UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 26 de novembro de 2022

Milhões de venezuelanos homenageiam Hugo Chávez

Milhões de venezuelanos homenageiam Hugo Chávez Milhares de venezuelanos continuam caminhando nas ruas de Caracas para se despedir do presidente Hugo Chávez. Correspondentes estrangeiros admirados com a adoração do povo venezuelano a Chávez perguntam as pessoas que passam horas nas enormes filas a razão de estarem ali e recebem repostas que o deixam ainda mais surpresos: “Não importa o tempo. Se fosse necessário, ficaria 20 mil horas na fila”, disse o trabalhador José Luís Paredes, 45, acompanhado da mulher e de dois filhos, de 6 e 10 anos. Outro trabalhador declarou “estamos chorando mas com o punho fechado.

A venezuelana Kehisber Diaz, 46, enfermeira, enfrentou uma fila quilométrica para ver o corpo do Comandante. Acompanhada de familiares e amigos, após 24 horas ela conseguiu chegar ao caixão do presidente Chávez. Enquanto assistia ao funeral de Estado por um telão instalado na frente da Academia Militar, onde o corpo está sendo velado, falou a imprensa: “Ele [Chávez] sacrificou a vida por nós, venezuelanos. Por isso ele merece que a gente venha aqui e espere o que for necessário para vê-lo”.

De fato, em 14 anos, o presidente Hugo Chávez nacionalizou multinacionais como a Cargill, colocou a petroleira PDVSA sob controle popular e estatizou empresas agroindustriais, metalúrgicas e de construção civil.

Além disso, a mortalidade infantil foi reduzida de 25 por 1.000 crianças para menos de 13 por 1.000; 96% da população passou a ter acesso à água; de 18 médicos por 10.000 habitantes, agora são 58; 13.721 clínicas médicas foram construídas nos bairros pobres (crescimento de 169,6%) e 350 mil casas populares foram entregues.

Por essas razões, o povo chora e lamenta a morte de Hugo Chávez.

A cerimonia de despedida de Hugo Chávez se realizou no dia 8 de março ante a presença de chefes de Estado de governo de dezenas de países e teve início com o Hino Nacional tocado pela orquestra sinfônica de Simon Bolívar. Na ocasião, falando em nome do povo venezuelano, Nicolas Maduro fez um emocionado discurso: “Comandante não puderam contigo nunca e não poderão também conosco. Não houve em nossa história um líder do nosso país mais insultado e atacado mais violentamente do que o nosso comandante em 200 anos. Nunca se mentiu tanto sobre um homem (…), mas não conseguiram. “Aqui está invicto, um puro e transparente, verdadeiro, que vai viver para sempre, para sempre (…) aqui você comandante, com os seus homens, de pé, todos os seus homens leais e mulheres como nós te juramos, lealdade além da morte. “

Ainda no dia 8 de março, enquanto seguia as homenagens ao líder venezuelano, Nicolas Maduro, assumiu a presidência do país e prestou juramento na Assembleia Nacional.

Novas eleições para presidente serão realizadas na Venezuela em 14 de abril.

Da Redação

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes