UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 9 de agosto de 2022

Movimentos protestam contra homenagem ao racista Sérgio Camargo, em Niterói

ANTIRRACISMO. Protesto denuncia racismo do governo Bolsonaro (Foto: JAV/Rio)

O ato contou com a participação de diversos movimentos e organizações políticas, que denunciaram o genocídio do povo negro e o governo Bolsonaro, além das ações policiais nas favelas que sempre acabam em mortes, geralmente de jovens negros. 

Letícia Barbosa e Ian Vitor
Niterói (RJ)


LUTA POPULAR – Diversos movimentos negros e sociais promoveram um ato em frente à Câmara dos Vereadores de Niterói, no dia 20 de novembro, para repudiar a iniciativa do vereador Douglas Gomes (PTC) de homenagear o racista Sérgio Camargo, atual presidente da Fundação Palmares, em pleno Dia da Consciência Negra.

Ao escolher o dia 20 de novembro, data que simboliza a luta e a resistência da população negra brasileira, o vereador Douglas Gomes quis agredir diretamente aqueles que lutam diariamente contra o racismo. O mesmo vereador já foi acusado de transfobia contra a vereadora Benny Briolly (PSOL), mostrando que o respeito não é algo que valorize.

Sérgio Camargo é um conhecido defensor da exploração do povo negro e puxa-saco do presidente fascista Jair Bolsonaro. À frente da Fundação Palmares, já defendeu a mudança do nome do órgão para “Fundação Princesa Isabel”, além de sempre dar declarações que negam a existência do racismo no Brasil. Camargo representa os ideais fascistas do governo do ex-capitão, o supremacismo branco e a submissão dos negros aos modernos senhores de engenho, a burguesia. 

O ato contou com a participação de diversos movimentos e organizações políticas, com a União da Juventude Rebelião (UJR), Unidade Popular (UP) e o Movimento Negro Perifa Zumbi, PSOL, entre outros. Várias denúncias contra o genocídio do povo negro e o governo Bolsonaro foram feitas, especialmente contra as ações policiais nas favelas que sempre acabam em mortes, geralmente de jovens negros. 

Brigadista de A Verdade presente no ato (Foto: JAV/Rio)

Terminado o ato em Niterói, os manifestantes partiram para Madureira, na Zona Norte do Rio de Janeiro, para fortalecer a Marcha das Periferias pelo “Fora Bolsonaro”, protesto que marcou o 20N no Rio. 

Sem dúvida, essas manifestações demonstraram que cresce a cada dia a consciência entre a população negra e periférica do nosso país de que é preciso seguir lutando contra o fascista Bolsonaro e seus aliados. Não vamos sair das ruas enquanto não alcançarmos uma sociedade justa e de igualdade plena, ou seja, socialista, pois só assim poderemos viver uma verdadeira democracia racial.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes