UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 16 de junho de 2024

Mulheres ocupam casa em SP para abrigar vítimas de violência

Dezenas de mulheres do movimento Olga Benario ocuparam nos últimos dias uma casa abandonada em SP. A ocupação leva o nome da revolucionária Helenira Resende (Preta) e tem por objetivo a construção de uma casa para acolher vítimas da violência.

Neste dia 25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha, dezenas de mulheres organizadas pelo Movimento de Mulheres Olga Benario, ocuparam uma casa abandonada ao lado da agência dos correios no centro de Mauá, região do grande ABC paulista. O objetivo da ocupação é exigir do Governo do Estado de SP e da Prefeitura de Mauá a reforma do imóvel, de propriedade da prefeitura, e sua transformação em uma casa de referência para acolher mulheres vítimas da violência doméstica.

Os motivos da ocupação são assim apresentados na página do movimento: “a vida das mulheres no sistema em que vivemos está cada vez pior, com índices de violência e estupro que só aumentam, principalmente das mulheres negras. Por esse motivo e para defender a vida das mulheres foi organizada a ocupação, que foi nomeada de Helenira Preta em homenagem a Helenira Resende, mulher negra assassinada e desaparecida pela ditadura militar.”

Ocupação Helenira Preta comemora o mês nacional da mulher negra

Em julho, mês internacional da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha, se destaca na cidade de São Paulo a Ocupação de Mulheres Helenira Preta. As mulheres negra que são as mais atingidas pela violência, tendo ao menos o dobro de homicídios em relação às mulheres brancas, segundo dados do Mapa da Violência, divulgado em 2015 pela FLACSO.

Nos últimos anos, o país vem sofrendo consideráveis retrocessos nas políticas públicas, que antes já eram escassos para as mulheres. O Ministério das Mulheres e o Ministério da Igualdade Racial foram extintos, assim como as secretarias e pastas de mulheres em muitos municípios de São Paulo. Esse cenário se agrava significativamente com a aprovação da Reforma Trabalhista, que tende a precarizar ainda mais a vida das mulheres negras, infringindo sobre aquelas que levam a base de nossa economia nacional, o trabalho informa e a miséria que as prendem em um circulo de negligencia no que se refere ao combate da agressão às mulheres.

Grande parte das mulheres que sofrem violência não denunciam o ato e muito menos o agressor, por medo e também pela ineficácia das delegacias e leis que deveriam garantir a segurança das denunciantes. Por isso, a Ocupação Helenira Preta visa atuar como um Centro de Referência da Mulher, que pode apoiar, orientar e encaminhar mulheres que buscam ajuda, e oferecer caminhos para o rompimento deste ciclo de opressão.

Guerrilheira Helenira Rezende

Helenira Rezende de Souza Nazareth, mais conhecida como ‘Preta”, se destacou na militância como líder estudantil na cidade de São Paulo e foi vice-presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes), construindo diversas lutas importantes. Em 1968 foi presa pela repressão da ditadura militar e transferida para o DOPS e jurada de morte pelo delgado Sergio Fleury. Foi solta por intermédio de um habeas-corpus cedido ás vésperas do decreto do AI-5.

A partir desse período, adotou o codinome de Fátima e passou a viver na clandestinidade em algumas regiões do país, até ir o sul do Pará, onde contribuiu com a Guerrilha do Araguaia, organizando a luta armada rural contra o regime militar. Em setembro de 1972, a militante Helenira foi ferida durante um tiroteio contra os militares, capturada e torturada até a morte. Até hoje, o corpo da jovem não foi encontrado.⁠⁠⁠⁠

COMO POSSO AJUDAR A OCUPAÇÃO?

DIVULGUE
Quanto mais pessoas souberem dessa luta mais força teremos para resistir.
Compartilhe no whats app essa mensagem. Compartilhe no Facebook os post da página Movimento de Mulheres Olga Benario – SP.
O apoio popular é muito importante para não sermos despejadas!

VISITE
Visite nossa ocupação para entender nossa luta e dar vida a casa.
O endereço é Rua Governador Mário Covas em Mauá, enfrente a Praça 22 de Novembro, perto da estação de trem e terminal de ônibus de Mauá.

TRAGA MANTIMENTOS
A casa não tem recursos mínimos e necessitamos de doações.

Para cozinha:
Água
Caneca
Coador de café
Garrafa térmica
Sal
Margarina
Mistura
Molho de tomate
Cebola
Alho
Fósforo

Para casa e limpeza:
Vela
Lanterna
Fios elétricos
Lâmpada

CONTRIBUA FINANCEIRAMENTE
Traga contribuições financeiras ou deposite na conta de apoio:

Caixa Econômica Federal
Ag 1367
Op 013
Poupança 32381-1
Rafaela Carvalho Pinheiro
CPF 091.182.556-80

REALIZE ATIVIDADES
Nos ajude realizando atividades culturais, de lazer, oficinas e debates, quanto mais mobilização melhor pra nossa luta!

AJUDE NESSA LUTA
Ela é de todas e todos nós, é por uma sociedade mais justa e igualitária, é pela vida das mulheres.

#HeleniraPretaVive
#OcupacaoHeleniraPreta

Movimento de Mulheres Olga Benário

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes