UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 25 de maio de 2022

Trabalhadores da Toyota lutam contra fechamento da fábrica no ABC

ESTADO DE GREVE – Trabalhadores da Toyota se organizam contra fechamento da fábrica de São Bernardo do Campo (Foto: Reprodução/ Adonis Guerra/ SMABC).

Mesmo obtendo lucros enormes, empresa quer transferir fábrica para o interior para ganhar mais dinheiro, sem se preocupar com os trabalhadores.

Marcelo Pavão

___________________________________________________

SÃO PAULO – Após obter lucro de US$ 6,85 bilhões apenas no terceiro trimestre de 2021, a direção da Toyota surpreendeu os 550 trabalhadores da unidade produtiva de São Bernardo do Campo ao anunciar, no dia 05 de abril, o fechamento da fábrica e a transferência das operações para o interior. A unidade foi a primeira a ser aberta fora do Japão, em 1962, e produziu 1,4 milhão de peças apenas no ano passado.

“É importante dizer que o movimento prevê manutenção de emprego, ou seja, será oferecida oportunidade a 100% dos colaboradores que hoje trabalham na operação do ABC paulista”, afirmou a montadora.

Contudo, a decisão da empresa ignora se os trabalhadores podem se mudar para o interior e sobreviver durante a pior crise econômica das últimas décadas, jogando-os à situação de desemprego.

“Minha esposa é professora, tem estabilidade, meus filhos já são adultos. Tenho minha casa aqui, para mim não seria viável ir para o interior. Vamos lutar, temos que ir para cima, não podemos abrir mão, vamos brigar até o final”, relatou José Cícero, trabalhador da Toyota há 25 anos, à Tribuna Metalúrgica.

Os trabalhadores aprovaram em assembleia o estado permanente de mobilização contra a decisão dos capitalistas declarando greve e realizando atos na principal avenida da cidade e em frente à portaria da fábrica.

No dia 11 de abril, após o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC conquistar através da Justiça do Trabalho uma mesa de negociação com a Toyota, os trabalhadores retornaram aos postos de trabalho.

A luta dos trabalhadores pela permanência da fábrica é mais do que justa. O sindicato deve lutar pelo direito ao trabalho digno e por respeito ao trabalhador. Porém, não se pode prescindir da denúncia do Governo Bolsonaro e da minoria de ricaços, donos das fábricas e das terras, como os verdadeiros culpados pelo desemprego e pela miséria do povo.

A verdade é que nada explica o descaso com os trabalhadores senão a insaciável busca dos capitalistas por aumentarem seus lucros a qualquer custo e nos fazerem pagar pela crise econômica que eles criaram.

A crise na indústria é culpa dos capitalistas e do governo Bolsonaro

Devemos lembrar que a décadas essas empresas recebem benefícios fiscais para se manterem no Brasil. Todos os governos capitalistas e todos os partidos que assumiram a presidência se renderam às pressões das montadoras. Mesmo assim, as empresas viraram as costas para os trabalhadores e levaram seus lucros embora do país.

A Ford fechou sua unidade industrial em São Bernardo do Campo e demitiu milhares de trabalhadores em 2019; já a Mangels transferiu sua sede para Minas Gerais em 2020, e agora, a Toyota anuncia seu fechamento e a Mercedes-Benz colocará 5 mil trabalhadores em férias coletivas em abril por falta de peças.

A desindustrialização da região do ABC Paulista, historicamente um polo operário do nosso país, é reflexo da política fascista do Governo Bolsonaro de ataques aos trabalhadores. Como representante da classe dos ricos, seu projeto econômico e político para o Brasil é de transformar o país em um fazendão que exporta commodities – produtos da agropecuária e nossos valiosos minérios – para a Europa e para os Estados Unidos, vendendo nossas riquezas a preços baixos.

Por isso, a cada ano, mais indústrias brasileiras fecham suas portas e mais empresas estatais são privatizadas. Quem paga o preço é sempre o povo. Produzimos comida, mas nosso povo passa fome; temos direito ao trabalho, mas não há geração de emprego; o Brasil é rico, mas o brasileiro é cada vez mais pobre.

Se nós, milhões de explorados e exploradas no Brasil, tomássemos as fábricas e cruzássemos os braços para dizer que somos nós que deveríamos ter o poder de decidir se as fábricas fecham ou não o que fariam os capitalistas, se esses dependem da nossa exploração para desfrutarem de seus lucros bilionários?

Qual deles sairiam de suas mansões luxuosas para sujar suas mãos e produzir cada caminhão e construir cada prédio do nosso país?

Essa é a missão histórica da classe trabalhadora: assumir o controle da produção e construir o socialismo, onde essa produção será revertida em qualidade de vida para o povo. Nada mais justo, pois são os trabalhadores que produzem todas as riquezas que hoje são apropriadas pelos donos das indústrias.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes