UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 26 de maio de 2024

Movimento Olga Benario realiza palestras em creche na zona sul de São Paulo

Militantes do Olga Benario dão palestras sobre violência contra mulheres e exploração do trabalho. Essas atividades aproximam mães trabalhadoras para a luta contra o patriarcado e o capitalismo. 

Denise de Paula e Juliana Nogueira | São Paulo


MULHERES – Dando continuidade à luta nacional pelas creches realizada pelo Movimento Olga Benário, o núcleo da Zona Sul de São Paulo vem conseguindo estreitar relações com a comunidade atendida pelo CEI Autódromo, localizado no bairro Vila da Paz, nas proximidades do Autódromo de Interlagos.

A comunidade tem como heroína a Irmã Agostina, uma missionária italiana que veio ao Brasil formar noviças. Ao chegar no país, foi morar em um barraco de madeira na comunidade próximo ao autódromo de Interlagos.

A Irmã foi responsável por articular com a comunidade e o poder público a construção de 40 casas, acabando com os barracos de madeira da região. Cobrou o Estado sobre o saneamento básico da favela e fundou a creche onde o Movimento Olga Benário hoje forma novas mulheres revolucionárias.

Após um primeiro contato com a instituição feito por militantes do núcleo foi possível realizar duas palestras durante as reuniões mensais da creche com as mães e pais das crianças.

A primeira apresentação, seguida de debate, ocorreu no primeiro semestre do ano e o tema foi o combate à violência contra mulheres e meninas. Foi uma excelente atividade para demonstrar a importância da conscientização e organização das mulheres na luta contra a violência machista, muitas vezes velada no ambiente familiar, no trabalho e nas escolas.

A segunda oportunidade versou sobre “A Mulher e o mundo do trabalho: sobrecarga e exploração”, tendo como subtema a tripla jornada de trabalho das mulheres. É um tema que trata de um problema grave e traz à tona a saúde mental das trabalhadoras por causa da extrema carga colocada sobre seus ombros.

O Jornal A Verdade foi apresentado às mães e professoras com o objetivo de criticar a realidade política e econômica do país, seguir com a luta não só pelo direito das mulheres, mas de toda a população proletária e super explorada. Com a venda do jornal conseguimos apresentar que é possível uma proposta de saída dessa realidade com organização e luta, assim como a Irmã Agostina mostrou na favela Vila da Paz,.

As formações têm surtido efeito e as mulheres estão com disposição para se organizarem. Todos os jornais foram vendidos e arrecadou-se uma boa quantia de contribuição para que a luta continue.

Considerando que as militantes têm sido muito bem recebidas na creche, existe a perspectiva de que essas palestras sejam uma atividade recorrente na instituição e, dessa forma, mais mulheres poderão se aproximar do movimento e se somar à luta contra o patriarcado e o capitalismo.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes