UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 10 de dezembro de 2022

Estudantes do CEFET Nova Iguaçu sofrem agressão de bolsonaristas durante protesto contra corte de verbas

Apoiadores do fascista Bolsonaro agrediram verbalmente estudantes LGBTs, militantes da UJR e jovens do movimento de mulheres que protestavam contra corte de verbas na Educação.

Murilo Barboza e Debrá
RIO DE JANEIRO


JUVENTUDE – Os alunos do CEFET/RJ Campus Nova Iguaçu foram às ruas, no último dia 14, protestar contra as más condições de ensino na unidade, quando foram ameaçados por apoiadores do fascista Bolsonaro, que agrediram verbalmente estudantes LGBTs, militantes da UJR e jovens do movimento de mulheres, numa tentativa falha de intimidação.

Um dos carros usados pelos agressores, sem placa, chegou a atropelar um dos estudantes ainda no começo do ato. O jovem não teve ferimentos graves e a ação violenta não intimidou nem desanimou nenhum dos presentes, que continuaram a puxar palavras de ordem com ainda mais força contra Bolsonaro e os cortes na Educação. O protesto foi organizado pela Federação Nacional dos Estudantes de Ensino Técnico (FENET), Associação de Estudantes Secundaristas do Rio de Janeiro (AERJ), União da Juventude Rebelião (UJR) e pelo Movimento Correnteza.

No CEFET Nova Iguaçu, reclamações sobre goteiras nas escadas e nas salas de aulas, paredes mofadas e problemas com os telhados das salas, que já ocasionaram o alagamento de aproximadamente oito salas, são frequentes entre os estudantes, além da demora na conclusão do prédio que sediará o bandejão. Muitos alunos ficam de dois à três dias integralmente no campus, gastando mais de cinquenta reais semanalmente com alimentação. Essas despesas deveriam ser supridos através do Programa de Assistência Estudantil (PAE), mas o programa também tem sofrido com os cortes de verbas covardes do atual governo.

Segundo os estudantes, o valor da assistência prestada pelo programa, que era de 10 parcelas de 400 reais, passou a ser de 8 parcelas de 300 reais, com a justificativa de que o dinheiro seria remanejado para a construção do bandejão. No entanto, a obra não se movimentou e segue sem previsão de conclusão.

Além dos gastos com a alimentação, os alunos também sofrem com a falta de acesso ao bilhete único universitário para as universidades da Baixada Fluminense do Rio de Janeiro. Alunos do ensino médio têm direito à gratuidade previsto por lei, porém não é um direito garantido pelo CEFET. As passagens do passe livre dos estudantes do ensino médio são insuficientes para seus deslocamentos durante o mês. Na prática, mesmo a instituição de ensino sendo pública, os estudantes precisam pagar para estudar. Quem não tem dinheiro para arcar com passagem e alimentação, não estuda.

Para amanhã (18), o movimento estudantil está mobilizando a juventude de escolas e universidades para uma grande manifestação nacional contra o corte de verbas da Educação e pelo Fora Bolsonaro. “O fascismo não acabará com as eleições. Os estudantes precisam seguir na luta por uma educação pública verdadeiramente gratuita, de qualidade e pelo livre acesso às universidades, aspirações que só serão alcançadas com a construção do poder popular e do socialismo”, afirma Gabriel GB, estudante da UFRRJ e militante da UJR na Baixada Fluminense.

Outros Artigos

1 COMENTÁRIO

  1. Parabens estudantes do CEFET, a luta contra o Facismo tem que vencer. Fora Bolsonaro. Sim a Educaçao de Qualidade! Sim ao Pro Uni! Lula Presidente!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes