UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 28 de setembro de 2022

Uma criança ou adolescente é abusado sexualmente a cada 19 horas no RN

Secretaria de Segurança do RN aponta que, em 2022, 229 crianças e adolescentes foram abusados sexualmente. Em relação a 2021, representa um aumento de 4,5%. Educação sexual nas escolas poderia mudar esse quadro, incentivando a mais meninas e meninos a denunciarem abusos.

Kivia Moreira, Natal


Desde o início desse ano, cerca de 229 crianças e adolescentes foram estuprados no Rio Grande do Norte, conforme dados da Coordenadoria de Informações Estatísticas e Análise Criminal da Secretaria de Estado de Segurança Pública e da Defesa Social (Coine/Sesed). Em outras palavras, significa que, a cada 19 horas, uma criança ou adolescente é estuprado no estado.

E esses dados representam cerca de 75% dos casos notificados no primeiro semestre de 2022, representando um aumento de 4,5% em relação ao ano passado. Apesar dos dados já serem absurdos, ainda há casos que não são notificados ou denunciados, podendo representar números bem maiores.

Educação sexual nas escolas ajuda a combater o abuso sexual

Uma das formas de enfrentar esse cenário seria a educação sexual nas escolas. Isto porque, a partir do conhecimento do que é abuso, bem como compreender que a criança e adolescente possuem autonomia e devem ter seus corpos respeitados, é possível que a vítima se incentive a fazer a denúncia.

Entretanto, vale destacar que a maior parte dos abusos sexuais são cometidos por familiares da vítima, conforme Paoulla Maués, diretora da Polícia Civil. Dessa maneira, a educação sexual não depende somente da família dos jovens, mas principalmente das escolas e ambientes de convivência das crianças e dos adolescentes, tendo em vista que, longe do agressor, o jovem pode se sentir mais confortável em fazer a denúncia.

Apesar dos esforços para combater os abusos infantis, a violência contra as crianças é um problema estrutural do sistema capitalista, por causa da sexualização dos corpos dos indivíduos a fim de lucrar em cima deles – a exemplo da prostituição. 

Por isso, além da luta essencial pelo fim do abuso infantil, conectada à luta por acesso da educação sexual aos jovens, é imprescindível a luta pelo fim do capitalismo, sistema que explora corpos de crianças e adolescentes, para construir um sistema que a juventude tenha o direito de viver de forma digna, que é no sistema socialista.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes