UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 21 de abril de 2024

Chapa totalmente negra faz campanha histórica para Reitoria da UFRJ

Pela primeira vez há uma chapa totalmente negra para a reitoria da UFRJ. Chapa “Redesenhando a UFRJ: Democracia, Autonomia e Diversidade”, formada por Vantuil Pereira, como candidato a reitor, e por Katya Gualter, como vice-reitora, representa a política anti privatista de defesa da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Daniel Gomes | Rio de Janeiro


BRASIL Desde sua criação, a Universidade Federal do Rio de Janeiro, nunca teve, como chefe máximo da instituição, um reitor negro. Essa realidade não reflete todas as pessoas que circulam pelos seus campis: 40% de todos os trabalhadores da UFRJ, são negros, inclusive técnicos e docente; cerca de 60% dos estudantes da universidade, são negros ou pobres.  

A elitização da instituição vem sendo gradativamente mudada com as políticas de cotas, o que mostra o acesso de estudantes vindos de vários lugares do estado e até de outras regiões. A UFRJ está passando por uma transformação, e parte dessa metamorfose é a atual eleição para a reitoria da federal.

Com uma grande lista de negros famosos que se graduaram na universidade, tais como o primeiro bicampeão olímpico do país Adhema Ferreira da Silva, o cantor Emilio Santiago e a escritora premiada Conceição Evaristo, a Chapa 20, composta por 2 negros, o decano do Centro de Filosofia e Ciências Humanas Vantuil Pereira para reitor e a diretora da Escola de Educação Física e Desportos Kátia Gualter para vice, quebram a triste tradição de nunca antes ter acontecido uma chapa totalmente negra para o cargo máximo.

Para além da representação

Todos nós sabemos que representação ajuda muito no orgulho negro, mas é quando ela vem com motivação real de mudar algo engessado, que podemos mensurar o poder de transformação e progresso que uma chapa, se vencedora, pode realmente fazer.

A Chapa 20 salienta o caráter privatista e o desmonte da universidade pública e ainda deixa evidente o quão antidemocrática está sendo a atual gestão, que passou como rolo compressor dois grandes projetos: a EBSERH (com caráter privatista) e a venda de um terreno do Campus da Praia Vermelha, de pelo menos 15.000 m², por 30 anos. 

A atual gestão parece querer acabar com a autonomia da universidade, abrindo espaço para projetos neoliberais, que podem sim manter pretos e pobres fora da universidade, continuando a triste tradição da elitização da UFRJ. 

Foi silenciando estudantes em reuniões, vetando falas de conselheiros universitários nos CONSUNIS, não consultando os discentes, docentes e trabalhadores que se deu boa parte da atual gestão, que sai num momento em que o corpo da UFRJ pede mudanças nas estruturas de poder, mais bolsas e auxílios para permanência dos estudantes e mais diálogos com seus mais de 80 mil servidores docentes, técnico-administrativos, trabalhadores terceirizados e discentes.

Redesenhando a UFRJ

Em seu programa, a chapa 20 ressalta que a UFRJ e seu corpo precisam tomar suas decisões, inclusive da escolha de seu/sua reitor/a sem interferência do governo federal. Por isso, é defendido a paridade nas eleições, fóruns e espaços institucionais da federal, visando as eleições diretas na universidade e o fim da lista tríplice.

A chapa dos professores Vantuil e Katya, acontece em um momento onde se discute o anti racismo na instituição e também sobre a grave ameaça do avanço da extrema direita no país após o governo do fascista Jair Bolsonaro.  

Para estabelecer de vez a autonomia da UFRJ, a chapa 20 se compromete com o acesso e permanência de pretos, pobres, transegeneros, pcds; projetos que visam manter o tripé de Ensino, Pesquisa e Extensão como foco principal da gestão e fomento de cultura e lazer – abrindo caminhos para possibilidades reais de progresso. 

Os professores trazem em sua chapa, uma vontade de mudança do cenário, apostando no diálogo com a comunidade acadêmica, para ouvir seus anseios e superar os anos de desmonte e abertura de investimentos questionáveis da atual gestão que deixa o cargo em julho.  

Estamos em um momento político onde o governo atual volta a investir em educação realmente para todos, com reajustes de bolsas e verba liberadas para as universidades. É nesse cenário que a “Redesenhando a UFRJ” tem as condições necessárias para prosperar e transformar a UFRJ de uma vez por todas.

Como é dito no programa da Chapa, “não existe a possibilidade de falarmos de democracia, democratização, cidadania, direitos humanos, anti racismo, antiLGBTQIAP+fobia, anti gordofobia e anti capacitismo sem que isso se torne uma prática interna. Mas a prática significa sair do discurso e se tornar ação concreta”.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes