UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

As escolhas do governador Sérgio Cabral

Despejo da aldeia MaracanãO valor histórico e cultural do prédio, contruído no século XIX, que abrigou o Serviço de Proteção ao Índio comandado pelo marechal Candido Rondon, e que depois foi transformado no primeiro Museu do Índio, por Darcy Ribeiro, é insignificante para Cabral. O governador convocou o batalhão de choque e cercou o museu nesta sexta (22), às 3h da madrugada, para expulsar os índios e construir o museu Olímpico.

Tem que se admirar a firmeza de Cabral em defesa de seus “negócios”. Além da população indígena, artistas renomados como Caetano Veloso, Milton Nascimento e outros não foram suficientes para sensibilizá-lo em relação à Aldeia Maracanã.

Cabral chegou a invocar o apoio dos dirigentes da Copa do Mundo para sua empreitada. A FIFA negou o apoio! Vale lembrar, também, outras situações de descaso do governador. Cabral não atendeu os flagelados da chuva do Estado do Rio do ano passado, além dos trabalhadores de Manguinhos, que foram demitidos pela mesma fúria de Cabral, que diz que vai construir moradias populares no local.

Entretanto os órgãos ambientais são unânimes em afirmar que ali em Manguinhos, no local da refinaria, não se pode construir moradias, mas os centenas de trabalhadores da refinaria já foram demitidos. Sem contar os moradores de Santa Tereza, que ainda aguardam o “bondinho” prometido por Cabral que, com firmeza, retirou os antigos, mas não colocou os novos.

É sabido por todos que Eike Batista é o futuro proprietário do Maracanã, reconstruído com dinheiro público. Cabral, que demonstra não ter nenhuma sensibilidade social nem cultural, tem tino para negócios, que o diga o dono da Delta, Fernando Cavendish. A Delta transformou o Rio num canteiro de obras. Cavendish, envolvido em negócios espúrios com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, foi agraciado com uma festa em Paris, a festa ficou conhecida como a festa dos “Guardanapos”. Resta saber onde será a festa de Eike Batista.

Emanuel Cancella, diretor do Sindipetro-RJ

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes