UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Privatização dos presídios avança no Brasil

Prisões no brasilPor meio de uma parceria público-privada, o Governo do Estado de São Paulo (Geraldo Alckmin/ PSDB), está preparando edital para disponibilizar terrenos para a construção de unidades prisionais que serão administradas por empresas privadas. Inicialmente, o Governo pretende abrir 3,3 mil vagas para regime semiaberto e 7,2 mil vagas para regime fechado. A parceria consiste no seguinte: as empresas constroem, administram e fiscalizam, e o Estado paga. Ou seja: mais um negócio que vai beneficiar o interesse privado à custa dos cofres públicos.

Mas esta não é a única experiência de privatização. Este ano foi inaugurado o Centro de Detenção de Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, pelo governo de Antônio Anastasia (PSDB). Outros estados brasileiros também têm adotado esta política. O Estado do Paraná, por exemplo, chegou a ter seis unidades terceirizadas. A penitenciária de Guarapuava, inaugurada em 1999, a 300 km de Curitiba, era elogiada por oferecer trabalho, estudo, assistência jurídica e médica aos detentos. Em seguida, contrataram uma empresa de segurança terceirizada. Substituíram os carcereiros, que têm – ou deveria ter – um papel de ressocialização, por seguranças privados. O gasto público ficou muito superior e o sistema já não cumpria seu papel social. No início de 2006, o Estado do Paraná retoma a administração das unidades prisionais. Em 2013, o Cearátambém reassumiu três penitenciárias que haviam sido terceirizadas.

A privatização é muito defendida pelos capitalistas, pois é uma forma de obter um lucro altíssimo à custa do investimento público. Mas, nesse caso, há um agravante, pois é dever do Estado não só fazer as leis, mas também aplicá-las. Privatizar os presídios é transformar o poder da Polícia do Estado em mercadoria, aumentando, assim a corrupção policial e judiciária. Temos visto que a Polícia do Estado não defende os interesses da população, e sim de alguns poucos. Porém, esta privatização significa que estes alguns poucos tomarão de vez em suas mãos esta tarefa.

O objetivo do encarceramento, hoje, é tentar “ressocializar e educar o encarcerado”, fazendo com que ele estude e trabalhe no período em que fica recluso. Porém, a realidade de quem vive na cadeia é bem diferente. As cadeias são superlotadas, a alimentação é de péssima qualidade e não há condições mínimas de higiene. O Estado deve, portanto, prestar um serviço de qualidade e que cumpra seu dever social e não fazer um contrato no qual o alvo é o encarcerado, para uma empresa ter lucro.

A farsa do sistema prisional norte-americano

Na lógica de um presídio privado, quanto mais tempo uma pessoa ficar detida, mais dinheiro a empresa consegue sugar do Estado. E quanto mais gente presa, mais lucro e mão de obra barata ela terá. Nos EUA a população carcerária passa de dois milhões e um a cada 37 americanos já foi preso. De cada quatro cidadãos negros, um está encarcerado. Este é o melhor exemplo de sistema criminalizador e racista que pune os pobres por ser pobres. E é justamente este sistema que é tido por muitos como referência, mesmo sendo acusado de usar trabalho semiescravo dos detentos, que recebem US$ 0,28/hora enquanto o salário mínimo é de US$ 5,00/hora. Ao mesmo tempo, ocorre que, no Texas, por exemplo, um preso que, em 1980, custava para o Governo US$ 13/dia, hoje custa US$ 45/dia.

Por um sistema de inclusão eficiente e contra a militarização da Polícia

Todas as privatizações têm, até agora, se mostrado ineficientes, pois seu único objetivo é satisfazer a ganância da burguesia. O Estado, no lugar de cumprir o seu papel, investindo em educação pública de qualidade, cultura, saúde e gerar emprego descente para a juventude, opta por uma política fascista de militarizar a Polícia, aumentando a repressão, principalmente à juventude negra, movimentos sociais e todo aquele que é contrário ao sistema.

Com os usuários de drogas e moradores de rua o tratamento é semelhante ao da Ditadura Militar fascista. Até armas de choque elétrico são permitidas. Com os movimentos organizados e moradores das periferias não é diferente: acontecem despejos truculentos em defesa do capital privado, e a última novidade é chamar o Exército para garantir a privatização do nosso petróleo.

Como vemos, a luta pelos direitos humanos deve estar na nossa pauta, pois, nem o sistema capitalista nem o Estado, que é controlado pelos capitalistas, estão preocupados com a vida de nenhum ser humano.

Thainá Siudá, militante do MLB-SP

Outros Artigos

1 COMENTÁRIO

  1. Esse negócio é assustador, isso pode se tornar mais uma industria de geração de lucros. O cidadão pode ser escolhido para ser preso e o nosso direito pode ser alterado em favor de interesses das empresas que administram esses serviços.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes