UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Fascismo ataca universidades

No último dia de abril, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, declarou que determinou o corte de 30% dos recursos da Universidade de Brasília (UnB), da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade Federal da Bahia (UFBA), por terem permitido atos políticos e “balbúrdia” dentro de suas instalações. A fala do representante de Bolsonaro foi a seguinte: “universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”. E mais: “a universidade deve estar com sobra de dinheiro para fazer bagunça e evento ridículo”, disse para O Estado de São Paulo.

Por outro lado, o reitor da UFBA, João Carlos Salles, fez declaração de que a universidade deve ser um espaço democrático, de debate, de ensino e pesquisa, que a UFBA alcançou a 14ª colocação em escala nacional no passado, e que a universidade é um espaço de liberdade e expressão.

Realizar cortes de verbas por manifestações e posições políticas nas universidades é infringir a autonomia universitária, importe conquista da sociedade brasileira.

O sentimento é de luta e de organizar toda a comunidade acadêmica, lembrando que esse tipo de ataque é porque essa universidade foi palco de luta e resistência contra o golpe, de ter vivenciado uma campanha contra o fascista Bolsonaro e seus representantes. Está cada vez mais claro que estamos vivendo em tempos de repressão, porém, a questão é saber se iremos deixar ou iremos defender as liberdades democráticas duramente conquistadas no nosso país.

Gabriela Valentim, Salvador

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes