre será o grande sucessor e o aluno mais fiel e brilhante do imortal Lenin. Após a morte de Lenin, Stalin foi o líder comunista mais atacado e mais odiado pela reação e por todos os renegados do marxismo-leninismo. Acusando Stalin de dogmatismo e “déspota”, os ideólogos da reação juntaram-se em seus ataques a Stalin com revisionistas renegados de todos os matizes, desferindo assim um golpe pérfido nos próprios fundamentos do marxismo-leninismo e da revolução, uma vez que toda a vida e a obra de Stalin estão ligadas a um período decisivo da história moderna da humanidade, como a Revolução de Outubro de 1917 e a construção do socialismo no primeiro país onde o proletariado conquistou o poder através da revolução proletária e esmagou o poder capitalista e reacionário da burguesia e do imperialismo.

Ao acusar vilmente Stalin de todos os tipos de crimes e injustiças, a reação, e mais tarde os revisionistas e renegados junto com ela, procuraram semear o descrédito e a desconfiança da revolução socialista e dos líderes e Partidos marxistas-leninistas, em geral, que continuaram a defender os princípios fundamentais do marxismo-leninismo, como Stalin os defendeu intransigentemente até sua morte. Como ficou claro, trata-se sobretudo de negar e condenar o internacionalismo proletário ativo, a ditadura do proletariado, a necessidade do Partido como instrumento primordial da revolução e da construção do socialismo; o princípio da violência revolucionária e da luta de classes como motor da História, entre outros.

Por todas essas razões, os traidores do marxismo-leninismo se transformaram em agentes da reação, e o imperialismo inelutavelmente precisava jogar lama no grande líder e comunista consistente e incorruptível que Stalin era e atacá-lo até a morte. Eles precisavam tentar destruir a grande figura de Stalin como líder comunista internacional e como símbolo da revolução, de esperança para o proletariado mundial. Agora, passo a passo, os revisionistas do grupo de Carrillo e outros vira-casacas do movimento comunista vieram, depois de difamar e caluniar Stalin, renunciar não apenas a Lênin e ao marxismo, mas também na Espanha renunciaram à bandeira republicana, da bandeira da luta antifascista e popular de todo o povo, e eles foram abertamente sem armas ou bagagem (eles não tinham mais nada) do lado da reação.

O papel de Stalin na construção do socialismo

Apesar da traição subsequente após a morte de Stalin dos novos líderes da União Soviética e do Partido Comunista da URSS, a Grande Revolução de Outubro de 1917 inaugurou uma nova era na história da humanidade, a era das guerras do proletariado e seu Partido, a era da construção do socialismo como o primeiro passo para a sociedade comunista. E nesta época, após a morte do grande gênio da revolução, Lênin, o camarada Stalin deve desempenhar um papel não apenas na vanguarda, mas até decisivo. Nada nem ninguém, por mais que os reacionários e os contra-revolucionários tentem com calúnias vis, poderá esconder esta verdade objetiva. 

Quando Lênin morreu em janeiro de 1924, as condições objetivas para a construção do socialismo na URSS não eram apenas extremamente complexas e difíceis internamente, mas também, externamente. Por um lado, o país estava atrasado e empobrecido e destruído pela guerra imperialista e depois pela guerra civil, e pela primeira agressão militar de mais de 14 países capitalistas que uniram suas forças contra o novo estado socialista. 

Mas Stalin, à frente do Partido, soube traçar uma linha justa e ousada para construir a sociedade socialista, apesar do cerco capitalista e da feroz luta de classes que continuava no interior do país. Assim, o povo soviético, sob a liderança de Stalin e do Partido, empreendeu não apenas a industrialização do país, lançando as bases econômicas do socialismo, mas também a enorme tarefa de transformar a agricultura atrasada e abandonada, o campo, em uma agricultura moderna e avançada.

Por meio de planos de coletivização elaborados sob a liderança pessoal de Stalin, a agricultura na URSS tornou-se a mais avançada do mundo, com mais de 242.000 kolkhoz (cooperativas socialistas) e mais de 4.000 sovkhoz (fazendas estatais). Foi feito um grande esforço para reforçar a entrega de tratores e máquinas agrícolas às cooperativas e fazendas estatais, e contando essencialmente com o campesinato pobre, eles passaram para a coletivização da agricultura como um todo, derrotando assim, na prática, os kulaks (meio e camponeses ricos que se opunham ao regime socialista) sobre bases sólidas. 

Da mesma forma, Stalin tornou realidade os planos de eletrificação de todo o país, previstos antes da morte do camarada Lênin, o que permitiu acelerar a industrialização de todo o país em condições ideais. O sistema socialista e as novas relações de produção, a supressão da exploração do homem pelo homem, permitiram um desenvolvimento impetuoso das forças produtivas, acompanhadas pela constante elevação e melhoria do nível econômico e cultural, e das condições sociais e de vida em geral de todos os povos da União Soviética. Stalin promoveu pessoalmente a pesquisa científica baseada no materialismo dialético, tanto na agricultura, onde foram alcançadas descobertas e sucessos de importância universal, quanto no campo da tecnologia e da indústria.

Stalin contra o sectarismo e a estreiteza diante das classes médias e do campesinato

Ao contrário das calúnias e invenções da reação e dos inimigos da revolução, Stalin não só nunca foi um dogmático, nem um pragmatista de visão estreita, mas muito pelo contrário. Uma prova particularmente eloquente, entre outras, da sua sagacidade, da sua capacidade prática, teórica, do seu espírito científico e de análise dos fenômenos sociais concretos e da sociedade, é a sua atitude perante as classes médias e as nacionalidades. Salvo algumas diferenças no que se refere à importância numérica atual, dado o aumento numérico da classe trabalhadora (pelo menos na Espanha) das classes médias, e levando em conta que por camadas médias temos que entender amplos setores do campesinato, e não setores proletários da cidade, consideramos de grande importância relembrar aqui o texto de Stalin intitulado “A Revolução de Outubro e a Questão das Classes Médias”. Ele diz isso em seu primeiro parágrafo: 

“É indubitável que um dos problemas fundamentais da revolução operária é o problema das camadas médias, que são formadas pelos camponeses e pela camada média trabalhadora da cidade. Entre elas é preciso incluir as nacionalidades oprimidas, compostas em nove décimos de camadas médias. Como vemos, são as mesmas camadas que, pela sua situação econômica, se acham situadas entre o proletariado e a classe dos capitalistas. Duas circunstâncias determinam o peso específico destas camadas: em primeiro lugar, são a maioria ou, de qualquer modo, uma considerável minoria da população dos Estados atuais; em segundo lugar, constituem as importantes reservas onde a classe dos capitalistas recruta o seu exército contra o proletariado. O proletariado não pode manter-se no Poder sem a simpatia, sem o apoio das camadas médias e, sobretudo, dos camponeses, especialmente num país como a nossa União de Repúblicas. O proletariado não pode sequer pensar seriamente na conquista do Poder, se estas camadas não forem pelo menos neutralizadas, se estas camadas ainda não conseguiram afastar-se da classe dos capitalistas, se ainda constituem, na sua massa, o exército do capital. Daí a luta pelas camadas médias, a luta pelos camponeses, que atravessa como um fio vermelho toda a nossa revolução, de 1905 a 1917, luta que ainda está longe de ter chegado ao fim e que ainda continuará a desenvolver-se no futuro.”

O papel histórico de Stalin nos anos de ascensão do fascismo e na Segunda Guerra Mundial

As análises e julgamentos de Stalin sobre a política internacional sempre foram caracterizados por uma profunda visão e previsão, mesmo sob as condições mais complexas e difíceis. Assim, durante a crise econômica mundial da década de 1930, o camarada Stalin desenvolveu a teoria marxista-leninista demonstrando que “para acabar com a crise, é necessário acabar com o capitalismo”. Nunca mais atual do que nos momentos precisos em que vivemos outra daquelas inevitáveis ​​crises cíclicas do capitalismo, as seguintes palavras de Stalin:

“Ao longo de mais de cem anos, ocorreram crises econômicas periódicas, que se repetem a cada 12, 10, 8 e menos anos. Nesse período, os governos burgueses de todas as classes e cores, os grandes homens burgueses de todos os gêneros , todos sem exceção, tentaram testar sua força na questão de “conjurar” e acabar com a crise. Mas todos eles foram derrotados. E foi assim porque a crise econômica não pode ser “reprimida” ou encerrada no âmbito do capitalismo. O que pode ser surpreendente no fato de que os homens pró-burgueses de hoje também são derrotados?

Além disso, desenterrando brilhantemente as causas profundas da ascensão e razão da existência do fascismo, Stalin apontou que:

“Nas condições de um súbito agravamento de todas as principais contradições do mundo capitalista, a burguesia procurará uma saída da situação em uma maior fascistização no campo da política interna, usando todas as forças reacionárias e, em particular, a social-democracia”. “Por outro lado”, acrescentou Stalin, “a burguesia procurará uma saída em uma nova guerra imperialista”.

Se pensarmos que essas palavras foram escritas há mais de 40 anos, é surpreendente, não apenas a lucidez e precisão da análise sobre os acontecimentos que logo seriam desencadeados (revolta fascista na Espanha, implantação do nazifascismo na Alemanha e Itália, desencadeada pela Alemanha e Itália da Segunda Guerra Mundial), mas também em termos da aplicação aos momentos e circunstâncias atuais dessa análise e das conclusões a que Stalin chegou. Resta esclarecer que o fascismo em sua forma aberta e descarada e nas modalidades que adotou no passado, agora se apresenta disfarçado de falsa democracia e que usa não apenas a social-democracia, mas também revisionistas de vários tipos. 

Na época do levante fascista na Espanha em 18 de julho de 1936, e da intervenção militar germano-italiana, Stalin, todo o Partido, e o povo soviético, se mobilizaram para ajudar nosso povo. Até que isso fosse impossível devido ao bloqueio estabelecido por todos os meios pelas chamadas potências de “não intervenção”, a União Soviética não parou de enviar ao nosso povo armas, alimentos, equipamentos militares de todos os tipos, voluntários e instrutores, equipes, etc, etc. E o próprio Stalin dirigiu a José Díaz, secretário-geral do PCE, o seguinte telegrama histórico:

“Os trabalhadores da União Soviética, ao prestar às massas revolucionárias da Espanha a ajuda de que eles são capazes, não fazem nada mais do que cumprir seu dever. Eles percebem que a libertação da Espanha da opressão dos reacionários fascistas não é um assunto privado dos espanhóis, mas a causa comum a toda a humanidade progressista e avançada”.

Os inimigos da União Soviética, de Stalin e do marxismo-leninismo caluniaram o comportamento de Stalin e da União Soviética durante nossa guerra contra o fascismo. Mas os fatos estão aí, e todo o nosso povo pôde confirmar e teve provas irrefutáveis ​​da extraordinária solidariedade e apoio em todos os campos que Stalin e o povo soviético sob sua liderança deram ao povo espanhol em sua luta contra o fascismo. 

Naquele exato momento, Stalin, à frente do Estado soviético, estava ao mesmo tempo engajado no plano internacional em uma delicada batalha diplomática e política para frustrar os planos anti-soviéticos dos governos da Inglaterra e da França e outras forças imperialistas que procuravam derrotá-lo, propondo empurrar a Alemanha hitlerista para atacar a União Soviética, para depois tirar vantagem desse ataque em benefício próprio. Para esse fim, eles fizeram concessões após concessões às agressivas ambições expansionistas da Alemanha hitlerista (Chamberlain e Dadalier em Munique) e se recusaram a realizar uma aliança antifascista como Stalin repetidamente propôs. Mas, descobrindo a tempo o jogo duplo e as vis intenções anglo-francesas contra a União Soviética, Stalin foi forçado a assinar um pacto de não agressão com a Alemanha, falhando todas as suas tentativas de conseguir a criação de uma frente única dos diferentes estados da Europa contra a agressividade e expansionismo da Alemanha de Hitler. Posteriormente, e após a agressão de Hitler contra si próprios, os governos da Inglaterra, França e Estados Unidos foram forçados, dadas as circunstâncias, a formar uma coalizão antifascista junto com a União Soviética, como havia sido proposto inicialmente pelo camarada Stalin.

Todos conhecem o papel decisivo desempenhado por Stalin à frente do Partido, do Estado e dos exércitos soviéticos durante a Segunda Guerra Mundial. Assim, ao final da Segunda Guerra Mundial, a União Soviética tinha um prestígio impressionante. Em particular, o nome do camarada Stalin gozava de respeito e simpatia ilimitados entre todos os povos, e em particular entre aqueles que lutaram contra o fascismo. Deve-se notar que na Espanha, e apesar dos vis ataques e calúnias da camarilha revisionista Carrillista, os trotskistas e outros contra-revolucionários pequeno-burgueses e, claro, por toda a reação, o nome de Stalin foi e continua a ser venerado. amado por toda a classe trabalhadora e por amplos setores populares.

Sobre a obra teórica de Stalin

Ao contrário do que afirmam agora os revisionistas, reacionários e contra-revolucionários, que caluniam grosseiramente sua obra teórica e procuram negar seu valor imensurável, Stalin deu grandes contribuições teóricas ao marxismo-leninismo e isso em campos muito diversos do conhecimento. O charlatão e euro-revisionista S. Carrillo ousou dizer que “nas abordagens ideológicas da era de Stalin havia muita confusão” e “que as intervenções teóricas de Stalin acrescentavam muito pouca ou nenhuma clareza”; que “Stalin transformou conceitos em fetiches”, etc, etc.

Para o renegado Canillo, o chamado período de Stalin é “o período do dogmatismo”. Naturalmente, essas acusações vis não resistem ao menor confronto com a realidade do que foi o trabalho prático e teórico de Stalin. Precisamente, uma das características de Stalin é o antidogmatismo. Stalin nunca se cansou de repetir em todos os seus escritos que:

“A teoria marxista-leninista não pode ser considerada um símbolo de fé, nem os marxistas como estudiosos, pedantes e exegetas.” A teoria marxista-leninista”, Stalin nos diz na História do Partido (Bolchevique) da URSS, “é a ciência do desenvolvimento da sociedade, a ciência do movimento operário, a ciência da revolução proletária, a ciência da construção da sociedade comunista. E como ciência não é e não pode ficar estagnada, mas se desenvolve e se aperfeiçoa”.

Não. Aqueles que hoje acusam Stalin de ter sido um dogmático, sabem muito bem que não é assim, mas pelo contrário, Stalin travou batalha após batalha contra o dogmatismo e contra o desprezo pela teoria, como testemunham todos os seus escritos. Na obra mencionada, Stalin insiste repetidamente que:

“Dominar a teoria marxista-leninista não significa, longe disso, aprender de cor todas as suas fórmulas e conclusões e cumpri-las ao pé da letra. Para dominar a teoria”, diz-nos Stalin, “é necessário, antes de tudo, aprender a distinguir entre sua letra e seu espírito. Dominar a teoria marxista-leninista significa assimilar o espírito dessa teoria e aprender a aplicá-la para resolver os problemas práticos do movimento revolucionário nas várias condições da luta de classes do proletariado.”

Precisamente neste momento em que estamos determinados a eliminar de nossas fileiras as manifestações de superficialidade, ativismo, burocratismo e indisciplina, etc, os ensinamentos de Stalin são mais atuais do que nunca em relação à necessidade de vincular a teoria à prática e ao estudo, à luta. O camarada Stálin nos ensina em seu trabalho teórico e em sua prática militante a importância decisiva de usar o marxismo-leninismo como bússola orientadora de toda a nossa atividade. É fato que, em muitos casos, os fracassos e os desvios e distorções do espírito militante comunista no Partido se baseiam no desprezo e abandono do estudo e na falta de análise concreta das situações da época e da aplicação da política do Partido.

É evidente que nas atuais condições em que se desenrola a nossa luta, dada a complexidade das situações tanto a nível nacional como internacional, a questão de elevar a capacidade teórica, ideológica e política de todos os militantes e quadros do Partido tornou-se inadiável. Quanto maior a habilidade e o conhecimento, menor a probabilidade de cometer erros, cair em atitudes superficiais e burocráticas. Nesse sentido, Stalin aponta que:

“É necessário reconhecer como axioma que quanto mais alto o nível político e o grau de consciência marxista-leninista, mais alto e mais frutífero é o próprio trabalho, mais eficientes são os seus resultados e, inversamente, quanto mais baixo é o trabalho político, nível e o grau de consciência marxista-leninista, quanto mais prováveis ​​são as falhas e fracassos no trabalho, mais provável é a mesquinhez e degradação dos militantes que se tornam mesquinhos rotineiros, mais provável é sua degradação. (Questões do Leninismo.”)

Como seus próprios escritos e biografia confirmam, desde os primeiros momentos de sua militância revolucionária, Stalin deu grande importância ao estudo dos clássicos da revolução e às questões teóricas e de princípios levantados pela própria atividade revolucionária. Já em 1904, nas “Cartas de Kutais”, Stalin se opõe à ideia espontânea de Plekhanov de que o movimento espontâneo das massas sozinho cria a teoria. Em setembro de 1904, Stalin publicou um artigo sobre “Como a social-democracia compreende a questão nacional”. Em 1913 escreveu a sua obra “O marxismo e a questão nacional”, obra que se completou em 1929 com outra obra sobre o problema intitulada “A questão nacional e o leninismo”. Não acreditamos que os Carrillos, os Semprúns, os Claudíns possam indicar outros escritos onde os problemas levantados na era stalinista sobre a questão nacional sejam expostos com maior rigor científico e clareza de princípios, abordagens que em grande parte são válidas em nosso tempo.

Anarquismo ou Socialismo?

Em sua obra Anarquismo ou Socialismo, escrita em 1907, Stálin demonstra magistralmente, à luz do materialismo histórico, a inconsistência do anarquismo, expondo com grande precisão e rigor a teoria da luta de classes e o princípio marxista da ditadura do proletariado. Esta obra constituiu um acontecimento de grande importância para todo o movimento revolucionário e desferiu um golpe retumbante nos inimigos do marxismo-leninismo e nas ideias anarquistas em geral. Embora reconhecesse a combatividade e um certo espírito de classe nos trabalhadores anarquistas, Stalin esclarece com grande precisão a diferença fundamental que separa o anarquismo do marxismo-leninismo, pois considerava que:

“Marxismo e anarquismo são baseados em princípios completamente diferentes, apesar de ambos se apresentarem no campo de luta sob a bandeira socialista. A pedra angular do anarquismo é o indivíduo, cuja libertação constitui, ao seu ver, a principal condição para a libertação das massas, da coletividade. Na opinião do anarquismo, a emancipação da massa é impossível até que o indivíduo seja emancipado, pelo que sua palavra de ordem é ‘Tudo para o indivíduo.’ Em vez disso, a pedra angular do marxismo é a massa, cuja emancipação é, em sua opinião, a principal condição para a emancipação do indivíduo. Ou seja, na opinião do marxismo, a emancipação do indivíduo é impossível até que as massas sejam emancipadas, pelo que seu slogan é ‘Tudo para as massas’. É claro que aqui temos dois princípios que se negam mutuamente, e não apenas discrepâncias táticas.”

Sobre o Leninismo

Em 1924, o camarada Stalin publicou sua obra “Os fundamentos do leninismo”, que constituiu um poderoso desenvolvimento da teoria marxista-leninista e, acima de tudo, uma sistematização acessível da obra de Lenin, destacando o caráter combativo do marxismo-leninismo e a importância da teoria revolucionária e do método dialético para resolver corretamente os problemas da revolução.

Em 1926, preocupado em divulgar amplamente os ensinamentos de Lenin e armar o Partido contra os inimigos que queriam desviá-lo de seu caminho revolucionário, Stálin escreve seu panfleto “Questões do Leninismo”, que complementava seu trabalho anterior sobre os “Fundamentos do Leninismo”. 

Preocupado com a necessidade do Partido e do movimento revolucionário em sistematizar, tornar acessível e popularizar toda a riqueza teórica contida nas obras de Marx, Engels e Lenin, e também o método dialético, e retomando a preocupação que Lênin já havia em 1938, o camarada Stalin publicou seu brilhante trabalho “Sobre o materialismo dialético e o materialismo histórico”. Nesta obra, Stalin desenvolve o princípio leninista do caráter de classe e partido de toda a filosofia. Expondo a teoria do conhecimento e sua aplicação à luta revolucionária do ponto de vista materialista, Stalin afirma que:

“Em sua ação prática, o Partido do proletariado deve guiar-se não por estas ou quaisquer outras razões fortuitas, mas pelas leis que regem o desenvolvimento da sociedade e pelas conclusões práticas que dela derivam.” “Isso significa que o socialismo deixa de ser um sonho para se tornar uma ciência. ISTO SIGNIFICA QUE O ELO ENTRE TEORIA E PRÁTICA, SUA UNIDADE, DEVE SER A ESTRELA POLAR QUE GUIA O PARTIDO DO PROLETARIADO”.

Sobre o Materialismo Histórico

Além disso, em sua obra “Sobre o materialismo dialético e o materialismo histórico”, Stalin, com base nas descobertas de Marx, estabelece que: “A tarefa primordial da ciência histórica é o estudo e a descoberta das leis de produção, das leis do desenvolvimento das forças produtivas e das relações de produção, das leis do desenvolvimento econômico da sociedade. Isso significa que o Partido do proletariado, para ser um verdadeiro Partido, deve antes de tudo conhecer plenamente as leis do desenvolvimento da produção, as leis do desenvolvimento econômico da sociedade. 

Brilhantemente retomando as descobertas científicas de Marx, Stalin formula de forma clara e acessível um dos princípios básicos do materialismo histórico, ou seja, que “a história do desenvolvimento das sociedades, acima de tudo, é a história do desenvolvimento da produção, a história das formas de produção que se sucedem ao longo dos séculos, a história do desenvolvimento das forças produtivas e das relações de produção entre os homens”.

Depois de analisar os cinco tipos fundamentais de relações de produção conhecidos da história até o presente: comunismo primitivo, escravidão, feudalismo, capitalismo e socialismo, no que concerne ao regime capitalista, Stalin explica claramente, com base na análise marxista da sociedade, que no capitalismo “as relações de produção não estão mais em consonância com o estado das forças produtivas capitalistas, mas estão em contradição irredutível” . “Isso significa”, acrescenta Stalin, “que o capitalismo traz consigo a revolução, uma revolução que é chamada a suplantar a atual propriedade capitalista pela propriedade socialista. Isso significa que a característica fundamental do regime capitalista é a luta de classes mais feroz entre os exploradores e os explorados”.

Tal é a análise perspicaz de nossa sociedade que Stalin faz em sua obra “Sobre materialismo dialético e materialismo histórico”, uma análise que continua a ter plena validade, pois corresponde, sem retirar ou colocar uma vírgula, à situação que a sociedade ainda se encontra hoje.

Refutação teórica do trotskismo

Entre os inúmeros e importantes artigos, conferências, discursos, etc., que estão reunidos nas obras completas de Stálin, cuja publicação começou por decisão do Comitê Central do Partido Comunista (Bolchevique) da URSS, em 1946, e que consistem de 16 tomos,merece para nós um interesse particular por sua importante obra intitulada “Trotskismo ou Leninismo?”, que foi exposta pessoalmente por Stalin em 1924, perante o grupo comunista do Conselho Central dos Sindicatos Soviéticos.

Convém, ainda que brevemente, relembrar neste contexto a análise precisa e clara que Stalin faz das características mais notáveis ​​do trotskismo.

“O trotskismo tem três peculiaridades que o colocam em contradição indissolúvel com o leninismo”— diz Stalin — “A primeira é a teoria da revolução permanente (ininterrupta). E o que é a revolução permanente como Trotsky a entende? É a revolução que ignora os camponeses pobres como força revolucionária (…) A segunda característica é a desconfiança do trotskismo em relação ao princípio bolchevique do Partido, à coesão monolítica do Partido, à sua hostilidade aos elementos oportunistas. O trotskismo em termos de organização” — Stalin especifica — “é a teoria da coexistência de revolucionários e oportunistas, de seus grupos e pequenos grupos dentro do mesmo Partido (…) A terceira é a desconfiança nos líderes do bolchevismo (do Partido), uma tentativa de desacreditá-los, de difamá-los. Não conheço nenhuma tendência no Partido que se compare ao trotskismo em termos de difamação dos dirigentes do leninismo ou das instituições centrais do Partido.”

Em um texto posterior intitulado “Duas Peculiaridades da Revolução de Outubro”, ou “Outubro e Teoria da Revolução Permanente de Trotsky”, Stalin esclarece claramente a questão da ditadura do proletariado. Desenvolvendo sua crítica às posições de Trotsky, contrárias às teses de Lênin sobre essa questão, Stalin diz que:

“O problema das massas trabalhadoras da pequena burguesia, urbana e rural, o problema de fazer com que essas massas passem para o lado do proletariado, é o problema mais importante da revolução proletária. A quem dará o seu apoio, na luta pelo Poder, a população trabalhadora das cidades e do campo: à burguesia ou ao proletariado? Será reserva de quem: da burguesia ou do proletariado? A sorte da revolução e a solidez da ditadura do proletariado dependem disso”

E mais adiante ele comenta:

“A ditadura do proletariado é a aliança de classe do proletariado com as massas trabalhadoras camponesas para derrubar o capital, pela vitória definitiva do socialismo, com A CONDIÇÃO DE QUE A FORÇA DIRIGENTE DESTA ALIANÇA, SEJA O PROLETARIADO.”

Embora não possamos enumerar no quadro da presente obra mais do que uma pequena parte de toda a obra teórica de Stalin, não podemos deixar de mencionar duas de suas últimas obras, pois ambas confirmam fortemente o fato de que até o fim de sua vida, Stalin manteve todas as suas características como um grande líder comunista e teórico do marxismo-leninismo, e isso contrariando as calúnias e acusações grosseiras que procuram dar uma imagem dos últimos anos de sua vida, totalmente distorcida, apresentando Stalin como um ser monstruoso, isolado dos problemas mais complexos da época e obcecados pelos problemas de “segurança”, punição e repressão aos “dissidentes”.

Em 1953, um panfleto de Stalin intitulado “Marxismo e Linguística” foi publicado em Moscou, de indiscutível valor e importância para todos aqueles seriamente interessados ​​em linguística e semântica. No entanto, poucos especialistas em linguística, pelo menos em nosso país, parecem estar cientes do referido texto, e isso apesar de conter abordagens de indiscutível valor científico, baseadas no materialismo histórico. Refutando as ideias daqueles que erroneamente consideram 1) que a linguagem é a base da superestrutura, e 2) que a linguagem tem caráter de classe, Stalin, baseando sua análise no materialismo histórico, afirma que: 

“a) A linguagem como meio de relacionamento sempre foi e continua sendo única à sociedade e comum a todos os seus membros. b) A existência de dialetos e jargões não nega, mas confirma a existência de uma língua comum a todos os povos, da qual esses dialetos e jargões são ramificações e à qual estão subordinados. c) A fórmula relativa ao ‘caráter de classe’ da linguagem é uma fórmula errônea, não marxista.”

E quanto aos traços característicos de qualquer língua, Stalin os define com grande precisão e rigor da seguinte maneira:

“É por isso que a linguagem e as leis de seu desenvolvimento só podem ser compreendidas se forem estudadas em conexão inseparável com a história da sociedade, com a história do povo a quem pertence a língua estudada e que é seu criador e portador.”

Por outro lado, também faz frente às tendências idealistas que buscavam tornar a semântica (estudo do significado das palavras) e N.Y. Marr (autor no assunto) o eixo central para estudar o desenvolvimento das línguas. Para Stálin:

“Separar o pensamento da linguagem e ‘libertá-lo’ da matéria natural, idiomática, como faz N. Y. Marr, é cair no pântano do idealismo.” E conclui que “o exagero da importância da semântica (semasiologia) e o abuso da ela, levou N. Y. Marr ao idealismo”.

Outra das obras pouco conhecidas e escondidas por todos os detratores de Stalin, dada sua importância e seu alto valor científico e como prova da grande capacidade teórica de Stalin diante de todas as calúnias a esse respeito, é o texto publicado em 1952 sob o título “Problemas Econômicos do Socialismo na URSS”. 

Escrito em torno de uma polêmica e em resposta a problemas levantados por vários economistas soviéticos, em relação ao desenvolvimento de leis econômicas específicas no socialismo, Stalin faz toda uma série de proposições de alto valor científico e importância universal, uma vez que uma vez que o socialismo, com suas características específicas de lugar e tempo, é o regime que no futuro, apesar da burguesia em declínio que ainda detém o poder, é chamado a suplantar o sistema capitalista em todo o mundo.

Em suas respostas a diversos economistas, Stalin esclarece toda uma série de questões e formula importantes teses sobre:

  1. A produção mercantil no socialismo. 
  2. A lei do valor no socialismo.
  3. A supressão da oposição entre a cidade e o campo, entre o trabalho intelectual e manual, e a liquidação da diferença entre eles.
  4. A desintegração do mercado mundial único e o aprofundamento da crise do sistema capitalista. 
  5. As leis econômicas fundamentais do capitalismo moderno e do socialismo, etc.

Estas breves referências à obra teórica de Stalin são suficientes para perceber sua importância e transcendência, e o que ela representa como contribuição ao marxismo-leninismo.

Podemos afirmar que desde os 15 anos, quando o camarada Stálin começou a militar como comunista, onde em breve se tornaria um militante e um líder responsável, até o dia de sua morte, Stalin honrou as palavras que proferiu por ocasião da celebração do 50º aniversário de seu nascimento, dirigindo-se às organizações e camaradas do Partido que o felicitaram:

“Vocês podem ter certeza, camaradas, que no futuro estou pronto para dar à causa da classe trabalhadora, à causa da revolução mundial e do comunismo internacional, todo o meu sangue, toda a minha capacidade e, se necessário, todo o meu sangue, gota a gota.”

Ninguém pode negar que o camarada Stalin foi e continua sendo para o proletariado e as massas progressistas de todo o mundo, uma das maiores figuras de dirigente e teórico comunista, fiel até a morte à causa da libertação da humanidade da exploração do homem pelo homem, à causa da nova sociedade socialista, à causa do comunismo.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes