UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 13 de julho de 2024

Hospital da UFRJ está sob ameaça de privatização pela Ebserh

SOB ATAQUE. Privatização do HUCFF retirará direitos dos servidores e deixará milhares sem atendimento hospitalar (Foto: Reprodução/UFRJ)

Muitas empresas estatais e universidades públicas têm sido alvos da política de  privatização do governo federal. Na UFRJ, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho está sob ameaça caso a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) seja aprovada. 

Ana Carolina Miceli e Carolina Herkenhoff Colmerauer
Rio de Janeiro


SAÚDE Desde o primeiro semestre de 2021, a Reitoria da UFRJ chamava a atenção para a falta de recursos financeiros para um possível retorno presencial, principalmente no campus do Fundão, e a possibilidade de fechamento da universidade.

Em repúdio aos ataques sofridos pela principal universidade federal do país, os estudantes foram às ruas no dia 14 de maio e promoveram uma grande manifestação no centro do Rio de Janeiro, o primeiro de uma série de protestos contra o governo Bolsonaro que tomaram conta do país em seguida. 

Os ataques à UFRJ e à educação pública, entretanto, não começaram este ano. Em outubro de 2020, a proposta de adesão do Hospital Universitário da UFRJ (HUCFF) à EBSERH foi encaminhada para o Conselho Universitário, mesmo tendo sido rejeitada pela comunidade acadêmica, em 2013.

Na prática, a Reitoria se aproveitou da pandemia e da ausência de atividades presenciais na universidade para “passar a boiada” da terceirização e avançar com a privatização do hospital.

O que representa a EBSERH? 

Apesar de ser uma empresa estatal, a EBSERH conta com um modelo de negócios que tem por objetivo terceirizar a gestão dos serviços públicos. 

Em entrevista ao jornal A Verdade, o presidente estadual da Unidade Popular pelo Socialismo no Rio de Janeiro, que também é técnico-administrativo do Instituto de Geociências da UFRJ, Esteban Crescente, explicou: “O caráter empresarial da EBSERH não é o modelo SUS preconizado na constituinte de 1988. É por isso que nós temos que repudiar essa forma de gestão, porque ela, inclusive, abre espaço para o processo de privatização, podendo a empresa usufruir do patrimônio adquirido com recursos públicos ao longo da sua gestão para convênios com setores privados, como planos de saúde”.

Um planejamento recente divulgado pelo governo federal inclui a EBSERH na lista de estatais a serem privatizadas, o que demonstra uma iniciativa de entrega do patrimônio público e uma ameaça à autonomia universitária. 

Os outros HUs administrados pela EBSERH tendem a afastar as universidades das tomadas de decisão na logística e no planejamento dentro dos hospitais. Os servidores técnico-administrativos constantemente reportam o descumprimento de seus direitos trabalhistas. Também existe a falta de interesse nos projetos de pesquisa e extensão, devido à sua natureza pouco lucrativa, o que prejudica a produção de ciência nessas instituições.

O deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ), em resposta ao ex-ministro Fernando Haddad, criador da EBSERH, defendeu: “Me dirijo respeitosamente a todos e todas da universidade, e mais especificamente ao Conselho Universitário, para dizer também que nesse momento a aprovação da adesão é sim uma facilitação muito equivocada de instrumentos que podem vir a facilitar a vinda do governo Bolsonaro, que quer sucatear para privatizar”. 

O presidente da EBSERH, o general Oswaldo de Jesus Ferreira, faz parte do grupo de apoiadores ao governo de Bolsonaro e não dá nenhum valor à educação e saúde pública de qualidade. Todos eles preferem vender as estatais à iniciativa privada e muitas vezes estrangeira, como já acontece há décadas.

Movimento Barrar a EBSERH na UFRJ (Foto: JAV/Rio)

Fora EBSERH!

Para impedir o avanço desse projeto dentro da UFRJ foi criado o “Movimento Barrar a EBSERH na UFRJ”, composto por estudantes e técnicos, e com a ativa participação do Movimento Correnteza.

Essa iniciativa é fundamental, uma vez que as medidas antidemocráticas continuam a persistir dentro da universidade. Exemplo disso é a convocação do CONSUNI (Conselho Universitário da UFRJ) para o dia 23 de novembro, pelo vice-reitor Carlos Frederico Leão Rocha, com o principal objetivo de autorizar a negociação do contrato com a EBSERH. 

Apesar dos apelos das demais categorias do CONSUNI para a suspensão e reagendamento da sessão, em data futura e de forma presencial, a Reitoria negou o pedido de forma a defender somente seus interesses.

A Emenda Constitucional nº 95 (Teto de Gastos), aprovada em 2016, durante o governo Temer, instituiu um Novo Regime Fiscal à Constituição de 1988, cuja finalidade era a redução dos gastos públicos, o que inclui a redução da verba destinada às universidades federais. 

Desse modo, a UFRJ passou a contar com um teto orçamentário menor e, consequentemente, menos verba destinada ao seu HU, o que foi usado de pretexto para justificar a mudança da gestão do mesmo para a EBSERH.

A gestão do Hospital Universitário deve permanecer sob o controle da própria universidade, que tem plena capacidade de administração. A Reitoria, por sua vez, deveria demandar à Justiça Federal a autorização da abertura de novos concursos públicos, ao invés de apoiar projetos de terceirização do HU, e pressionar as instâncias governamentais para liberarem mais verba para a universidade.

 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes