UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Bolsonaro muda MP, mas patrão ainda pode cortar salário

Corte de salários pode jogar 30 milhões de trabalhadores na miséria. (Foto: Thiago Freitas/Agência O Globo)
Depois da má repercussão no país e a avalanche de repúdio por parte das pessoas nas redes sociais, Bolsonaro ficou com medo de ficar ainda mais isolado e decidiu revogar um dos artigos da MP 927/20. No entanto, o resto da Medida Provisória continua em vigor. E além de destruir outros direitos como as férias e os feriados, ela ainda permite o patrão cortar os salários.
Felipe Annunziata

BRASÍLIA – Depois da má repercussão no país e a avalanche de repúdio por parte das pessoas nas redes sociais, Bolsonaro ficou com medo de ficar ainda mais isolado e decidiu revogar um dos artigos da MP 927/20. Pelo Twitter o presidente afirmou que tinha revogado o Artigo 18. Este era o trecho que abertamente dava direito aos patrões de cortar os salários por até quatro meses.

No entanto, o resto da Medida Provisória continua em vigor. Além de destruir outros direitos como as férias e os feriados, ela ainda permite o patrão cortar os salários. Veja abaixo algumas dos direitos trabalhistas que são atacados pela decisão de Bolsonaro.

1. Haverá “liberdade” de negociação entre patrão e trabalhador, podendo inclusive fazer acordos que não sigam a lei e a CLT, respeitando apenas a Constituição;
2. Antecipação das férias coletivas ou individuais por decisão exclusiva do patrão;
3. Antecipação ou aproveitamento de feriados para compensar dias não trabalhados durante a quarentena;
4. Suspensão do recolhimento do FGTS (dinheiro dos trabalhadores) para os próximos 3 meses;
5. No caso das férias o pagamento do 1/3 constitucional poderá ser feito até dezembro, e não no momento das férias como determina a CLT, atrasando uma renda que é direito dos trabalhadores.

Ou seja, mesmo sem a permissão expressa de corte salarial a MP 927 ainda traz sérios prejuízos aos trabalhadores. Também há alguns juristas e parlamentares levantando o questionamento de que, mesmo com a suspensão do artigo que previa o corte dos salários, isso ainda seria possível acontecer. Isto porque a MP prevê que é “livre” a negociação individual ou coletiva entre trabalhador e patrão, inclusive se o acordo não respeitar a lei.

Glauber Braga, deputado federal do Rio de Janeiro, na sua conta no Facebook afirmou: “O que ele está fazendo? Ele recua tirando o artigo que citava expressamente a suspensão do contrato de trabalho [corte do salário], mas ele mantém essa possibilidade no Artigo 2º. O Art. 2º dá a possibilidade do Bolsonaro manter na relação entre patrão e trabalhador o mesmo que ele retirou no artigo revogado.”

Na prática o patrão poderá impor ao empregado um “acordo” de suspensão do salário enquanto não houver trabalho. O trabalhador por sua vez fica sem saída, já que numa crise com as proporções da que vivemos, as pessoas ficam com ainda mais medo e mais ameaçadas a perder seus empregos. Como a norma aprovada por Bolsonaro não proíbe o corte de salário, o trabalhador fica a mercê da “negociação” com o patrão.

Medida vai contra tudo que o resto do mundo está fazendo

Bolsonaro tenta enganar o povo mais uma vez aprovando uma Medida Provisória que pretende acabar com a CLT e os poucos empregos formais que ainda sobrevivem no Brasil. O objetivo dele é claro: acabar com qualquer direito trabalhista para preservar os privilégios e as taxas de lucros das empresas privadas e assim agradar seus amigos banqueiros, começando por Paulo Guedes.

Essa MP vai na contramão de tudo que o mundo tem feito pra combater a crise econômica agravada pela pandemia de COVID-19. Em vários países os governos estão tentando ampliar os direitos dos trabalhadores ou mesmo tentando garantir o máximo de apoio possível para garantir a renda das pessoas e salvar os empregos. Já há propostas aqui no Brasil também de soluções dignas para o povo diante dessa crise.

A Unidade Popular, por exemplo, desde o início da pandemia aqui no Brasil apresentou diversas proposições para garantir o direito dos trabalhadores. Veja abaixo elas:

1. Redução da atividade industrial, financeira, de serviços e dos órgãos públicos, nas áreas não essenciais. Trabalhadoras e trabalhadores deste setor, como a saúde ou produção de insumos para prevenção, deverão ter equipamentos e acompanhamento adequado;
2. Moratória imediata dos pagamentos de juros e amortizações da dívida ao longo dos 15 dias. Revogação da EC 95 do teto de gastos, liberando recursos para investimento na saúde pública.
3. Promoção e financiamento da pesquisa científica, do desenvolvimento e da propaganda de dados das instituições públicas especializadas, a exemplo da Fiocruz, do Instituto Butatã etc.;
4. Anulação das taxas de juros do cheque especial, dos cartões de crédito e dos empréstimos por 15 dias;
5. Congelamento de preços do álcool gel e de medicamentos, além dos alimentos. Garantia de distribuição de mantimentos, em especial para desempregados e trabalhadores informais;
6. Depósito imediato de um crédito especial nas contas previdênciárias das trabalhadoras e trabalhadores brasileiros com recurso suficiente para manutenção em 15 dias de quarentena. Abonar os não pagamentos da autonomia previdenciária;
7. Encampação de hospitais e leitos privados pelo Estado para atendimento dos casos confirmados;
8. Congelamento do preço dos aluguéis e suspensão das ordens de despejo.

Bolsonaro, ao contrário, aposta no cenário onde se salve as empresas, bancos e os lucros do 1% de ricos desse país. Ele quer isso a todo custo, mesmo que cause a miséria, a fome e a desgraça na vida de milhões de famílias que vivem da venda de sua força de trabalho para sobreviver. A derrubada completa dessa Medida Provisória é algo fundamental para garantir a vida das pessoas durante a pandemia. Não bastasse termos que lutar contra o vírus, temos que lutar também contra os ataques de Bolsonaro e sua turma de comparsas do Planalto contra o povo.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes