UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 3 de julho de 2022

Bancos, especuladores e rentistas podem esperar

COORDENAÇÃO – Maria Lucia Fattorelli, coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida. (Foto: Reprodução/Auditoria Cidadã da Dívida)

A Auditoria Cidadã da Dívida é uma associação que possui, entre seus principais objetivos, mobilizar a sociedade para realizar uma auditoria transparente da dívida pública brasileira, interna e externa, nos níveis federal, estadual e municipal. Para isso, realiza periodicamente estudos e publicações para popularizar este tema, que, a princípio, parece complexo.

As atividades da Auditoria Cidadã da Dívida se iniciaram logo após o Plebiscito Popular da Dívida Externa, realizado no Brasil em setembro do ano 2000, que contou com a participação de mais de seis milhões de brasileiros, sendo que 95% votaram “NÃO” à manutenção do Acordo com o FMI; NÃO à continuidade do pagamento da dívida externa sem a realização da auditoria prevista na Constituição Federal; e “NÃO” à destinação de grande parte dos recursos orçamentários aos especuladores.

A Verdade apoia e publica nesta edição o manifesto da Auditoria em que defende a destinação dos recursos da dívida pública para aplacar os efeitos da pandemia do coronavírus.

Auditoria e Suspensão da Dívida Pública para Destinar Recursos à Calamidade do Coronavírus

A dívida pública tem consumido cerca de R$ 1 trilhão do orçamento federal todo ano, diante do quadro de pandemia de coronavírus, reivindicamos que o governo decrete uma completa auditoria da dívida pública, acompanhada da suspensão imediata do pagamento dos juros e encargos, a fim de liberar recursos para investimentos relevantes em áreas essenciais à população, como saúde pública, assistência social, educação e pesquisa, etc.

Os bancos, especuladores e grandes rentistas podem esperar, mas a população que vive de salário ou que sequer possui alguma renda (informais e desempregados), não! Esses correm risco de vida! E suspender a renda deles irá colapsar ainda mais a economia!

O governo federal não precisa cortar salários ou avançar contra reformas que cortam mais direitos ainda da população, pois possui cerca de R$ 4 trilhões em caixa (mais de R$ 1,3 trilhão na Conta Única do Tesouro Nacional; cerca de R$ 1 trilhão no Banco Central, remunerando a sobra de caixa dos bancos, e mais de R$ 1,7 trilhão em reservas internacionais), mas toda essa montanha de dinheiro está à disposição dos gastos financeiros com a chamada dívida pública.

A dívida pública nunca foi auditada integralmente, como manda a Constituição Federal (Art. 26 do ADCT) e já foram comprovadas diversas ilegalidades e ilegitimidades, como a utilização de mais de R$ 1 trilhão de títulos dessa dívida para remunerar a sobra de caixa dos bancos; dezenas de bilhões de reais em títulos para cobrir prejuízos escandalosos com swap cambial; juros sobre juros, pagos com novos títulos, afrontando o art. 167, III, da Constituição, entre outros.

Apesar de todas essas irregularidades, o gasto com a dívida pública tem sido o mais privilegiado de todos: além de consumir a maior fatia do orçamento e ter mais de R$ 4 trilhões reservados só para seus gastos, a Emenda Constitucional 95/2016 (conhecida como a emenda do Teto de Gastos) estabeleceu teto para todos os gastos com a manutenção do Estado e gastos sociais, deixando fora do teto, sem controle ou limite algum, os gastos financeiros com a dívida! Além disso, os recursos advindos das privatizações de patrimônio público têm sido historicamente direcionados para o pagamento dessa chamada dívida pública; as contrarreformas, em especial a da Previdência, também foram justificadas pela necessidade de sobrar mais recursos para a dívida; assim como o dispositivo da DRU (desvinculação de receitas da União) que tirou durante anos 20% e depois até 30% dos recursos da Seguridade Social, que inclui as áreas da Saúde e, por sua vez o SUS, a Assistência Social e a Previdência, as quais necessitam urgentemente de atenção nesse momento de calamidade. Basta de privilégio para essa chamada dívida!

Os bancos são os únicos que seguem batendo recordes de lucros a cada trimestre, enquanto toda a economia brasileira enfrenta, desde 2015, queda e estagnação do PIB; quebra de empresas de todos os ramos, desemprego recorde, etc. 

É inaceitável o fato de que, enquanto medidas são apresentadas para cortar o salário de trabalhadores e sacrificar ainda mais quem produz e sustenta a economia, nos últimos dias, o Banco Central anunciou pacote estimado em R$1,2 trilhão para socorrer os bancos!

É urgente pressionar as autoridades para:

1. Priorizar o que deve ser priorizado: A VIDA DAS PESSOAS!

2. Instalar imediatamente uma completa auditoria da dívida pública, com participação social e, ao mesmo tempo, suspender os pagamentos dos gastos financeiros com o Sistema da Dívida, para destinar os recursos prioritariamente para socorrer a grave pandemia do coronavírus!

Maria Lucia Fattorelli
Coordenadora Nacional da Auditoria Cidadã da Dívida
www.auditoriacidada.org.br

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes