TwitterFacebookGoogle+

Governos fascistas condenam milhares à morte

DIFERENÇA – A alternativa para o Brasil, para o próximo período, deve vir da classe trabalhadora. (Foto: Reprodução/Mídia Ninja)

Nana Sanches 
Movimento de Mulheres Olga Benário
Unidade Popular Pelo Socialismo

BRASIL – Todos ficaram enraivecidos com o discurso do presidente fascista Jair Bolsonaro propagado ontem por emissoras e rádios burguesas. Contrariando todas as orientações internacionais, Bolsonaro mostrou, novamente, a quem serve, como um bom cachorro obediente aos ditames da elite econômica do país e do mundo.

Desde o início da pandemia causada pelo Coronavírus, Bolsonaro luta abertamente contra o povo trabalhador. Ele propôs, por exemplo, distribuir R$200,00 para a população mais carente do nosso País – apenas para quem contribui com o INSS –, um valor irrisório perto de todas as necessidades que uma família tem. Em verdade, Bolsonaro ataca o povo trabalhador desde o início de seu mandato. Se aproveitou da reforma trabalhista aprovada no Governo Temer, que aumentou o desemprego em nosso país, e ainda aprovou a reforma da previdência, acabando de vez com nossos direitos trabalhistas. Antes da pandemia, Bolsonaro ainda ameaçou dar um golpe militar para que a reforma administrativa fosse aprovada, uma reforma que leva à precarização do serviço público.

Não bastasse tudo isso, o governo fascista de Bolsonaro tem impedido que a população tenha acesso aos dados reais sobre os casos de Coronavírus no país. Desde a semana passada, devido a ordens do governo, muitas pessoas que foram aos postos de saúde não puderam fazer teste para saber se estavam doentes.

Não é difícil entender porque pararam de fazer testes para Coronavírus em todas as pessoas que chegavam em postos desde a semana passada. A falta de dados e informação deixa muita gente confusa.

Fato é que o governo da Itália, há um mês, fez a mesma manobra que Bolsonaro tenta impor para seguir as ordens de mega-empresários e banqueiros. Na época, final de fevereiro, 17 pessoas tinham morrido em função do Coronavírus na Itália. As medidas para retomar a economia tiveram consequências desastrosas. Ontem, 24 de março, a Itália registrou 743 mortes em um dia, fechando um total de 6.820 mortos.

Além de Bolsonaro, outro fascista, o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, fez ontem um discurso similar, mandando o povo americano voltar a trabalhar para retomar a economia. Com isso, esses presidentes condenam milhares de pessoas à morte, pois se preocupam mais com os lucros que com a vida das pessoas.

O que o discurso de Donald Trump omite é que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) os Estados Unidos da América serão o próximo epicentro da pandemia de Coronavírus, ou seja, milhares de pessoas estão e serão contaminadas pelo Coronavírus. O país já registra 700 mortes e 53 mil pessoas contaminadas, números que aumentarão nas próximas semanas.

O discurso de Trump omite também que seu país tem um dos piores sistemas de saúde do mundo, baseado na competição entre os planos de saúde que cobram altos valores da população para acessar um direito que deveria ser gratuito, o direito à saúde. Para termos uma ideia, 27 milhões de pessoas nos Estados Unidos não tem acesso a nenhum plano de saúde e os que têm, recebem altas cobranças por ir ao médico para fazer o teste do Coronavírus ou qualquer outro procedimento.

Cabe destacar ainda que naquele país, os trabalhadores não têm direito à licença médica, férias remuneradas ou licença maternidade. Na prática, mesmo antes da pandemia, os governos fascistas já vinham condenando os trabalhadores do mundo à morte.

É por isso que nós, da Unidade Popular pelo Socialismo – UP, defendemos que se pare agora de dar dinheiro aos bancos para pagar a dívida pública, uma dívida que nenhum de nós contraiu, mas que todos pagamos, e se aumente e esse valor de R$200,00 para um recurso que realmente garanta o sustento dos brasileiros que mais precisam, além de estender para todos os trabalhadores e trabalhadoras afetados, independente da contribuição para o INSS. Defendemos também que todas as categorias tenham o direito de viver. Aos que estão trabalhando na área de saúde ou limpeza, por exemplo, devem ter equipamentos de proteção que evitem mais mortes e maior contágio da doença. Enquanto o governo toma medidas para aniquilar com nosso povo, defendemos a solidariedade através da construção de ações de poder popular. Que sejamos nós, que trabalhamos, os principais protagonistas na luta contra o Coronavírus, pois se dependermos das ações desses governos fascistas, colocaremos nossa vida e nosso futuro em risco.

Importante saudarmos o incrível papel que Cuba tem cumprido para enfrentar a epidemia. O país socialista sempre garantiu saúde e educação de qualidade para seu povo e sob influência das experiências do médico Ernesto Che Guevara criou um dos melhores sistemas de saúde e de formação médica do mundo, algo que garante que, mesmo sob um bloqueio econômico que empobrece o país, Cuba possa enviar médicos e fazer pesquisas para acabar com o Coronavírus.

Viva o Poder Popular!
Viva o Socialismo!
Fora Fascistas Assassinos!

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
124

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações