UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 6 de outubro de 2022

PM de São Paulo gasta mais de R$ 30 milhões contra manifestações

PROTESTO CONTRA AUMENTO DA PASSAGEM DE ÔNIBUS EM SÃO PAULO.O Estado de São Paulo atravessa uma grave crise hídrica devido às más gestões e falta de investimento dos sucessivos governos do PSDB. Centenas de famílias, todos os dias, sofrem com o racionamento de água. Mas isto não é um problema para a PM de São Paulo, que investiu cerca de R$ 35,2 milhões em blindados com jatos d’água, gás e tinta.

Os veículos fabricados por duas empresas israelenses, a Plasan Security Solutions e a Hatehof Armored Vehicles, foram adquiridos através de uma licitação internacional e poderão chegar a março de 2015. Na verdade, estes blindados estavam previstos para salvaguardar a Copa da FIFA e coibir os protestos que tomaram as ruas do País contra os gastos e violações na realização do mega-evento. Para os policiais os carros blindados com jato d’água são “uma tentativa não-letal de manter a ordem e a segurança nos protestos”. A PM foi categórica e declarou que estes blindados agirão contra possíveis “distúrbios” em manifestações, ou seja, o mesmo falatório que acabou deixando centenas de pessoas feridas e muitos mortos durante os protestos.

O que justifica a agilidade da compra destes carros blindados é o crescimento das manifestações populares que eclodiram a partir de junho de 2013. O governo de Geraldo Alckmin e sua polícia reprimiram violentamente estas manifestações, com bombas de gás e efeito moral, balas de borracha, prisões arbitrárias e táticas como o “Caldeirão de Hamburgo” – isolamento de manifestantes por tempo indeterminado. Contudo, a repressão não está restrita nos protestos de junho ou nas manifestações contra a Copa da FIFA. A repressão sobrecaiu sobre os trabalhadores metroviários em greve e nas dezenas de ocupações urbanas que lutam pela moradia e a reforma urbana. Para garantir os lucros dos patrões, das empreiteiras e dos bancos, eles não poupam a vida.

É uma necessidade para o Estado burguês aumentar seu poderio militar neste período de lutas sociais. O sistema capitalista atravessa uma grave crise e para manter intacta a fortuna de poucas pessoas promove guerras de rapina e repressão aos povos. Não é coincidência que quem está vendendo os blindados é o Estado de Israel, um dos maiores exportadores de armas do Mundo. É um crime contra a humanidade aceitar e financiar Israel, pois para aonde vão os R$ 35,2 milhões investidos? Para fabricar mais armas de destruição e avançar no saque das terras e no genocídio do povo palestino.

Apesar de a Defensoria Pública criticar o uso da violência policial nas manifestações e ser contrária a compra dos veículos nada impede a PM atualizar seu arsenal. Inclusive a Assembléia Legislativa de São Paulo aprovou em novembro um projeto de lei que proíbe o uso de balas de borracha nas manifestações. O projeto seguiu para veto ou sanção do Governador Geraldo Alckmin.

Matheus Nunes, São Paulo

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes