UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 6 de outubro de 2022

Coronavírus: profissionais da saúde relatam descaso

MOBILIZAÇÃO – Ludmila Outtes, Presidente do SEEPE, em meio a mobilização dos enfermeiros. (Foto: Jornal A Verdade)

Claudiane Lopes

BRASIL – Eles estão na primeira linha de frente contra a guerra à pandemia do COVID-19. São enfermeiros(as), médicos(as), técnicos de enfermagem, demais funcionários dessas instituições, que se apresentam como possíveis vítimas de contaminação pelo coronavírus. Em todo o país, trabalhadoras e trabalhadores da saúde denunciam a falta de Equipamentos de Proteção Individuais (EPI) e o descaso com a saúde, que começou antes da pandemia do novo coronavírus.

A Organização Mundial de Saúde – OMS determinou o que deve ser usado para os profissionais que atendem pessoas contaminadas, máscaras n-95, luvas, gorro, avental e óculos de proteção, os chamados EPIs. A Presidente do Sindicato do Enfermeiros do estado de Pernambuco (SEEPE), Ludmila Medeiros Outtes Alves, afirma que a situação dos profissionais está complicada. Faltam os Equipamentos Proteção Individual básicos para o combate ao vírus nos hospitais públicos e privados.

“No estado, estamos fazendo as denúncias desde a semana passada da precariedade. Tem unidade que falta até sabão para lavar as mãos, entre outras coisas. A resposta do governo tem sido apenas de negar os fatos, dizendo que não faltam os EPIs. Os enfermeiros estão fazendo algumas paralisações pela falta dos materiais, mas pontualmente” – defende Ludmila.

A situação piora quando o governo do estado de Pernambuco, ameaça a presidente do SEEPE na tentativa de intimidação com a ida de dois homens armados, supostamente da polícia civil, em sua casa. O fato ocorreu, justamente, por causa das denúncias realizadas na imprensa pelo sindicato.

O Brasil tem cerca de 2,2 milhões de profissionais de enfermagem, entre técnicos, auxiliares, enfermeiros, segundo dados do COFEN (Conselho Federal de Enfermagem). A grande maioria é de mulheres. A escassez de material é generalizada: profissionais da China, da Europa e dos Estados Unidos também sofreram e sofrem com a falta de material de proteção. O número de profissionais da saúde infectados na Espanha chega a cerca de 4.000 com coronavírus. Na Itália, são quase 5.000 profissionais da saúde infectados pelo novo coronavírus, além disso, morreram 23 médicos desde o início da pandemia.

Para quem atende os infectados suas armaduras são os jalecos, as máscaras e as luvas. As maiores reclamações dos profissionais de saúde são a falta de máscaras, aventais (ou capotes), óculos de proteção e álcool gel. Também a qualidade dos produtos, pois os aventais são de um material tão fino que não é impermeável, o que caba sendo um perigo para quem precisa estar protegido denuncia, Nayá Puertas – Tesoureira do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro.

“Estamos tentando fazer esse levantamento, na cidade do Rio de Janeiro, a segunda mais afetada com a pandemia, temos até agora 10 casos de médicos infectados pelo COVID-19, sendo que um veio a óbito, um médico de 65 anos”, afirma.

CAMPANHA – Cartaz do Sindmed convocando as denúncias às péssimas condições de trabalho que afetam a categoria. (Foto: Reprodução/Sindmed)

Para muitos profissionais dessa área, é como um cenário de guerra, em que toda a sociedade é, inevitavelmente, afetada – se não pelo vírus, pelas medidas tomadas para prevenir sua disseminação em larga escala. A doença que assola a todos os continentes não faz distinção entre jovens e idosos, homens e mulheres, ricos e pobres. Ainda que seja mais perigoso ao atingir alguns grupos (idosos, cardíacos, hipertensos, diabéticos, pessoas em tratamento de câncer, ou seja, pessoas com doenças crônicas). 

Segundo especialistas, o pico da doença no Brasil ainda está por vir, por isso que a campanha para as pessoas ficarem em casa é de extrema importância. O sistema único de saúde – SUS somado aos hospitais privados não tem condições físicas e de recursos humanos para atender todas as pessoas infectadas. Mesmo as prefeituras e governos construindo alternativas de atendimento em escolas, quadras, ginásios esportivos ainda não atenderão todas as pessoas que mais precisam.

Não é por trabalharem em unidades de saúde que médicos, enfermeiros, seguranças, auxiliares de limpeza, maqueiros, atendentes, entre outras funções, temem menos o coronavírus. Pelo contrário, ninguém está imune à doença. Muitos profissionais relatam que o medo não é exatamente de ser infectado, mas de que a sua contaminação represente risco a muitas pessoas que estão no seu convívio ou ao seu redor, seja em casa, nas relações de amizade, nos hospitais ou postos, principalmente quando os hospitais ou governos não garantem a proteção necessária para esses trabalhadores.

A realidade no Brasil é que já existe um déficit de profissionais na área da saúde em todas as instituições públicas que funcionam para esse fim. Se essas pessoas também forem infectadas, vão ser afastadas, o que vai agravar ainda mais o atendimento à população. Mas quem cuidará dos doentes? Os capitalistas ou esses trabalhadores da saúde? O que está demonstrado é que a cada dia com avanço do coronavírus, a humanidade vive um xeque-mate, dado pelo próprio sistema capitalista. Em outras palavras o capitalismo não tem mais condições de se manter, o que precisamos neste momento é salvar vidas em detrimento dos fabulosos lucros que ainda existem acima das vidas humanas.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes