UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 14 de julho de 2024

MOSTRANDO RESULTADOS PARA:

É possível um banco anti-racista no capitalismo?

A armadilha mais rebuscada desse sistema que agoniza frente o avanço de consciência da classe trabalhadora é sugerir no imaginário do povo a possibilidade de um banco só para negros como forma de combater o racismo. Nesse sentido, o banco não refletiria os interesses de meia dúzia de famílias bilionárias brancas, mas sim negras. Tudo, menos socializar as riquezas com os milhões de trabalhadores!

Após abordagem da polícia de Dória, jovem trabalhador negro desaparece

Carlos Eduardo mora com a família na periferia de Jundiaí, interior do estado de São Paulo. O jovem negro fazia “bicos” como pintor e estava com 4 amigos , todos brancos, quando foi levado por uma viatura da Polícia Militar, desde então nunca mais foi visto. 

O que Fanon tem a nos dizer sobre a violência do Estado brasileiro?

Quais paralelos podem ser feitos entre a teoria formulado por Fanon sobre o colonialismo e a situação de violência do Estado brasileiro. Num acirramento...

“Do estudo à prática”, dois meses de intenso debate racial em Florianópolis.

De cursos sobre a questão racial, partiu-se para as mobilizações de rua e de cultura pela cidade de Florianópolis. Matheus Menezes e Mathaus Caricate Foto: Jorge...

Quebraram as correntes, mas deixaram a porta encostada

“Também vejo a chibata cantar nesse mesmo povo que vive o passado no presente, quando a guarda pega sua mercadoria, quando a PM sobe...

O endereço das balas perdidas no Rio de Janeiro

As balas perdidas percorrem somente os bairros pobres, operários, as favelas com a presença da polícia e da milícia de Wilson Witzel (PSC). Gabriel Montsho Foto:...

Após morte de Ágatha, governador do RJ reafirma sua política genocida

Sem nenhum remorso ou reavaliação de sua política, o Governador Wilson Witzel (PSC) continua decretando e fazendo coro de sua própria política genocida, que...

Novidades