UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2022

“Olha a banana! Olha a laranja! Olha o Banco do Brasil!”

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO – Trabalhadores protestam contra fechamento de agência no Mato Grosso do Sul. (Foto: Reprodução/Brasil de Fato)
Saque do Banco do Brasil demonstra a necessidade de uma grande ação de massas do povo em defesa de seus direitos.
Eduardo Oliveira
Professor de Economia e Pensamento Marxista do Departamento de Economia da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e membro do Diretório Estadual da Unidade Popular Pelo Socialismo do Piauí.

TERESINA (PI) – O que leva uma instituição capitalista a comprar um título podre? Refaço melhor a pergunta: o que leva uma instituição que na sua essência busca incessantemente lucros, a comprar uma mercadoria que possivelmente não seja lucrativa? (Pelo menos é o que se sugere quando se classifica essa mercadoria como podre).

No 1º de julho, o Banco do Brasil anunciou a negociação de uma carteira de títulos de crédito, no valor contábil de R$2,9 bilhões, vendida ao BTG Pactual por R$371 milhões, cerca de 12% do valor total. Nesta negociação, alguns pontos saltam aos olhos, e neles, devemos repousar nossa inquietação. Vejamos!

Em primeiro lugar, vale destacar que a carteira de créditos negociada pelo Banco do Brasil era considerada “podre”, ou seja, segundo matéria no Valor Econômico, tratam-se de dívidas que excedem cinco anos e que, parte delas já encaram processos judiciais iniciados há até quinze anos. Ainda segundo a mesma reportagem, 98% das dívidas dessa carteira negociada já estavam lançadas em prejuízo, pelo próprio Banco do Brasil. Por que uma carteira, nestas condições, seria interessante ao BTG Pactual? Por que não somente o BTG, mas outras três instituições financeiras também se interessaram pela mercadoria “podre”, dando lances?

Outro ponto que chama nossa atenção trata-se do obscurantismo da negociação e que ainda persiste, mesmo com toda a repercussão na mídia. Não importa apenas saber se são títulos “podres”, mas também, que tipo de títulos são. Ou quem seriam os devedores destes títulos negociados? São dívidas de meros e reles mortais detentores de CPF ou seriam de pujantes CNPJs, irretocáveis e laboriosos capitalistas? Por que o ministro da economia quer manter tal negociação sob sigilo? Por que o próprio BTG Pactual recorreu à justiça para censurar o episódio, em se tratando de títulos “podres”? Que tipo de “podridão” é essa?

Sabe-se que o atual ministro da economia foi um dos fundadores do BTG Pactual. Sabe-se também que o mesmo ministro da economia já declarou diversas vezes, e de forma veemente, a sua ânsia de vender o Banco do Brasil, bem como diversas outras empresas públicas. Eis outro ponto a chamar a nossa atenção. Embora a negociação possa ser entendida como uma estratégia de se livrar de dívidas para facilitar uma possível venda do Banco do Brasil, por que logo o BTG Pactual ofereceu o melhor lance? Por que a referida instituição não esclarece a estratégia arriscada utilizada, inclusive para seus acionistas, a fim de oferecer-lhes transparência e segurança para continuarem sendo acionistas? Ao contrário, prefere recorrer à justiça, para censurá-la na mídia.

Uma outra questão a ser observada é… o que explicar, em meio a uma pandemia global, em um cenário em que os países necessariamente estão tendo que gastar para uma tentativa de minimização dos prejuízos econômicos e sociais, o governo brasileiro, por intermédio de seu ministério da economia, propor uma troca de R$2,9 bilhões, por R$371 milhões? Trata-se de no mínimo um contrassenso por dois motivos básicos:

1. A quantia de R$371 milhões a mais nos cofres públicos, considerando o volume na órbita dos bilhões que deveriam ser gastos nesta crise sanitária, chega a ser um valor até inexpressivo do ponto de vista de receita; e

2. O Banco do Brasil, 4ª empresa brasileira mais lucrativa em 2019, segundo a InfoMoney, não aparenta necessidade urgente desta negociação, em pleno período pandêmico, considerando seus lucros acumulados em 2019 (e nisto repousa nosso último ponto a ser apresentado a seguir).

Enfim, apresento uma última e bastante objetiva inquietação. O que explica – além do entreguismo, óbvio –, um governo e seu ministro da economia, querer vender uma empresa que figura entre as quatro empresas mais lucrativas de 2019?

Por fim, diante das inquietações aqui trazidas, precisa-se que a população tome consciência do cenário contrário ao interesse coletivo que tem se desenhado no país recente, e que esta se aproprie das compreensões necessárias para a luta por seus direitos e pelos recursos nacionais que ainda são seus.

Se não, ao contrário, nos limitaremos a acompanhar à entrega do país, como em fim de feira, mas com uma característica peculiar… Os produtos podres sendo vendidos aos podres.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes