UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

Movimento Correnteza debate lei da Anistia na UFPI

A Anistia, por um lado, libertou uma série de presos políticos no período da ditadura militar fascista, porém ainda não puniu os criminosos.

Pedro Sousa


Foto: Jornal A Verdade

PIAUÍ – Ocorreu, durante a última quinta-feira (12), um debate que abordou a temática da Anistia, construído pelo Comitê Memória, Verdade e Justiça, juntamente ao Diretório Central dos Estudantes e Movimento Correnteza.

No dia 28 de agosto, completou-se 40 anos que a sanção 6.683, a Lei da Anistia, foi assinada pelo então general presidente João Batista Figueiredo, durante tempos da chamada abertura lenta e gradual. A ditadura militar estava a caminho do fim. Cerca de sete mil pessoas viviam exiladas fora do país, e os porões da ditadura ainda mantinham aproximadamente oitocentas vítimas de tortura. A lei que, ao mesmo tempo que libertou presos políticos e trouxe milhares de brasileiros que viviam no exterior, também liberou de julgamento agentes do Estado que torturaram e mataram.

Foto: Jornal A Verdade

Depois de um longo período, com a criação da Comissão da Anistia e a edição de outras leis reparadoras dos direitos das vítimas e perseguidos políticos da ditadura, embora sempre incompletas, hoje os anistiados enfrentam novos desafios e dificuldades, com os retrocessos impostos pelo governo empossado em 2019, liderado por Jair Bolsonaro.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes