UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 6 de outubro de 2022

Moradores denunciam truculência em operação militar na Maré

As primeiras horas de ontem, (20/8), já sinalizavam para os 140 mil habitantes das favelas da Maré que aquele seria um dia bastante difícil. Por volta de 1h da madrugada, as Forças Armadas cercaram a comunidade. Fogos de artifícios foram disparados. Assustados, moradores que participavam de um pagode entraram em pânico. No meio da correria, algumas pessoas se machucaram. Isso era apenas o prenúncio do que estava por vir: uma ação marcada por homicídio, truculência e ilegalidade, que durou mais de 14 horas ininterruptamente, levando pânico, indignação, terror e perdas materiais a uma população cansada de ver seus direitos fundamentais desrespeitados.

Segundo relatos de moradores, a operação efetivamente (leia-se a invasão pelas forças policiais) começou por volta das 5h: apoiados pelo cinturão formado pelas Forças Armadas no entorno da Maré, policiais do 22° Batalhão, do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) entraram nas favelas Nova Holanda, Parque Maré, Rubens Vaz e Parque União. Não se sabe, até momento, quantos policiais foram destacados para essas comunidades. É consenso, porém, que não foram poucos os que circulavam pelas ruas das favelas, a pé ou em carro blindado (Caveirão), abordando os moradores com truculência.

A equipe de plantão da Maré de Direitos recebeu, ao longo do dia, várias denúncias de violação de direitos, entre elas, o arrombamento de um carro e a invasão de duas casas, uma no Parque Maré; e outra na Nova Holanda. Em ambas as casas, a polícia não tinha mandado de busca e apreensão e deixou rastros de destruição, danificando móveis e eletrodomésticos. Na Nova Holanda, chegaram ao cúmulo de arremessar o cachorro da casa, um poodle, do terceiro andar. O animal sobreviveu.

O pior, no entanto, ainda estava por vir. Por volta das 18h, o plantão da Maré de Direitos recebeu uma ligação denunciando a tortura de quatro jovens no Campus Maré, onde ficam várias escolas da região. Mesmo em meio ao clima tenso, a equipe da Redes Da Maré partiu para o local. Lá, encontrou um grupo de 50 pessoas, a maioria mulheres e crianças, que discutiam com um policial. Eram parentes e amigos dos quatro jovens que se encontravam encurralados pela polícia em um beco, de onde não podiam ser vistos. A equipe, imediatamente, começou a mediar o conflito, conversando com o policial que estava de guarda, impedindo a entrada das pessoas no beco. “Comecei a conversar com o policial. E fiquei impressionada. Ele estava tão nervoso que não conseguia articular as palavras. Em determinado momento, ele disse: ‘a gente tá aqui desde as 4 horas da madrugada, de pé, sem comer, sem ir no banheiro, e essa gente vem aqui pra fazer tumulto. Como é que você quer que eu tenha calma?’”.

O clima continuava tenso, mas sob controle. A equipe se posicionou entre o policial e o grupo de moradores, fazendo um minicordão humano para evitar que os ânimos ficassem mais acirrados e buscando uma solução. Enquanto dialogava com o policial, um corpo, envolto em um cobertor cinza, foi trazido por cerca de 10 policiais. Ninguém teve dúvidas: um dos jovens morrera e seu corpo estava sendo levado para o Caveirão. As famílias presentes se desesperaram, começaram os gritos. Uma jovem furou o cordão humano: precisava saber a identidade do morto. Foi o estopim. Um policial apontou seu fuzil para o grupo e um segundo disparou tiros a esmo. O grupo se dispersou.

Os outros jovens encurralados saíram com vida do beco. De Belém, como era conhecido o jovem que foi morto, não tinha parentes na comunidade, na qual morava há pouco mais de um ano. Pouco se sabe sobre rapaz, inclusive sobre sua morte. O que se sabe, no entanto, causa indignação: seu corpo foi retirado da cena de seu assassinato antes que a perícia pudesse ser feita e sua morte não foi registrada na Delegacia de Homicídios.

A Maré de Direitos vai entrar com ações para garantir que arbitrariedades e brutalidades, como invasão de domicílios, homicídios e armamentos letais não possam ser usados indiscriminadamente contra a população. “Essa ação deixou uma certeza: precisamos urgentemente refletir e discutir sobre as condições psicológicas, os danos à sanidade mental dos policiais provocados pelas condições a que são submetidos nessas ações; sobre a falta de perícia nos casos de homicídios executados nessas operações; e sobre o uso de armas letais contra a população. O interesse da Maré de Direitos é pela vida e pela legalidade”, afirmou Lidiane, coordenadora do Eixo de Segurança Pública e Acesso à Justiça, ao fim de mais um dia bastante difícil para todos os mareenses.

Extraído de www.redesdamare.org.br

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes