UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 26 de novembro de 2022

Reitoria chama PM para reprimir estudantes na UNIRIO

Estudantes que lutavam pela reintegração de cotista à universidade foram recebidos pela Reitoria com autoritarismo no lugar de diálogo. Polícia Militar foi chamada para reprimir protesto.

Nina Musse e Allan Matheus
Rio de Janeiro


JUVENTUDE – A Reitoria golpista da UNIRIO continua perseguindo os estudantes da universidade. Dessa vez, até a Polícia Militar foi chamada para intimidar uma manifestação pacífica de alunos solidários à luta da cotista Amanda Gomes, estudante negra que há dois anos batalha para garantir que o sonho de entrar numa universidade federal seja garantido.

Por um erro de orientação, Amanda teve sua matrícula invalidada e, por isso, entrou na justiça para ser reintegrada. Após cursar o primeiro período, a própria Reitoria da UNIRIO recorreu da decisão judicial e cancelou sua matrícula novamente, já no meio da pandemia. 

Foram quase dois anos de muita luta para que o caso de Amanda fosse pautado no Conselho Superior da Universidade, o CONSUNI. O Diretório Central dos Estudantes (DCE) acompanhou o caso desde o início, garantindo que o problema entrasse na pauta de reunião do Conselho e a demanda pela reintegração da estudante fosse aprovada pela maioria dos conselheiros. 

Porém, a Reitoria se recusa a admitir o erro cometido e reintegrar Amanda. Já se passaram quase quatro meses desde que a decisão foi tomada pelo CONSUNI, sem que a Reitoria tenha reativado sua matrícula. 

Em protesto, uma manifestação foi realizada no dia 10 de maio pelo DCE, entidades do movimento estudantil, alunos e pela Comissão Amanda Fica para cobrar resposta da gestão da Universidade sobre a situação.

Reitoria golpista intimida estudantes 

Na hora do ato, a Reitoria estava vazia, não por acaso. Essa atitude mostra a falta de debate dentro dessa UNIRIO. Os estudantes se encontraram com o único funcionário que estava ali presente (o diretor de Graduação que presidiu a sessão do CONSUNI que deliberou pela reintegração de Amanda) e foram recebidos, mais uma vez, com autoritarismo, ao invés de diálogo. Nesse momento, a PM foi chamada para reprimir os estudantes.

Com a chegada da polícia, quatro representantes dos manifestantes foram chamados pelo diretor de Graduação para uma reunião, porém com a condição de Amanda não participar. Um absurdo! 

Mesmo assim, a comissão de estudantes foi à tal reunião, sendo surpreendidos pela presença da Polícia Militar, que não só acompanhava de perto, mas de fato fazia parte da reunião. Chegou-se a dizer que os policiais haviam sido agredidos com chutes e ofendidos verbalmente e psicologicamente! Já os participantes da reunião sofreram ameaças de processo. 

Após a repercussão negativa de tamanha truculência, a Reitoria soltou uma nota de “repúdio” em suas redes sociais, incluindo um e-mail encaminhado para toda a comunidade acadêmica, distorcendo os fatos e se referindo à manifestação estudantil como um ato de vandalismo, acusando os estudantes e professores ali presentes de coação e agressão (pasmem!). 

Estudantes não se calarão!

Amanda continua sem matrícula, sem acesso a bolsas, ao restaurante universitário e ao passe livre universitário. 

Na última terça-feira (31/05), a máscara caiu de novo diante de centenas de estudantes e professores que viram com seus próprios olhos o nível de autoritarismo e de criminalização desta luta tão legítima e tão importante não apenas para Amanda, mas para todos os estudantes cotistas que são impedidos de entrar e permanecer na universidade. 

Casos como esse não são isolados. A burocratização e falta de transparência nos processos de seleção dos alunos cotistas para ingressarem na universidade são extremamente comuns e precisam ser denunciados para que esse espaço acadêmico possa ser verdadeiramente público e sirva às necessidades dos trabalhadores e de seus filhos e filhas.

 Passadas quatro semanas do ato, os estudantes foram novamente à Reitoria, com performances artísticas promovidas por alunos de Teatro. Ao chegar no prédio onde deveria estar o pessoal da Reitoria para receber os estudantes, encontramos o local não só vazio, como também trancado e deserto. Não havia ninguém, nem mesmo os servidores. A Reitoria  golpista da UNIRIO, além de covarde, segue sendo uma vergonha a nível nacional.

O movimento estudantil seguirá na luta pela reintegração de Amanda. Só descansaremos quando ela estiver devidamente matriculada na universidade! Amanda fica, Reitoria sai!

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes