UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 9 de agosto de 2022

Projeto de Decreto Legislativo prevê criação de “Frente Parlamentar Cristã em Defesa da Família” em Mogi das Cruzes

MANIFESTAÇÕES – Recentes manifestações pela cidade repudiam o PDL assim como pedem o fim do governo Bolsonaro. (Foto: Mariana Acioli/Jornal A Verdade)
Em meio ao desenvolvimento do projeto, a Unidade Popular Pelo Socialismo (UP) junto de demais movimentos se posicionaram contra o Projeto de Decreto Legislativo fascista.
Redação São Paulo
Jornal A Verdade

MOGI DAS CRUZES (SP) – Tramita na cidade o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) que cria a “Frente Parlamentar Cristã em Defesa da Família”, encabeçados pelos vereadores Osvaldo Antônio da Silva (REP) e o policial Maurino José da Silva (PODEMOS).

O projeto segue sendo repudiado dentro da Câmara Municipal pelos vereadores Inês Paz (PSOL) e Iduigues Martins (PT). Além das discussões internas, o projeto segue sendo repudiado também nas ruas. A manifestação do dia 3 de julho destacavam o desgosto da população pelo governo Bolsonaro e pelo PDL.

Durante as manifestações foram diversas falas destacando a importância de se combater o projeto, sumarizando a importância de se defender o direito da comunidade LGBT+, das diversas formas de família e também da necessidade do Estado ser laico e não permitir nenhum privilégio político a uma comunidade religiosa, com destaque para o cristianismo.

Diante disso, o Diretório Municipal da Unidade Popular Pelo Socialismo (UP) em Mogi das Cruzes escreveu uma nota que repudia o projeto, sua estrutura e seu conteúdo fascista, além de chamar o povo e a classe trabalhadora para combater o projeto e o fascismo na cidade. O Jornal A Verdade reproduz a nota na íntegra.

“PELA RETIRADA DO PDL 011 QUE PREVÊ A CRIAÇÃO DA FRENTE PARLAMENTAR CRISTÃ EM DEFESA DA FAMÍLIA

Dia 28 de Junho foi o dia internacional do Orgulho LGBTQ+, em Mogi das Cruzes-SP  no dia seguinte, foi apresentado em sessão da câmara municipal pelos vereadores Osvaldo Silva (Republicanos) e Maurino José da Silva (Podemos) o Projeto de Decreto Legislativo – PDL 011/21 que prevê a criação da frente parlamentar cristã em defesa da família. Graças a pressão popular, a votação desta PDL foi adiada em 4 sessões e está prevista para o dia 14 de julho.

Em um dos trechos do PDL, os autores argumentam que: ‘[…] refutação da inclusão da ideologia de gênero na Política Municipal de Educação, a garantia do direito à liberdade religiosa e de culto, a segurança dos templos cristãos […]’, um argumento recheado de preconceitos e distorções. É preciso dizer que não existe ideologia de gênero e nunca existiu e quem usa isso é para confundir o povo. E que muito menos os templos cristãos têm sofrido qualquer tipo de violência, muito pelo contrário, o que temos visto é a intolerância religiosa cristã que ataca todos aqueles que não concordam com seus dogmas.

Assim que a votação do projeto foi adiado, os partidos, movimentos de mulheres, representantes das religiões de matriz africanas, grupos de mães, frentes de cultura, LGBT+ organizados, se reuniram em para debater o assunto e foi aprovado nesta reunião a luta pela retirada imediata do projeto e definida uma agenda de lutas.

Este PDL fere o Artigo 5º da Constituição Federal, uma vez que segundo a mesma, o Estado brasileiro não pode promover leis que privilegiem apenas uma denominação religiosa em detrimento de todas as outras. Isto quer dizer que oficialmente Estado e religião são separados, e o Estado não pode permitir interferência da religião nos assuntos estatais, nem privilegiar uma religião em detrimento de outras. Este projeto também pode gerar a perseguição de grupos religiosos minoritários, como muçulmanos da cidade, religiões de matriz africana, entre outros.

A tal frente cristã também não representaria a diversidade das famílias mogianas, pelo contrário, privilegiando um único modelo de família, exclui todos os outros.  Defender a diversidade é defender que todos sejam respeitados: crianças, homens, mulheres, idosos, indígenas, quilombolas, travestis, gays, lésbicas, bissexuais, transexuais, e sendo assim, todas as formas de organização familiar.

Em tempos de crescimento da extrema direita iremos lutar pela retirada deste Projeto de Decreto Legislativo 011, pois não basta derrotarmos Bolsonaro, é preciso também barrar o bolsonarismo que se espalha em nossa cidade e utiliza de argumentos falsos para se promover, quando o intuito único é o da defesa de seus próprios interesses políticos. Um projeto que contraria a laicidade do Estado, a diversidade das famílias e a pluralidade religiosa deve ser varrido da nossa cidade.”

Diretório Municipal da Unidade Popular Pelo Socialismo (UP).

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes