UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 24 de julho de 2024

Estudantes refundam DCE da UCSal após décadas de inatividade

Os estudantes aprovaram com unanimidade a recriação da entidade máxima de representação estudantil para retomar as lutas históricas em uma das maiores universidades da Bahia. 

Samira Teixeira | Salvador


JUVENTUDE – Na quarta-feira, 30, os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal) participaram das eleições e fundaram o DCE Nilda Cunha após intenso esforço coletivo de reconstrução do Movimento Estudantil em uma das principais universidades de Salvador.

No dia 22 de agosto os estudantes a favor da reativação do DCE convocaram uma Assembleia Geral de dois turnos, contemplando o período matutino e noturno. A assembleia, que contou com cerca de 40 alunos, aprovou a Chapa 1 – CONSTRUÇÃO COLETIVA como concorrente ao DCE e decidiu por unanimidade homenagear Nilda Cunha, estudante secundarista torturada e morta pela ditadura militar na Bahia.

A Chapa 1 – CONSTRUÇÃO COLETIVA, composta pelo Movimento Correnteza e estudantes independentes se formou na UCSal como fruto de um esforço coletivo, entendendo a necessidade e a urgência de refundar o Diretório Central dos Estudantes (DCE), representação máxima estudantil há décadas inativo, Os estudantes também reivindicam a  a ocupação na cadeira, até então vazia, no Conselho Universitário (CONSUN) pelos estudantes. Essas movimentações são necessárias para levar as demandas dos universitários à reitoria e construindo propostas ao lado de estudantes de diversos cursos para que os estudantes passem a construir ativamente e a participar das decisões que são tomadas na universidade.

A chapa 1 realizou a sua campanha com os estudantes através de passagens em sala, panfletagens, reuniões abertas e usando do diálogo direto como principal ferramenta de comunicação. Os estudantes que compõem a chapa e o Movimento Correnteza também promoveram atividades como a Macarronada Solidária vendendo marmitas de R$ 5, garantindo alimentação a preço popular. Essa iniciativa teve como objetivo estimular o debate sobre a importância do Restaurante Universitário para a permanência estudantil. Na UCSAL, o RU está fechado há quatro anos e os estudantes não tem opções saudáveis e acessíveis para se alimentar dentro do campus.

A receptividade dos estudantes e do corpo docente da Católica evidenciaram que a retomada de um movimento estudantil ativo era uma urgência e uma necessidade.

Jornal do antigo DCE da universidade. Foto: Arquivo pessoal

A UCSal e o movimento estudantil

A Universidade Católica do Salvador, fundada no ano de 1961, iniciou as suas atividades no Convento da Lapa, sede de acontecimentos históricos que criaram as condições para a Independência da Bahia protagonizada pelo povo preto, as mulheres e indígenas.

Durante a ditadura militar o DCE da UCSal de 1981 teve a importante tarefa de unir os estudantes para o enfrentamento do regime. Naquele período também tocou a tarefa de reconstrução de um movimento estudantil que ganhava força. A repressão dissolveu diretórios acadêmicos e DCE eleitos pelos estudantes democraticamente e, após 7 anos de inatividade os estudantes reativaram as representações estudantis em 1981.

O DCE de 81, gerido pela Chapa Viração, denunciava a Reforma Universitária que foi lançada pelos Estados Unidos e que trazia um projeto mercadológico de privatização do ensino superior brasileiro. Tal reforma tinha aUCSal como um dos seus primeiros alvos, impondo altos preços de mensalidade e a intervenção dos golpistas na direção da universidade, chamando eleições diretas para a reitoria. O diretório também reivindicava pautas específicas dos cursos, a abertura do Restaurante Universitário (RU) e estimulava a luta conjunta de estudantes, professoras e demais trabalhadores.

Exemplos como estes demonstram que passado, presente e futuro andam lado a lado, e que a luta que iniciaram há tempos atrás precisa ser retomada para que não percamos os direitos que um dia conquistamos. A Chapa 1 – CONSTRUÇÃO COLETIVA é a consequência da participação ativa dos estudantes que hoje têm a oportunidade de escrever novas linhas e avançar qualitativamente nos rumos da nossa universidade e da sociedade.

A eleição do DCE Nilda Cunha em 2023 na Universidade Católica do Salvador marca a reconstrução do movimento estudantil em uma universidade que conta com uma história de muita luta e que se encontra sediada em Salvador, cidade da resistência, morada de um povo que nunca abaixou a sua cabeça e nunca renunciou às suas batalhas.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes