UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Fortaleza é a 13ª metrópole mais violenta do mundo

Fortaleza é a 13ª metrópole mais violenta do mundoO mais recente relatório da ONG Cidadão para Segurança Pública e Justiça, do México, revelou que a capital cearense é a 13ª mais violenta do Mundo entre 50 metrópoles pesquisadas. A pesquisa detectou também que 15 das 27 capitais brasileiras estão na estatística. Das 15 capitais brasileiras, aparece em primeiro lugar como a cidade mais violenta, a cidade de Maceió, com quase 86 assassinatos por 100 mil habitantes, seguida por João Pessoa e Manaus, e em seguida Fortaleza. Fortaleza subiu 24 posições no ranking dos assassinatos de um ano para o outro. Alcançou mais uma marca preocupante no ano de 2012, que rendeu a Fortaleza o maior número de assassinatos (1628 homicídios) da história da capital cearense.

Segundo a pesquisa, os principais fatores para levar Fortaleza e demais capitais brasileiras a essa estatística da violência, é o aumento no número de homicídios, somado com o crescimento do tráfico e consumo de drogas e a morte de adolescentes.

A cidade campeã de violência no mundo, conforme esse estudo é San Pedro Sula, segunda cidade de Honduras, com 169 homicídios por cada 100 mil habitantes. Em seguida, vêm Acapulco, no México (143 por 100 mil habitantes) e Caracas (118 por 100 mil habitantes). Os EUA têm seis cidades na lista das mais perigosas, incluem-se: Detroit (17º lugar), New Orleans (21º), San Juan (33º), Saint-Louis (40º) Baltimore (41º) e Oakland (43º).

O avanço da violência em Fortaleza e nas demais capitais brasileiras é consequência do sistema econômico em que vivemos, que não prima por dar melhores condições de vida para a nossa população, nem em investir em educação e saúde de qualidade, segurança e programas de habitação. Para o capitalismo pouco importa se as pessoas estão morrendo, seja de fome ou assassinadas, pois esse sistema só visa o lucro obtido através da exploração das classes mais oprimidas e parasitar o Estado.

Waldiane Sampaio, Professora da Rede Pública do Estado do Ceará

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes