UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 7 de fevereiro de 2023

21 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência contra a mulher

Movimento de Mulheres Olga Benario
Caxias do Sul/RS


Daiana, Bruna, Jussara, Carla, Marivane, Jessica, Lindamir. Esses são os nomes das mulheres vitimas de feminicídio em Caxias do Sul/RS em 2022. Os autores dos crimes? Homens, companheiros, ex-companheiros das vítimas. Começamos nossa reflexão sobre essa data com seus nomes, os quais representam milhares de mulheres em nosso país e no mundo que convivem diariamente com a perpetuação do machismo, da violência e do racismo. Que  não sejam esquecidas!

Ao falarmos de violências, citamos as diversas formas de suas manifestações, a violência psicológica, moral, sexual, física, política e institucional. Todas presentes no cotidiano das mulheres nos diversos espaços públicos e privados.

A campanha mundial “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher” foi criada pela ONU Mulheres em 1991 e é organizada anualmente em mais de 150 países com objetivo de conscientizar a população sobre os diferentes tipos de agressão contra mulheres e propor medidas de prevenção e combate à violência, ampliando também os espaços de debate com a sociedade. No Brasil, a campanha começa antes, em 20 de Novembro em razão do Dia Nacional da Consciência Negra, considerando que a mulher negra está em maior vulnerabilidade.

O calendário internacional começa em 25 de novembro (Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres) e termina em 10 de dezembro (Dia Internacional dos Direitos Humanos). A data foi escolhida pela ONU para homenagear e lembrar a luta das irmãs Mirabal, três mulheres, mães e esposas dominicanas de classe média, conhecidas como ‘Las Mariposas’ (as borboletas), que foram assassinadas em 1960, na República Dominicana, por lutarem contra o brutal regime ditatorial de Rafael Trujillo.

Em 2021, o Brasil teve um estupro a cada 10 minutos e um feminicidio a cada 7 horas, sendo que as mulheres negras são as principais vítimas de feminicidio no país e representam 67% dos casos notificados em 2020, as mulheres brancas representam 29% e as indígenas 1% (Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública).

Para vencermos esses dados e realidade, precisamos lutar contra o racismo estrutural, o patriarcado que atravessa os discursos moralistas, preconceituosos e religiosos no nosso dia a dia. Além da conscientização sobre esses fatos, é preciso considerar as vulnerabilidades sociais. Entendemos que é dever do Estado garantir políticas públicas que promovam direitos, acesso à renda, creches públicas, centros de convivência, cozinhas comunitárias, escolas, Unidade Básica de Saúde, áreas de lazer, para que as mulheres possam ter condições de viver livres da subjugação econômica a que são expostas.

Quer apoiar uma causa que defende a vida das mulheres? Conheça a Casa de Referência Mulheres Mirabal e o Movimento de Mulheres Olga Benário. Acesse nossas redes sociais e saiba como apoiar esse projeto!  

Facebook: https://www.facebook.com/MulheresMirabal/ 

Instagram: @casamulheresmirabal @movimentoolga.rs 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes