UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 3 de dezembro de 2022

Portuários do Espírito Santo fazem paralisação contra privatização

Reportagem anexada na edição 223 do jornal impresso, página 06.

Redação


Foto: Jornal A Verdade

ESPÍRITO SANTO – O Sindicato Unificado da Orla Portuária do Espírito Santo (Suport) declarou greve no dia 28 de novembro, com paralisação de 12 horas, fechando todas as entradas dos portos de Vitória e Capuaba.

A reivindicação é pela assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho, que foi aprovado. 

Os trabalhadores também cobram posição do governo em relação aos trabalhadores que podem ser demitidos, caso a Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) seja privatizada, ameaça constante nos últimos tempos, especialmente sob o governo entreguista de Jair Bolsonaro.

Ainda existem demandas como as questões relativas ao plano de saúde e à previdência complementar, já com problemas, que podem se agravar ainda mais com a privatização ou a imposição em acordos de trabalho.

“Nossa expectativa é que haja comprometimento dos governantes com as garantias dos trabalhadores portuários empregados nas companhias docas e dos trabalhadores avulsos registrados e cadastrados nos Ogmos (Órgãos Gestores de Mão de Obra)”, disse o presidente do Suport, Ernani Pereira Pinto.

A greve contou com participação de membros do Suport, principalmente de sua diretoria, membros da Unidade Popular e do Movimento Luta de Classes no Espírito Santo.

Durante todo o dia, a entrada e a saída de funcionários foi controlada para que apenas o mínimo funcionasse, especialmente, os trabalhadores do setor financeiro, que fariam a folha de pagamento naquele dia.

Privatização Prejudica a Sociedade

A luta dos portuários visa a manter o fim social do Porto de Vitória, que será posto de lado com a privatização, além dos riscos de acidente ambiental, perda de direitos trabalhistas e redução salarial. “A privatização afetará toda a sociedade, desde o pequeno e médio produtor capixaba, até a população em geral. Já que nenhuma empresa privada tem obrigação de ter um papel social ou interesse com o povo. É hora de a classe trabalhadora se organizar, proteger seus interesses e o interesse nacional.”, afirmou Cristyan Costa, representante do MLC no ato.

Não só a Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) está ameaçada, como outras companhias de docas e portos públicos pelo Brasil. Mas a ameaça tem sido enfrentada com coragem e disposição de luta pelos sindicatos locais, que, além de defenderem os próprios interesses, apoiam as lutas dos sindicatos irmãos ao longo do Brasil.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes