UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 3 de dezembro de 2022

Guerra na Síria: declaração do Partido do Trabalho da Turquia

Guerra na SíriaO governo do AKP entusiasmado com a guerra na Síria

O governo do AKP (Partido Justiça e Desenvolvimento) da Turquia recebeu com entusiasmo a decisão dos imperialistas de lançar uma ofensiva armada contra a Síria, encabeçada pelos Estados Unidos e Inglaterra. O AKP espera que, com o ataque, seja possível levar a cabo uma intervenção militar direta.

Ahmet Davutoğlu, o ministro turco de Assuntos Exteriores, declarou que participaria sem vacilação em uma possível coalizão de intervenção na Síria. No entanto, apenas a Grande Assembleia Nacional de Turquia (TBMM), o parlamento turco, está autorizado em assuntos exteriores, como mandar soldados aos países estrangeiros e declarar a guerra.

O governo do AKP, antes de iniciarem os levantamentos populares no Oriente Médio, tinha a estratégia de desenvolver relações comerciais com os países da região e, mediante a pressão militar e econômica, aumentar sua força política na região sendo o principal aliados dos países imperialistas.

Depois dos levantamentos que se iniciaram primeiramente na Tunísia e que se estenderam por todos os países árabes, a Irmandade Mulçumana e outras forças religiosas conseguiram chegar ao poder na Tunísia, Líbia e no Egito. A partir dessa fase, o governo do AKP pretendeu-se protetor dos partidos políticos e governos islamitas-sunitas do Oriente Médio. Apoiou financeiramente os governos da Irmandade Mulçumana na Tunísia e no Egito. Transferido sua experiência de dez anos no governo, os ajudou a construir suas instituições policiais e agências de inteligência.

O primeiro ministro Recep Tayyip Ergdogan tinha relações íntimas com Bashar Al Assad antes dos levantamentos árabes, facilitando a obtenção de vistos entre ambos os países, organizando reuniões comuns do Conselho de Ministros, planificando aumentar o volume do comércio com a Síria, etc.

Após o ano de 2011 e das movimentações armadas de grupos com Al-Qaeda e Al-Nusra, virou as costas para Assad e se posicionou junto ao Qatar e a Arábia Saudita, os aliados mais importantes dos grupos terroristas islâmicos na região.

Enquanto o Qatar e a Arábia Saudita financiavam grupos terroristas, o governo do AKP lhes permitiu o estabelecimento de bases e acampamentos na Turquia e que realizassem ataques militares na fronteira da Turquia contra o Estado Sírio.

O AKP pretende colocar um governo islâmico-sunita na Síria, depois de já ter conseguido isto na Tunísia, Egito e na Líbia. Não obstante, a pesar do grande desejo de intervenção militar do governo do AKP, o povo da Turquia não apoia nenhuma intervenção militar na Síria. Pesquisas de opinião indicam que mais de 70% do povo está contra uma guerra com a Síria. Há 10 anos, antes da ocupação do Iraque, os Estados Unidos planejava usas as forças armadas da Turquia para intervir neste país. No entanto, em uma votação no parlamento foi rechaçada a autorização pedida pelo governo do AKP para enviar tropas ao Iraque. Naquele momento, inclusive, alguns deputados do governo votaram contra a proposta.

Hoje, todos os partidos políticos com representação no parlamento, exceto o AKP, estão contra a intervenção na Síria e a participação da Turquia em qualquer campanha militar contra este país. Desta maneira, o AKP pretende atropelar o parlamento para realizar a intervenção. Por isso, é muito provável que se produzam algumas provocações, a exemplo das que ocorreram antes com lançamento de morteiros a partir da Síria, a explosão de bombas que causaram a morte de 53 civis turcos em um distrito fronteiriço e vários disparos vindos do território Sírio que mataram civis turcos.

O EMEP, Partido do Trabalho da Turquia, está contra a intervenção na Síria e pede o fim do apoio imperialista às forças armadas não-sírias, ou seja, a grupos como Al-Qaeda e Al-Nusra.

Defendemos que o povo Sírio deve decidir sobre o futuro da Síria, de forma democrática e livre de qualquer ingerência externa.

Ante a situação política atual, nosso partido põe no centro de seu trabalho a luta pela paz, trabalhando pelo estabelecimento de uma frente popular de paz.

No dia 01 de setembro, o Dia de Paz, serão realizadas marchas pela Paz em Istanbul e em muitas outras cidades da Turquia. O Partido do Trabalho convoca a todos os partidos irmãos, às forças revolucionárias e democráticas a rechaçar a intervenção militar contra a Síria e apoiar a luta pelo estabelecimento da paz em todo Oriente Médio.

Emek Partisi (EMEP)
Partido do Trabalho
Turquia

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes