UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 13 de julho de 2024

Proposta de novo arcabouço fiscal beneficia mercado financeiro

Proposta de novo arcabouço fiscal apresentada pelo governo impõe limites para crescimento dos gastos públicos e compromete particularmente o espaço no orçamento onde se pode melhorar a vida do povo trabalhador. 

Carolina Matos | São Paulo


BRASIL – Na manhã desta quinta-feira (30), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e a ministra do Planejamento, Simone Tebet, anunciaram em coletiva a proposta de um novo conjunto de regras para política fiscal brasileira para substituir a lei do Teto de Gastos, que vigora desde 2017. Os representantes do governo destacaram que a proposta teve o acordo do presidente Lula, de diversos ministérios e do Banco Central.

Antes de mais nada, o chamado “arcabouço fiscal” preserva regras como a Lei de Responsabilidade Fiscal (que determina a equiparação de receitas e despesas, independente das condições de vida da população) e a Regra de Ouro (que ordena que despesas correntes não podem ser financiadas por novos endividamentos).

A proposta do Governo prevê aumento anual das despesas federais entre 50% e 70% do aumento da receita, com objetivo de zerar o déficit em 2024 e contabilizar superávit a partir de 2025. Apesar de apresentar alguma flexibilidade comparado ao Teto de Gastos, o arcabouço proposto estipula claros limites:

  • O crescimento real das despesas será de mínimo de 0,6% e máximo de 2,5%; hoje, de acordo com a Lei do Teto de Gastos, esse crescimento acompanha a inflação, sem crescimento real.
  • Intervalo para meta do resultado primário. Se superar o limite máximo da meta, o excedente arrecadado será direcionado para investimentos. Se ficar abaixo do limite mínimo da meta, as despesas poderão crescer só 50% do aumento da receita.

Durante a coletiva, destacou-se que está previsto um piso de R$ 75 bilhões mais a inflação do ano para área de investimentos. Além disso, esclareceu-se que o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e o piso da enfermagem estão fora desses limites, porque possuem regras próprias na Constituição.

Política econômica liberal não serve ao povo

Ainda que a proposta de nova regra fiscal seja menos pior que o Teto de Gastos – o que não é grande coisa -, os limites anunciados comprometem particularmente o espaço no orçamento onde se pode melhorar a vida do povo trabalhador.

Ficou evidente a intenção de fazer com que os gastos públicos cresçam menos que a arrecadação, mantendo a política fiscal sempre subutilizada. Com as normas propostas, se o governo arrecadar 100 bilhões a mais em um período, terá permissão para aumentar apenas 70 bilhões no período seguinte. O aceno ao mercado financeiro não poderia ser mais claro.

Não é novidade que a pauta econômica tem sido dominada por agentes que, ao resguardarem os interesses dos super ricos, enchem os noticiários de modelos teóricos falsos, obsoletos, ignorando completamente a urgência das demandas sociais populares. O fiscalismo, essa verdadeira ode a regras fiscais autoimpostas pelo Estado capitalista, impede que o orçamento público trate seriamente da segurança alimentar, do acesso pleno à educação, do direito à saúde, de emprego e de demais questões que fizeram milhões de brasileiras e brasileiros rejeitarem Bolsonaro nas últimas eleições. O fascismo segue nos rondando e combatê-lo exige, necessariamente, a garantia de mais direitos sociais ao nosso povo.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes