UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 13 de agosto de 2022

População exige reabertura do restaurante popular em Campos dos Goytacazes

PRESSÃO. Movimentos populares lutam pela reabertura do Restaurante Popular (Foto: JAV/Rio)

Enquanto esteve funcionando, entre janeiro e junho de 2017, o Restaurante Popular serviu mais de 195 mil almoços e quase 51 mil cafés da manhã.

Isabela Moraes e Amaro Sérgio Azevedo
Campos dos Goytacazes (RJ)


LUTA POPULAR – A falta de debate com a sociedade civil em relação à reabertura do Restaurante Popular, apesar da fome, que não para de crescer, é uma triste realidade na cidade de Campos dos Goytacazes.

Desde o fechamento do restaurante conhecido como “1 real”, em 2017, aumentou bastante a dificuldade de muitas pessoas de se alimentar com qualidade no município. Tal situação se agravou devido ao aumento do desemprego, à aprovação da Emenda Constitucional 95 (Congelamento de Gastos) e ao projeto de desmonte dos serviços públicos.

Enquanto esteve funcionando, entre janeiro e junho de 2017, o Restaurante Popular serviu mais de 195 mil almoços e quase 51 mil cafés da manhã, segundo o relatório SAN – Segurança Alimentar e Nutricional, do Plano Municipal de Assistência Social. Esses números provam a importância de ter em funcionamento este tipo de estrutura de apoio à população mais pobre.

Com o fechamento do “1 real” pela administração do então prefeito Rafael Diniz (Cidadania), várias ações foram organizadas pelo conjunto dos movimentos sociais da cidade. Resultado dessa luta, foram promovidos atos contra o fim do restaurante e organizado o Movimento em Defesa do Restaurante Popular.

A Associação Resista Campos, a partir dos seus conselheiros no Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS), tem sido incansável na luta pela reabertura do restaurante e na pressão para que a Prefeitura reabra o local.

Em resposta, o governo municipal apresentou uma proposta que restringia o direito de várias pessoas ao restaurante, com critérios absurdos de seleção. Para quem não se encaixasse nesses critérios seria cobrado até R$ 8,00 por refeição. Ou seja, quem antes pagava R$ 1,00 para comer, agora teria que se humilhar para provar pobreza ou pagar um preço oito vezes mais caro.

Fechamento do restaurante popular piorou a vida dos moradores de Campos (Foto: JAV/Rio)

Quem tem fome, tem pressa

O atual prefeito, Wladimir Garotinho (PSD), mantém a mesma política de seu antecessor, se negando a debater com a sociedade os meios de reabrir o “1 real” e afastando o CMAS dessa discussão.

Está claro que essa é uma manobra da Prefeitura para enfraquecer a pressão popular, já que os conselheiros mais engajados do CMAS sempre foram determinantes no debate sobre o Restaurante Popular.

É urgente a reabertura do “1 real” e a construção de outras unidades do Restaurante Popular. Essa é a proposta da Associação Resista Campos e da Unidade Popular (UP). Quem tem fome, tem pressa!

A Prefeitura de Campos tem orçamento suficiente para isso, mas falta vontade política. O dinheiro público deve ser aplicado onde mais se precisa para ajudar as pessoas. Para isso, é imprescindível que o debate e as decisões continuem passando pelo Conselho Municipal de Assistência e que o Restaurante Popular volte a ser “1 real”, atendendo as pessoas das mais diversas regiões da cidade e alimentando a população em situação de rua, os estudantes e trabalhadores campistas.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes