UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 15 de agosto de 2022

Reitoria do IFSP toma sede do SINASEFE-SP

POR DIREITOS – Trabalhadores e estudantes lutam juntos contra os cortes na educação em São Paulo (Foto: Reprodução)

 

Ataque à organização dos trabalhadores: reitoria do IFSP toma sede do SINASEFE-SP, Dória promove ataque semelhante aos metroviários de São Paulo.


 

Sabrina Ferreira e Isis Mustafá

SÃO PAULO – Na primeira semana de maio, o SINASEFE-SP (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica) foi intimado, em reunião com o reitor recém empossado do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Silmário, e o diretor do campus São Paulo do IFSP, a desocupar a sede do sindicato, localizada no campus da capital, no prazo de 90 dias; simultaneamente os estudantes do mesmo campus foram intimados a desocupar as sedes das entidades estudantis até o dia 5 de maio. Desse modo a reitoria inicia sua gestão lidando com as entidades de representação dos trabalhadores e estudantes do instituto de maneira extremamente autoritária.

Esse não é um caso isolado de autoritarismo, outras categorias em São Paulo também tiveram sua autonomia e direito de organização ameaçados recentemente, como os metroviários: na última semana os trabalhadores do Metrô foram informados que a empresa pretende leiloar o prédio onde é sediado o Sindicato dos Metroviários, na região leste da cidade de São Paulo, espaço este conquistado com muita luta da categoria em defesa do transporte público de qualidade e acessível à população paulistana. 

Esse ataque político à organização de classe dos trabalhadores metroviários se dá justamente em meio à campanha salarial, na qual o Governador João Dória (PSDB) apresenta a pior proposta de acordo coletivo dos últimos anos: redução de salários, corte nos adicionais noturno e de periculosidade, fim do auxílio transporte e da estabilidade e mais diversas reduções nos direitos conquistados pela categoria. 

As ações que buscam acabar com a organização dos trabalhadores e reduzir sua capacidade de luta têm aumentado, ao passo que Bolsonaro e seus seguidores têm roubado cada dia mais direitos e elevado a exploração sobre a classe trabalhadora, pondo fim ao sonho da aposentadoria com a reforma da previdência e alargado a jornada de trabalho para 12 horas com a reforma trabalhista, por exemplo. Impedir a organização dos trabalhadores é impedir que o povo resista de modo forte e coeso, é impedir a luta por direitos; atacar as sedes das organizações da classe trabalhadora é uma tentativa de amedrontar e enfraquecer a força de resistência dos trabalhadores.

O SINASEFE e o Sindicato dos Metroviários têm sido grandes organizadores de suas categorias, resistindo às inúmeras tentativas de diminuição de direitos dos servidores da rede federal de educação e dos trabalhadores do metrô. Em especial, o SINASEFE tem lutado constantemente, ombro a ombro com os estudantes organizados, para assegurar que a educação brasileira permaneça pública, gratuita, de qualidade, laica, socialmente referenciada e que dialogue diretamente com os interesses dos trabalhadores, não com os interesses daqueles que nos exploram!

Por isso, é necessário prestar toda solidariedade à essas entidades e seguir lutando lado a lado contra os ataques à Educação, contra os ataques aos trabalhadores e contra os ataques às sedes das organizações populares!

Fora Bolsonaro! Pelo Poder Popular! 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes