UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Estátua homenageia Lamarca e Zequinha Barreto

Nos dias atuais, vivemos uma conjuntura que exige muito mais de nós, militantes comunistas revolucionários. Acreditamos que é preciso mais do que nunca honrar os nomes que tombaram na ditadura militar fascista de 1964. Esses companheiros e companheiras merecem ser lembrados todos os dias.

Um desses nomes é o do camarada Zequinha, que foi assassinado no povoado de Ppintada, Município de Ipupiara (BA). Zequinha foi um líder operário durante a Ditadura Militar, torturado em São Paulo por liderar a greve da Cobrasma, em Osasco, em 1968. Com AI-5, no final de 1968, ele entra na clandestinidade e, assim, conhece Lamarca. Os dois, ao chegarem à Bahia, foram abrigados pela família Barreto, Lamarca e Zequinha ficaram com eles por dois meses.

Em agosto de 1971, policiais disfarçados preparam a ação que fez parte da chamada Operação Pajussara, liderada pelo então major Nilton Cerqueira e pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury, que tinha como objetivo capturar e assassinar Carlos Lamarca.

Em 28 de agosto daquele mesmo ano, centenas de militares e policiais à paisana cercaram a pequena casa no povoado de Buriti Cristalino. Recebendo informações de moradores das redondezas, os militares voltam à região e retomam as buscas. Os dois são descobertos em Pintada (localidade de Brotas) e assassinados pela repressão, a 17 de setembro. Seus corpos foram levados a Brotas e expostos como troféu, fato que aterrorizou a população da cidade.

Em Pintada, foi construído, em 2010, um memorial no local onde os militantes foram assassinados. Desde o ano 2000, por iniciativa do Bispo Dom Luiz Cappio, ocorre, no dia 17 de setembro, uma homenagem, a Celebração dos Mártires. Desde 2009, esta data é feriado em Brotas de Macaúbas.

O monumento em homenagem a Carlos Lamarca e Zequinha Barreto, na localidade de Pintadas, foi construído com recursos do Prêmio Kant vindo da Alemanha. Isso é o mínimo que se pode fazer para homenagear os líderes que tombaram na Ditadura e que, até hoje, não tiveram julgados os seus assassinos.

A Ditadura Militar deixou marcas e embriões que como a Polícia Militar, que mata mais pessoas que em muitas guerras civis. Essa mesma Polícia entra nas favelas e extermina física e psicologicamente o povo preto e pobre.

Neste momento difícil, em que direitos são arrancados, devemos lutar e radicalizar as lutas por uma sociedade mais justa, pedir o fim da Polícia Militar e a prisão dos torturadores. Este é um dever diário de cada militante de nossas fileiras.

Victor Aicau, militante da UJR na Bahia 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes