UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Falta comida para mais da metade dos brasileiros

FOME – Insegurança alimentar cresce e famílias se amontoam em filas da fome por todo o país, atrás de um prato de comida (Foto: Reprodução)

João Coelho

SÃO PAULO – Segundo pesquisa de dezembro de 2020 da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN), mais da metade dos brasileiros e brasileiras, 116,8 milhões de pessoas, não tem acesso suficiente à comida, se alimentando em quantidade e/ou qualidade insuficiente.

O índice de pessoas que passam fome, 9% da população, ou não comem o suficiente, 20,5%, é o maior desde o ano de 2004 e subiu de maneira assustadora desde 2018, ano em que Bolsonaro venceu as eleições para Presidente da República. De fato, em apenas dois anos sob o comando do ex-capitão, o número de pessoas passando fome no Brasil dobrou.

Apesar de a crise atual atingir toda a classe trabalhadora, a pobreza extrema alcança com maior incidência mulheres moradoras das periferias das grandes cidades, chefes de família, negras e com baixa escolaridade. O índice de insegurança alimentar, ou seja, a incerteza das famílias se terão ou não comida suficiente na mesa, ainda é maior no Norte e Nordeste, atingindo 60% e 70% dos lares respectivamente, frente à média nacional de 55%. Do outro lado, o lado de quem não trabalha mas vive na riqueza, 11 novos capitalistas se tornaram bilionários no Brasil no último ano em meio à disseminação da fome, com destaque para os magnatas do mercado financeiro que são 8 dos novos super ricos.

O quadro assustador apontado pela pesquisa, na realidade, deve ser ainda pior, uma vez que os dados foram coletados quando muitas famílias estavam recebendo o Auxílio Emergencial de R$300,00, que foi cortado pelo Governo Bolsonaro em dezembro e será retomado nesse mês com um valor menor e para menos famílias.

Usenir, aposentada de 67 anos, moradora do Jd. São Vicente, Zona Leste de São Paulo, e uma das brasileiras chefe de família que está na estatística da fome no país, desabafou ao Jornal A Verdade: “O que eu arrumo só da pra pagar aluguel, não da pra comer duas vezes ao dia. Tem vezes que eu como, tem vezes que não. Criei cinco filhos e agora não posso ajudar nenhum, porque todo o meu dinheiro vai para o aluguel”.

A crise sanitária e econômica no Brasil se aprofunda cada dia mais e, com um Presidente incompetente e fascista, dirigindo um genocídio contra o povo brasileiro, somado à ganância dos capitalistas, que continuam atrasando ou reduzindo salários, demitindo trabalhadores e aumentando o preço dos aluguéis, dos remédios e dos alimentos no país, a saída dessa situação depende cada dia mais de um grande levante da classe trabalhadora em defesa de sua vida.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes