TwitterFacebook

UEE-RJ realiza seu 21º Congresso com estudantes de todo o Rio

Nova gestão eleita no 21º Congresso da União Estadual dos Estudantes do Rio de Janeiro. Foto: UEE-RJ

Congresso da UEE debate avanço para a luta dos estudantes do ensino superior do estado. Foi discutido o caráter mercantil da educação privada, a organização necessária para derrotar o governo fascista de Bolsonaro nas ruas e mais políticas de assistência e permanência estudantil para os estudantes pobres do estado.

Igor Barradas | Redação Rio

RIO DE JANEIRO Terminou neste domingo (15) o 21º Congresso da União Estadual dos Estudantes do Rio de Janeiro. Com representantes de todas as universidades do estado do Rio, o congresso debateu o futuro do movimento estudantil e as novas tarefas a serem seguidas.

No primeiro dia, houve uma mesa-abertura com a participação da AERJ (Associação dos Estudantes Secundaristas do Rio de Janeiro), FENET (Federação dos Estudantes em Ensino Técnico) e a Unidade Popular pelo Socialismo (UP). Nos dois dias seguintes, os estudantes renovaram suas disposições para debater e defender suas teses. Houve também uma ampla participação do Movimento Correnteza, que defendeu sua tese própria, denominada “Estudantes pelo poder popular!’’.

Também foi debatido a dura realidade enfrentada pelos estudantes e pelo povo. Os grande bilionários e militares do governo avançavam seu projeto de sucateamento e exploração da classe trabalhadora. A evasão universitária, a pobreza e o desemprego aumentaram nos últimos anos.

Congresso mobilizou estudantes para derrotarem o fascismo e lutarem em defesa da educação

Nos debates, ficou apontado que a principal tarefa da UEE-RJ deve ser de unir o maior número possível de estudantes e trabalhadores para derrubar o Governo corrupto e genocida de Bolsonaro, reverter as reformas e privatizações, e revogar as leis aprovadas contra os trabalhadores.

Por fim, ocorreu a reunião plena da diretoria, na qual se renovou a gestão da entidade, tendo sido um dos eleitos Victor Davidovich, estudante de Direito da UFRJ, como secretário-geral pelo Movimento Correnteza. Entrevistado pelo Jornal A Verdade, ele defendeu a necessidade de uma organização dos estudantes nesse período e pontuou o papel fundamental da entidade nesse processo.

“A UEE/RJ está voltando a ser uma importante ferramenta de lutas dos estudantes do Estado. O Movimento Correnteza tem trabalhado nesse sentido, mesmo sendo hoje oposição na entidade. No último período, a UEE foi importante nas lutas pela volta do passe-livre na Capital e na luta pela redução das mensalidades nas universidades particulares. Além desse trabalho, vamos precisar lutar mais do que nunca pelas Universidades Públicas, que estão ameaçadas pelos cortes de Bolsonaro.”

Print Friendly, PDF & Email
classic-editor-remember:
classic-editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações

%d blogueiros gostam disto: