UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 25 de setembro de 2023

As ocupações e a organização da luta das mulheres negras

Coordenação Estadual do Movimento de Mulheres Olga Benário em São Paulo


MULHERES – No último ano, 62% dos casos de feminicídio foram de mulheres negras. Mais da metade dos casos de violência sexual, em 2021, foram contra negras e, 22% das famílias chefiadas por negras, são vítimas da fome. É assim que vivem as mulheres negras no Brasil e em toda a América latina e Caribe, reflexos da perversa conexão que há racismo e patriarcado.

Não conformadas com esse cenário de violência é que o Movimento de Mulheres Olga Benario realizou, há seis anos, no dia 25 de julho, a Ocupação de Mulheres Helenira Preta, em Mauá (SP), e, há dois anos, as Ocupações Carolina Maria de Jesus, em Santo André (SP), e Helenira Preta II, em Mauá (SP).

As ocupações surgem para denunciar o aumento da violência e a necessidade de mais políticas públicas, além de possibilitar ao Olga aprofundar a organização de mais mulheres para lutar em defesa de suas vidas e direitos.

Construídas na região do região do ABC Paulista, onde as políticas públicas têm sido mais sucateadas, as ocupações possibilitaram avanços, em Santo André, o Centro de Referência da Mulher foi ampliado e ganhou novo espaço em local mais acessível e, em Mauá, foi estruturada a Secretaria da Mulher que era inexistente antes da Casa Helenira Preta, além disso, provocou a articulação necessária para a criação da Rede de Enfrentamento à Violência, além de ter sido construído Centro de Referência, por iniciativa e luta da coordenação da casa Helenira, confirmando o poder de pressão que as ocupações podem impor ao poder público.

Além disso, obtiveram vitórias: em Santo André, as mulheres conquistaram um espaço cedido pela Prefeitura para que o movimento construísse a Casa da Mulher Trabalhadora Carolina Maria de Jesus e, em Mauá, foi conquistado um terreno onde será construído um imóvel para a Casa Helenira Preta. 

Essas conquistas apontam qual o caminho devemos seguir para avançarmos nas nossas pautas: a organização popular e a luta!

Você pode apoiar esse trabalho sendo doador mensal através do apoia.se/pelavidadasmulheres!

Matéria publicada na edição nº 275 do Jornal A Verdade.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes