UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Turquia: Governo do AKP aumenta violência contra povo curdo

n_63355_1A Turquia está caminhando na direção de uma guerra civil. As políticas de violência cresceram após a s eleições gerais de Junho lideradas pelo governo provisório do partido governista Justiça e Desenvolvimento (AKP, pela sigla em turco). Hoje, a paz e o processo de negociação entre o Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK) e o Estado turco terminaram e a guerra começou novamente.

No último mês, muitos enfrentamentos aconteceram em cidades curdas como Silopi, Lice, Şemdinli, Silvan, Yüksekova e Cizre onde a população civil foi alvejada por forças estatais. Dezenas de civis, guerrilheiros e membros das forças de segurança morreram em virtude desses enfrentamentos. Desde 24 de julho, o governo interino do AKP não ataca mais os califado islâmico (ISIS), como diz fazer, mas ataca sim a região das montanhas de Qandil no território do Governo Regional do Curdistão atingindo assim aos Curdos, as forças democráticas, civis, mulheres e toda a oposição na Turquia.

O Estado Turco e governo provisório do AKP estão implementados todo o tipo de medidas opressivas como a proibição da entrada e da saída das cidades curdas contra as quais estão lançando operações militares, cortando toda a comunicação – inclusive por telefone e internet -, bloqueando a presença da imprensa e de observadores para impedir que se diga a verdade sobre o que está acontecendo, mobilizando assim a atenção da opinião pública. Um toque de recolher foi decretado na província de Cizre na semana passada e 21 civis foram assassinados. Cizre está cercada há dias, sofrendo com a falta de comida, água, acesso à saúde básica, tratamentos preventivos dos feridos e até dificuldades para o funeral daqueles que foram mortos pela forças do Estado. Muita gente teme pelo massacre em massa de civis em Cizre e membros do parlamento e organizações da sociedade civil já alertaram para isso.

Nesta situação de grande violência, o Partido Democrático dos Povos (HDP) também foi alvo dos dirigentes do AKP e de seus órgãos de mídia. Quase todo dia, nossos representantes partidários foram criticados pelos ‘nacionalistas’ e ‘patrióticos’. Muitos manifestos e declarações de representantes do AKP assinalaram uma guerra contra o HDP. Como resultado de um violento discurso do AKP, muitos de nossos escritórios em várias cidades foram atacados por grupos de pessoas associadas a grupos racistas e fascistas. No dia 8 de setembro, atacaram nosso escritório central em Ankara, colocando fogo no prédio. Nossos arquivos partidários e gravações foram especificamente atacados. Ninguém foi ferido neste ataque mas nosso escritório foi seriamente danificado  e está sem possibilidade de uso.

.Até agora, mais 128 sedes partidária foram atacadas pelo país. Os policiais e outras forças de segurança nada fizeram para prevenir os ataques.

Queremos novamente enfatizar que o HDP não é parte desta política orientada à guerra. Como Partido, não tomamos parte em nenhuma decisão ou ação que gerou este processo de guerra. Pelo contrário, trabalhamos por trazer o PKK e o Estado turco para o fim deste conflito armado. É preciso que todos saibam que o AKP é quem insiste na guerra política  e implementa práticas anti-democráticas por todo o país.

Em face destes acontecimentos, conclamamos toda a comunidade internacional, organizações da sociedade civil e a mídia internacional para se solidarizarem e apoiarem a realização de um imediato cessar-fogo e o iníco de conversações de paz. Nosso chamado é também por uma ação urgente contra  o crescente estado de violência, de violação dos direitos humanos e das práticas anti-democráticas nas cidades curdas assim como nas cidades do oriente do país. Precisamos agora do apoio público internacional mais do que nunca, com objetivo de alcançar a paz no Oriente Médio, Turqui e no Curdistão. Neste contexto, convidamos todos nossos amigos, partidos políticos, associações, organizações da socieade civil e todas as forças amantes da paz para agir em solidariedade.

Comissão de Relações Internacionais do HDP

10 Setembro 2015

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes