UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Semana da Anistia mobiliza estudantes

Há 33 anos, mais especificamente em 28 de agosto de 1979, promulgou-se no Brasil a Lei nº 6.683, a Lei de Anistia, que, apesar de suas limitações, representou o início do processo de redemocratização do País e foi resultado de diversas lutas populares.

Esta é uma data que merece ser lembrada, não só por aqueles que participaram do processo ativamente, mas pelas novas gerações, que têm a responsabilidade de preservar a memória e buscar justiça das atrocidades cometidas durante o período da Ditadura Militar.

Pensando nisso, o Centro Cultural Manoel Lisboa, em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Cidade do Recife e o Ministério Público de Pernambuco, realizou, de 26 a 31 de agosto, a Semana de Anistia: pelo Direito à Memória, Verdade e Justiça. Com eventos descentralizados, teve como propostas debater, além da Lei de Anistia, o papel da Comissão da Verdade.

O evento teve início no domingo (26), com a participação de um grupo de grafiteiros que pintaram em partes do Viaduto Tancredo Neves temas relacionados aos direitos humanos. No dia 27, pela manhã, foi a vez da Universidade Federal Rural de Pernambuco, em parceria com o Diretório Central do Estudante Odijas de Carvalho Souza, receber o projeto. Uma palestra com o escritor e ex-preso político Marcelo Mário Melo, que debateu como foi aprovada a Lei da Anistia. Marcelo explicou que, na época, muitas pessoas ainda permaneceram presas, já que a anistia não foi ampla. O escritor ainda aproveitou a oportunidade para discutir sobre seu livro “Colares e Contas”, cuja temática também é a Ditadura. Durante a tarde, o evento aconteceu na Reitoria da Universidade de Pernambuco (UPE), com o apoio do Núcleo de Diversidade e Identidades Sociais (NDIS). A professora Suzan Lewis, do curso de História da UPE, coordenou a palestra do sociólogo e ex-preso político Edival Nunes Cajá, que falou sobre a importância de resgatar a verdade sobre os sequestros e torturas para, a partir daí, punir os criminosos.

Na terça-feira, 28 de agosto, o Ministério Público de Pernambuco realizou um ato em comemoração ao primeiro ano do Comitê da Memória, Verdade e Justiça. Na homenagem, estiveram presentes Roberto Franca e Nadja Brayner, da Comissão Estadual dom Helder Câmara; Agassiz Almeida, ex-preso político, deputado estadual e federal, dirigente das Ligas Camponesas da Paraíba; Danúbio Aguiar, irmão de Ivan Aguiar, militante estudantil assassinado no dia do Golpe, em Recife; Westei Conde, promotor de Direitos Humanos da Capital; Amparo Araújo, fundadora do Movimento Tortura Nunca Mais e atual secretária de Direitos Humanos do Recife; e Abelardo da Hora, artista plástico pernambucano e ex-preso político, que relatou como foi sua prisão em 1964 e denunciou as torturas sofridas por Gregório Bezerra à época. O Procurador Geral do Estado, Tadeu Alencar, ainda se comprometeu de erguer um monumento homenageando os presos políticos no local onde foi um dos quartéis do Exército e que hoje é a sede das promotorias.

Na quarta-feira (29), o Grêmio Jonas José, do Ginásio Pernambucano, organizou, através do grupo de teatro Duas Companhias, uma dramatização cujo texto era baseado nas prisões e torturas sofridas por militantes políticos durante a Ditadura. No dia 30, o evento foi na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), com a palestra do advogado Rodrigo Deodato, do Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (Gajop). Rodrigo falou sobre a chamada justiça de transição, época em que o País entrava no processo de redemocratização, de forma lenta e gradual. O grupo MPB UNICAP também marcou presença, apresentando-se com o projeto Com Censura, que traz a interpretação de músicas do período da Ditadura.

Por fim, no dia 31, a Casa da Cultura recebeu o encerramento da Semana. O local é simbólico, já que é uma antiga casa de detenção, que abrigou diversos presos políticos. Foi lá, inclusive, que o dirigente do PCR Amaro Luiz de Carvalho foi assassinado. Laura Dornelles, coordenadora do projeto Cinema pela Verdade, organizou a exibição de dois filmes, um deles um documentário produzido pela Comissão de Anistia da Secretaria de Direitos Humanos do Ministério da Justiça.

A Semana da Anistia manteve ainda, até a primeira semana de setembro, uma exposição de imagens na Estação Central de Metrô do Recife.

Lidiana Medeiros, Recife

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes