UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

Rússia como agressor indisfarçável

Noruega, 25 de fevereiro de 2022, por Grupo RevolusjonOrganização pertencente à Conferência Internacional de Partidos e Organizações Marxistas Leninistas (CIPOML)

Ao decidir enviar “forças de manutenção da paz” nas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, a Rússia violou o princípio da soberania no direito internacional. Através do que agora parece uma invasão em grande escala, a Rússia mostra que não está atrás dos Estados Unidos em termos de sua disposição de recorrer à agressão militar.

Condenamos qualquer violação do princípio da soberania. Com seu projeto de mudança de regime na Ucrânia, a Rússia está seguindo os passos sombrios dos Estados Unidos. Este é apenas outro tipo de revolução de cores.

Nem a classe trabalhadora russa, nem a ucraniana têm interesse nesta guerra imperialista na qual dois povos irmãos se matam. O presidente Putin tem razão ao dizer que a Ucrânia tem um regime corrupto e reacionário, mais ou menos invadido pelo Ocidente e infectado pelos nazistas. No entanto, não é tarefa da Rússia, mas da classe trabalhadora ucraniana se livrar de tal regime. E o regime capitalista de Putin obviamente não se olhou no espelho.

O Kremlin é como um eco da Rússia do czar quando Putin nega à Ucrânia sua soberania enquanto uma nação separada com direitos nacionais. Foi a União Soviética socialista de Lenin e Stalin que restaurou e respeitou os direitos nacionais da Ucrânia, assegurando seu status de república soviética independente, há cem anos atrás. Juntamente com a Bielorrússia, a República Soviética da Ucrânia tinha até a sua própria representação na ONU.

Não há dúvida de que a maioria da população de língua russa no leste da Ucrânia quer pertencer à Rússia, porém as autoridades de Kiev (Ucrânia) não os deixaram decidir seu próprio destino. Oito anos de repressão nacional e censura à oposição são o pano de fundo para o cenário de guerra que agora presenciamos. Toda esta situação dramática poderia ter sido evitada, ou pelo menos adiada, se Kiev tivesse respeitado os acordos de Minsk, cumprido o direito de autonomia dos dois oblasts¹ e o direito de ter o russo como língua oficial – eles não seguiram a “orientação” dos Estados Unidos, da União Europeia e da OTAN.

Vários incendiários estão por trás disso
A indignação e condenação do Ocidente são ocas por toda parte. Por oito anos, a OTAN, os Estados Unidos e a União Europeia violaram a soberania da Ucrânia por meio de interferência política e econômica direta nos assuntos do país. Os mais óbvios foram os líderes ocidentais que participaram ativamente das manifestações na Praça Maidan em 2014 e os vazamentos da embaixadora dos EUA, Victoria Nuland, onde ela revelou planos de como os fantoches dos EUA substituiriam o então regime. A mesma Nuland é secretária de Estado para Assuntos Europeus no governo de Biden. Seu marido, Robert Kagan, foi um dos fundadores do Project for a New American Century , o think tank neoconservador que definiu a estratégia para a guerra no Iraque em 2003.

A UE, a OTAN e os EUA fizeram tudo o que podiam para quebrar a integridade territorial da antiga União Soviética e da federação iugoslava – e conseguiram. A Grã-Bretanha, que está na vanguarda de ameaçar e punir a Rússia, nunca respeitou a integridade territorial da Irlanda. O que a Rússia fez é o mesmo que a OTAN fez no Kosovo e o que a Turquia fez em Chipre.

O confronto que agora foi desencadeado entre a Rússia, por um lado, e a UE/OTAN, por outro, deve chegar mais cedo ou mais tarde. O pano de fundo é a expansão contínua da OTAN para o leste por trinta anos, uma expansão na qual a Ucrânia e a Bielorrússia permaneceram os últimos “estados-tampão”. Com a Ucrânia como membro da OTAN e uma mudança de regime dirigida pela UE na Bielorrússia, a OTAN estaria em posição de fazer o acordo final com seu rival russo. Os estrategistas imperialistas do Kremlin cinicamente interromperam temporariamente os planos da OTAN.

Anos de expansão da OTAN encolheram sistematicamente os mercados e esferas de influência russos. O ex-secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, disse que os planos de incluir a Ucrânia e a Geórgia na Otan “minam o propósito da aliança e ignoram impiedosamente o que os russos veem como seus interesses nacionais vitais”.

Nem isso nem os laços históricos entre a Rússia e a Ucrânia absolvem a Rússia da responsabilidade por violações do direito internacional, princípios nacionais e possíveis crimes de guerra.

A Rússia é como outras potências imperialistas
Partes da esquerda têm ilusões sobre a Rússia como “mais gentil” do que os Estados Unidos. Os sinais do ministro das Relações Exteriores Sergei Lavrov confirmam que os líderes em Moscou são como outros imperialistas. Lavrov desaprovou a soberania ucraniana alegando que um poder central que não tem controle total sobre todo o seu território também não deve ser percebido como um estado soberano. É uma retórica perigosa de superpotência que pode ser rapidamente virada contra a Síria, onde um terço do país está ocupado por jihadistas e outras forças com apoio militar dos Estados Unidos e da Turquia. Com tais declarações, a Rússia também está colocando à prova suas relações com a China. A China apela ao diálogo e é extremamente cautelosa com todas as formas de separatismo.

A contradição para a Rússia aumenta com a guerra: aumentou dramaticamente a probabilidade de que a opinião pública na Finlândia e na Suécia possa agora ser favorável à adesão à OTAN. Também pode ser aplicado em casa. Os russos têm grande simpatia pelo fato de que o povo de Donbass teve que ser resgatado do regime de Kiev – bombardeado pelo pastor que jurou fidelidade ao fascista e traidor da Segunda Guerra Mundial, Stepan Bandera.

Será algo completamente diferente se a ofensiva russa envolver lutas de rua sangrentas entre soldados e civis russos e ucranianos. Se a guerra continuar, pode significar o começo do fim para o regime de Putin. Os russos não esqueceram a ocupação do Afeganistão e os sacos de cadáveres que voltaram de lá. Agora trata-se também de um povo fraterno com uma longa comunidade cultural histórica. Além disso, Putin pode ter julgado mal o moral das forças russas, que agora estão cansadas após meses de preparação ao longo da fronteira.

São os trabalhadores ucranianos e russos que podem pôr fim à guerra e ao derramamento de sangue. A tarefa da classe trabalhadora na Noruega e no resto do mundo é apoiá-los e impedir que nossa própria cidadania da OTAN ponha lenha na fogueira com entregas de militares e tentativas de intervenção secreta ou aberta.

Forças russas fora! Condene toda interferência imperialista na Ucrânia!

¹ Um oblast (em russo e ucraniano: о́бласть; em bielorrusso: о́бласьць; em búlgaro: о́бласт; em checo: oblast; em eslovaco: oblasť) é uma subdivisão administrativa e territorial em alguns países eslavos e exrepúblicas soviéticas: Bielorrússia, Bulgária, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tajiquistão, Uzbequistão e Ucrânia. O termo foi usado, em outras línguas, para designar as maiores divisões administrativas da União Soviética.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes