UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 4 de dezembro de 2022

A guerra iminente começou no Iêmen

IemenFoi noticiado que cerca de 100 aeronaves de guerra da Arábia Saudita estão bombardeando Sanaa, a capital do Iêmen, que, recentemente, foi tomada por rebeldes Houthi, e que aproximadamente 150 mil soldados entraram no norte do Iêmen para uma ofensiva em solo.

Também se sabe que a ofensiva saudita no Iêmen é apoiada pelo Egito, Marrocos, Jordânia, Sudão, Kuwait, UAE, Qatar, Bahrein e Paquistão. De acordo com as agências de notícia, os EUA não estão envolvidos na ofensiva, mas realizam apoio de logística e inteligência.

No Iemên, com uma população de 25 milhões de habitantes e sendo um dos mais pobres países da região, os rebeldes Houthi tomaram a capital Sanaa em janeiro de 2015 e  instalaram um “conselho presidencial” com cinco membros.

As forças reacionárias e imperialistas que atuam na região sempre tiveram um papel nos conflitos no Iêmen, que é um país de importância estratégica vital como caminho por onde se transporta o petróleo do Golfo Pérsico através do Mar Vermelho. Em nenhum momento, no entanto, as intervenções tinham sido realizadas de maneira direta.

Quem acompanha os acontecimentos na região sabe que a Arábia Saudita e os EUA não ficariam cegos à vitória dos Houthi no Iêmen. Um governo Houthi no Iêmen significa uma facada xiita nas costas da Arábia Saudita, com a qual o Irã sai beneficiado.

Os xiitas iemenitas, que compõem a linha do “Crescente Xiita”, presente no extremo sul do Oriente Médio, são também ligados à maioria xiita da população nos campos de petróleo da Arábia Saudita e dos países do Golfo. Quando a rebelião Houthi no Iêmen começou, a discussão era: “Quem irá ganhar no Iêmen? A Arábia Saudita ou o Irã?”  Ao invés de: “Quem vai governar o Iêmen?”. Na sequência, a tomada de poder dos Houthi no Iêmen foi vista ao redor do mundo com “a vitória iraniana no Iêmen”.

Sem dúvidas, a vitória dos xiitas significa pânico aos tronos dos monarcas e reis na Arábia Saudita e em outros Estados do golfo porque a parcela considerável da população xiita nesses é, também, a mais oprimida e miserável.

Além disso, após a queda de Mosul, a “guarda revolucionária” iraniana e os oficiais iranianos (inclusive generais) estão lutando como parte da contraofensiva contra o Estado Islâmico. Isso significa mais que “proximidade na fé”; Iraque e Irã se tornaram aliados. Isso também significa que, na medida em que a ameaça do Estado Islâmico é debelada, Iraque se tornará um país sob o controle do Irã. Os EUA e outras potências ocidentais estão preocupadas com este fato.

Dessa maneira, “Iêmen não é apenas Iêmen”, nem tampouco os “Houthi são apenas Houthi”! Se este fosse o caso, o Iêmen seria no máximo um problema apenas para a Arábia Saudita. Mas não é este o caso. Ao contrário, o conflito no Iêmen – do ponto de vista do quadro geral da região – se tornou o território mais perigoso do conflito ‘Xiita-Sunita’. De fato, todos os dez países que fazem parte da “coalizão” que está atacando o Iêmen têm governos sunitas. (*)

Como era esperado, o ministro das Relações Exteriores turco declarou apoio à operação. A declaração “apoiando a intervenção militar da Arábia Saudita no Iêmen” afirma que a “operação militar contribuirá para legitimar a autoridade no Iêmen”. Claro; essa declaração tem várias interpretações. Mas a questão principal é saber qual o interesse de Çanakkale ou Sarıkamış sobre o Iêmen! Especialmente quando se sabe que o conflito no Iêmen não será controlado facilmente!

Os Estados Unidos, aliados com a linha do “Crescente Xiita” através do Iraque e do Irã no extremo-norte do Oriente Médio são, por outro lado, aliados da Arábia Saudita contra o Irã e a linha do “Crescente Xiita” no extremo-sul. A contradição não é exatamente como parece. É um sinal de como, mais do que nunca, as contradições se tornaram fraudulentas no Oriente Médio.

İhsan Çaralan, membro do Comitê Executivo do Partido do Trabalho – Emep

(*) Egito e Turquia estão em desacordo sobre a questão da irmandade mulçumana, mas este é um desacordo dentro dos marcos do Islã sunita. Ambos estão unidos contra os xiitas.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes